Artistas sergipanos cobram pagamento de cachês do Forró Caju

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 26/10/2018 às 06:59:00

 

Artistas sergipanos que se apresentaram durante a última edição do Forró Caju seguem lutando para receber os respectivos cachês que até o final da tarde de ontem não havia sido quitado pela Prefeitura de Aracaju. O evento foi realizado no final do mês de junho, mas desde então os músicos permanecem peregrinando entre os órgãos públicos em busca dos direitos trabalhistas. Na manhã de ontem um ato público foi realizado na frente da Câmara Municipal de Aracaju, no centro da cidade, sob a coordenação do Sindicato dos Músicos do Estado de Sergipe (Sindmuse).
Paralelo às lamentações quanto ao pagamento efetuado de forma antecipara aos artistas de renome nacional, os representantes da cultura local dizem tentar entender como a Prefeitura consegue anunciar e promover uma festa de final de ano - Réveillon na Orla de Atalaia -, sendo que a própria administração pública municipal continua em real débito junto a vários artistas. Segundo Tonico Saraiva, presidente do Sindmuse, é de fundamental importância que a população aracajuana esteja acompanhando a luta da categoria, bem como o Ministério Público promova uma intervenção como forma de garantir a quitação dos valores.
"É difícil de entender como um prefeito que se diz fiel às raízes nordestinas, chega no palco do Forró Caju e até toca zabumba, mas na hora de realizar os pagamentos quita os contratos muitas vezes antes dos artistas nacionais subirem ao palco enquanto a raiz, nossos músicos sergipanos, que carregam na alma a sergipanidade, seguem sofrendo quatro meses para receber os cachês. Isso é desleal, lamentável e por isso viemos até a Câmara Municipal para pedir o apoio dos vereadores", disse. De acordo com a direção sindical a proposta do grupo é seguir pressionando o prefeito Edvaldo Nogueira.
Sobre o diálogo em torno do assunto junto aos gestores municipais, Tonico Saraiva, lamenta que o prefeito permaneça indisponível para receber os músicos em reunião. "Ele (Edvaldo) não nos recebe e infelizmente somos obrigados a buscar outras formas de intensificar essa cobrança. Se não fosse o apoio da mídia local infelizmente a população em geral não teria conhecimento do nosso problema já que, repito, é anunciada a realização de festa de réveillon sem mesmo ter quitado o pagamento dos forrozeiros que se apresentaram no Forró Caju. Infelizmente percebemos que os artistas sergipanos não são prioridade na lista de pagamento", declarou.
Contraponto - Por meio de nota oficial a Prefeitura de Aracaju informou que: "depende da liberação dos recursos do Ministério da Cultura para concluir os pagamentos relacionados ao Forró Caju. A gestão municipal tem respondido a todas as diligências feitas pelo ministério, para que a verba federal seja liberada o mais rápido possível. Todos os pagamentos que ficaram sob a responsabilidade da administração municipal já foram honrados, tanto com artistas quanto com fornecedores. Na última transmissão ao vivo feita pelo prefeito Edvaldo Nogueira nas redes sociais, no último dia 15, ele abordou o tema. O gestor lamentou o atraso na liberação dos recursos, disse que tem atuado junto ao governo federal para a resolução do problema e afirmou que está reavaliando se fará a festa no próximo ano, caso não haja recursos próprios suficientes para a sua realização". (Milton Alves Júnior)

Artistas sergipanos que se apresentaram durante a última edição do Forró Caju seguem lutando para receber os respectivos cachês que até o final da tarde de ontem não havia sido quitado pela Prefeitura de Aracaju. O evento foi realizado no final do mês de junho, mas desde então os músicos permanecem peregrinando entre os órgãos públicos em busca dos direitos trabalhistas. Na manhã de ontem um ato público foi realizado na frente da Câmara Municipal de Aracaju, no centro da cidade, sob a coordenação do Sindicato dos Músicos do Estado de Sergipe (Sindmuse).
Paralelo às lamentações quanto ao pagamento efetuado de forma antecipara aos artistas de renome nacional, os representantes da cultura local dizem tentar entender como a Prefeitura consegue anunciar e promover uma festa de final de ano - Réveillon na Orla de Atalaia -, sendo que a própria administração pública municipal continua em real débito junto a vários artistas. Segundo Tonico Saraiva, presidente do Sindmuse, é de fundamental importância que a população aracajuana esteja acompanhando a luta da categoria, bem como o Ministério Público promova uma intervenção como forma de garantir a quitação dos valores.
"É difícil de entender como um prefeito que se diz fiel às raízes nordestinas, chega no palco do Forró Caju e até toca zabumba, mas na hora de realizar os pagamentos quita os contratos muitas vezes antes dos artistas nacionais subirem ao palco enquanto a raiz, nossos músicos sergipanos, que carregam na alma a sergipanidade, seguem sofrendo quatro meses para receber os cachês. Isso é desleal, lamentável e por isso viemos até a Câmara Municipal para pedir o apoio dos vereadores", disse. De acordo com a direção sindical a proposta do grupo é seguir pressionando o prefeito Edvaldo Nogueira.
Sobre o diálogo em torno do assunto junto aos gestores municipais, Tonico Saraiva, lamenta que o prefeito permaneça indisponível para receber os músicos em reunião. "Ele (Edvaldo) não nos recebe e infelizmente somos obrigados a buscar outras formas de intensificar essa cobrança. Se não fosse o apoio da mídia local infelizmente a população em geral não teria conhecimento do nosso problema já que, repito, é anunciada a realização de festa de réveillon sem mesmo ter quitado o pagamento dos forrozeiros que se apresentaram no Forró Caju. Infelizmente percebemos que os artistas sergipanos não são prioridade na lista de pagamento", declarou.

Contraponto - Por meio de nota oficial a Prefeitura de Aracaju informou que: "depende da liberação dos recursos do Ministério da Cultura para concluir os pagamentos relacionados ao Forró Caju. A gestão municipal tem respondido a todas as diligências feitas pelo ministério, para que a verba federal seja liberada o mais rápido possível. Todos os pagamentos que ficaram sob a responsabilidade da administração municipal já foram honrados, tanto com artistas quanto com fornecedores. Na última transmissão ao vivo feita pelo prefeito Edvaldo Nogueira nas redes sociais, no último dia 15, ele abordou o tema. O gestor lamentou o atraso na liberação dos recursos, disse que tem atuado junto ao governo federal para a resolução do problema e afirmou que está reavaliando se fará a festa no próximo ano, caso não haja recursos próprios suficientes para a sua realização". (Milton Alves Júnior)