Torre de rádio cai e mata dois operários em Itabaiana

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Os dois operários estavam em cima da torre que desabou
Os dois operários estavam em cima da torre que desabou

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 27/10/2018 às 08:14:00

 

Uma antiga torre de transmissão da Rádio Capital do Agreste desabou por volta das 9h de ontem em Itabaiana (Agreste), provocando a morte de dois operários que trabalhavam na desmontagem da estrutura. Sidvaldo Chagas dos Santos, 42 anos, e Valmiro da Silva, 32, estavam na parte de cima, a uma altura de cerca de 60 metros, e não tiveram chance de escapar do momento em que um dos cabos de sustentação da torre se rompeu, levando toda a estrutura abaixo. Um dos operários morreu na hora e o outro não resistiu aos ferimentos, falecendo antes da chegada de uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Um terceiro homem que estava embaixo conseguiu escapar da queda, sem ferimentos. 
A torre que desabou ficava em uma fazenda às margens da Rodovia Francisco Teles de Mendonça, na saída da cidade serrana. Ali estava situado o antigo transmissor que emitia o sinal da Capital do Agreste em amplitude modulada (rádio AM). O equipamento foi desativado em meados deste ano, depois que a emissora migrou para a frequência modulada (FM), e, desde então, o transmissor e a torre entraram em processo de desmontagem. As ferragens seriam então retiradas aos poucos da fazenda e possivelmente transformada em sucata. 
Após a confirmação das mortes, equipes do Corpo de Bombeiros, da Polícia Civil, da Defesa Civil Municipal e do Instituto de Criminalística estiveram no local do acidente e começaram a fazer uma perícia no que restou da estrutura. Em entrevista à TV Atalaia, o delegado regional de Itabaiana, Tarcísio Tenório, confirmou que a estrutura física da antiga torre estava com sinais de desgaste e oxidação avançada, o que pode ser uma das causas do acidente. Um inquérito policial foi instaurado para apurar o caso e, na tarde de ontem, parentes das vítimas e outras testemunhas começaram a prestar depoimento. Um laudo pericial deve ser preparado ao longo dos próximos 30 dias. 
Um dos parentes ouvidos foi Valmir da Silva, irmão do operário Valmiro. Ele relatou que a vítima não tinha experiência em desmontagem de torres, mas aceitou fazer o serviço em troca de um pagamento de R$ 100, porque estava desempregado e estava com a pensão alimentícia atrasada. O familiar disse também que, no dia anterior, Valmiro contou a outro irmão que a torre dava sinais de que iria desabar e chegou a ouvir conselhos para que não fosse trabalhar na manhã de ontem. E que as vítimas não utilizavam quaisquer equipamentos de segurança. A direção da Rádio Capital do Agreste informou que só vai se pronunciar depois que as causas do acidente forem esclarecidas e que estão prestando assistência aos familiares das vítimas.

Uma antiga torre de transmissão da Rádio Capital do Agreste desabou por volta das 9h de ontem em Itabaiana (Agreste), provocando a morte de dois operários que trabalhavam na desmontagem da estrutura. Sidvaldo Chagas dos Santos, 42 anos, e Valmiro da Silva, 32, estavam na parte de cima, a uma altura de cerca de 60 metros, e não tiveram chance de escapar do momento em que um dos cabos de sustentação da torre se rompeu, levando toda a estrutura abaixo. Um dos operários morreu na hora e o outro não resistiu aos ferimentos, falecendo antes da chegada de uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Um terceiro homem que estava embaixo conseguiu escapar da queda, sem ferimentos. 
A torre que desabou ficava em uma fazenda às margens da Rodovia Francisco Teles de Mendonça, na saída da cidade serrana. Ali estava situado o antigo transmissor que emitia o sinal da Capital do Agreste em amplitude modulada (rádio AM). O equipamento foi desativado em meados deste ano, depois que a emissora migrou para a frequência modulada (FM), e, desde então, o transmissor e a torre entraram em processo de desmontagem. As ferragens seriam então retiradas aos poucos da fazenda e possivelmente transformada em sucata. 
Após a confirmação das mortes, equipes do Corpo de Bombeiros, da Polícia Civil, da Defesa Civil Municipal e do Instituto de Criminalística estiveram no local do acidente e começaram a fazer uma perícia no que restou da estrutura. Em entrevista à TV Atalaia, o delegado regional de Itabaiana, Tarcísio Tenório, confirmou que a estrutura física da antiga torre estava com sinais de desgaste e oxidação avançada, o que pode ser uma das causas do acidente. Um inquérito policial foi instaurado para apurar o caso e, na tarde de ontem, parentes das vítimas e outras testemunhas começaram a prestar depoimento. Um laudo pericial deve ser preparado ao longo dos próximos 30 dias. 
Um dos parentes ouvidos foi Valmir da Silva, irmão do operário Valmiro. Ele relatou que a vítima não tinha experiência em desmontagem de torres, mas aceitou fazer o serviço em troca de um pagamento de R$ 100, porque estava desempregado e estava com a pensão alimentícia atrasada. O familiar disse também que, no dia anterior, Valmiro contou a outro irmão que a torre dava sinais de que iria desabar e chegou a ouvir conselhos para que não fosse trabalhar na manhã de ontem. E que as vítimas não utilizavam quaisquer equipamentos de segurança. A direção da Rádio Capital do Agreste informou que só vai se pronunciar depois que as causas do acidente forem esclarecidas e que estão prestando assistência aos familiares das vítimas.