Nas redes sociais, Bolsonaro dispara críticas ao adversário e ao PT

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 27/10/2018 às 07:49:00

 

Karine Melo
Agência Brasil  
Às vésperas do segundo turno, o candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, usou parte do tempo ontem (26) nas redes sociais para criticar de forma contundente o adversário Fernando Haddad (PT) e o Partido dos Trabalhadores. Dirigindo-se aos eleitores, ele pediu "seriedade" no momento de votar. Anunciou ainda que se, eleito, a prioridade será "gerar crescimento, oportunidades e emprego".
"Nunca haverá estabilidade social na presença de violência, miséria e altas taxas de desemprego. Todo indivíduo deveria ter condições de fazer escolhas que permitam preservar sua vida, sua liberdade, buscar sua felicidade, além do conforto de sua família."
O candidato ressaltou que só há três nomes confirmados para sua eventual equipe de governo: o deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS) para Casa Civil, o general da reserva Augusto Heleno, para o Ministério da Defesa, e o economista Paulo Guedes, para comandar a área econômica.
"As eleições só serão definidas no domingo (28). Além dos três nomes mencionados (Onyx, Heleno e Guedes), outros serão anunciados. Com intuito de se promover ou nos desgastar, oportunistas se anunciam ministros. Estes, de antemão, já podem se considerar fora de qualquer possível governo."
Ameaças - Segundo Bolsonaro, sua candidatura representa uma ameaça aos corruptos, à bandidagem, aos estupradores, aos esquemas que assaltam o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), aos assassinos e aos que querem destruir o Brasil. "Por isso estão desesperados. Não terão sossego em meu governo", destacou o presidenciável, escrevendo a última frase em letras maiúsculas.
Ao se referir a Haddad, o candidato do PSL reagiu com críticas às afirmações do petista que o acusou de ser responsável pela campanha mais baixa da história. "Logo ele, que é orientado por um presidiário, esconde as cores do partido, finge ser religioso, joga bíblia no lixo, esconde apoio à ditadura venezuelana e espalha um monte de porcaria mentirosa ao meu respeito."
Em meio às denúncias de notícias falsas e mentiras, Bolsonaro disparou contra Haddad. "Ninguém mentiu mais que o PT nesta eleição. São mestres em enganar. Mudaram o plano de governo diversas vezes após expormos seu viés totalitário."

Às vésperas do segundo turno, o candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, usou parte do tempo ontem (26) nas redes sociais para criticar de forma contundente o adversário Fernando Haddad (PT) e o Partido dos Trabalhadores. Dirigindo-se aos eleitores, ele pediu "seriedade" no momento de votar. Anunciou ainda que se, eleito, a prioridade será "gerar crescimento, oportunidades e emprego".
"Nunca haverá estabilidade social na presença de violência, miséria e altas taxas de desemprego. Todo indivíduo deveria ter condições de fazer escolhas que permitam preservar sua vida, sua liberdade, buscar sua felicidade, além do conforto de sua família."
O candidato ressaltou que só há três nomes confirmados para sua eventual equipe de governo: o deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS) para Casa Civil, o general da reserva Augusto Heleno, para o Ministério da Defesa, e o economista Paulo Guedes, para comandar a área econômica.
"As eleições só serão definidas no domingo (28). Além dos três nomes mencionados (Onyx, Heleno e Guedes), outros serão anunciados. Com intuito de se promover ou nos desgastar, oportunistas se anunciam ministros. Estes, de antemão, já podem se considerar fora de qualquer possível governo."

Ameaças - Segundo Bolsonaro, sua candidatura representa uma ameaça aos corruptos, à bandidagem, aos estupradores, aos esquemas que assaltam o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), aos assassinos e aos que querem destruir o Brasil. "Por isso estão desesperados. Não terão sossego em meu governo", destacou o presidenciável, escrevendo a última frase em letras maiúsculas.
Ao se referir a Haddad, o candidato do PSL reagiu com críticas às afirmações do petista que o acusou de ser responsável pela campanha mais baixa da história. "Logo ele, que é orientado por um presidiário, esconde as cores do partido, finge ser religioso, joga bíblia no lixo, esconde apoio à ditadura venezuelana e espalha um monte de porcaria mentirosa ao meu respeito."
Em meio às denúncias de notícias falsas e mentiras, Bolsonaro disparou contra Haddad. "Ninguém mentiu mais que o PT nesta eleição. São mestres em enganar. Mudaram o plano de governo diversas vezes após expormos seu viés totalitário."