Centenas caminham no centro em defesa de Haddad

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
CENTENAS DE MANIFESTANTES PERCORRERAM AS RUAS CENTRAIS DE ARACAJU EM DEFESA DA CANDIDATURA DE FERNANDO HADDAD À PRESIDÊNCIA
CENTENAS DE MANIFESTANTES PERCORRERAM AS RUAS CENTRAIS DE ARACAJU EM DEFESA DA CANDIDATURA DE FERNANDO HADDAD À PRESIDÊNCIA

Cenário levado por manifestantes em defesa de Haddad
Cenário levado por manifestantes em defesa de Haddad

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 27/10/2018 às 08:19:00

 

Milton Alves Júnior
Milhares se sergipa-
nos se reuniram na 
tarde de ontem no centro de Aracaju para participar do último ato publico unificado em defesa da candidatura do presidenciável Fernando Haddad. Na certeza que, apesar da dificuldade popular desta eleição é possível derrotar democraticamente a chapa opositora comandada por Jair Bolsonaro (PSL), os militantes enalteceram que grêmios estudantis, classes trabalhadoras, movimentos sociais e artistas dos mais variados seguimentos não estão nas ruas para defender um partido político, mas sim para fortalecer a democracia, os interesses da classe trabalhadora e contribuir para que Haddad eleito, possa revogar, por exemplo, a reforma trabalhista. Bolsonaro em seu plano de governo defende a manutenção da reforma elaborada e sancionada pelo ainda presidente Michel Temer.
Realizado por centrais sindicais sem a intervenção direta de partidos políticos, o ato denominado 'Arrastão da Virada', recebeu caravanas de ao menos 30 municípios sergipanos e representantes de todos os bairros da capital sergipana. Diante da proposta de evitar conflitos com eleitores opositores e manter o clima pacífico da caminhada, lideres sociais enalteciam a cada instante o desejo de a população combater o ódio com amor. Para manter a ordem, agentes da Polícia Militar do Estado de Sergipe, Guarda Municipal de Aracaju, Força Nacional e da Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT), acompanharam a mobilização iniciada no final de tarde na Praça General Valadão.
Na avaliação do professor Rubens Marques, atual presidente regional da Central Única dos Trabalhadores (CUT), a população sergipana segue se fortalecendo em busca da valorização da democracia e contra o que ele chama de 'onda de ódio e violência' predominada durante este período eleitoral. Se mostrando crítico ao se auto-intitular ético nas respectivas ações e linhas de raciocínio, Dudu - como é popularmente conhecido, analisa Jair Bolsonaro como um natural gestor federal a manter o modo Temer de tratar dos assuntos de interesse dos trabalhadores, e consequente ameaça para novas intervenções antidemocráticas. Ele indica que instituições federais de ensino superior começam a sofrer censuras.
"Aqui em Sergipe ou no cenário nacional por mais que possuamos uma ideologia populista e de ligação com partidos que buscam atender aos nossos pleitos, ao longo dos últimos anos realizamos atos de defesa de alguns gestores de diálogo aberto conosco, como também nos momentos necessários fomos às ruas para protestar. Nossa bandeira é a classe trabalhadora, não é partido. Defendemos Haddad por entender que ele como professor terá muito mais o que contribuir com o nosso povo do que um ex-capitão do Exercício que arrota prepotência, preconceito e vomita total desconhecimento sobre inúmeros assuntos de relevância coletiva", declarou. A coordenação da caminhada avalia que cerca de 10 mil pessoas participaram do ato; a Polícia Militar não se manifestou sobre o assunto.
Quando questionado sobre o perfil administrativo dos dois candidatos, Rubens Marques fez questão de relembrar a passagem de Fernando Haddad sob o Ministério da Educação (MEC), e os benefícios encaminhados para Sergipe. Ele citou a expansão das instituições federais de ensino, e a busca pela qualificação continua das escolas de educação básica. "Vivenciamos esses avanços em nosso Estado. A Universidade Federal de Sergipe hoje possui unidades no interior devido ao trabalho de um governo que trabalha para melhorar a estrutura do ensino, e não censurá-lo, ou querer gerar taxas como Bolsonaro propõe. Devemos lutar para que o fascismo de Bolsonaro não chegue ao poder e prejudique a Nação", disse.
Virada - Presente no ato, a vice-prefeito de Aracaju, Eliane Aquino, candidata a vice-governadora na chapa de Belivaldo Chagas (PSD) disse acreditar que o país 'acordou' para a postura repleta de incoerências e depoimentos ricos em falácias por parte de Bolsonaro. Apesar da não crença junto às pesquisas eleitorais que passam a destacar a ascensão de Haddad, a petista - candidata a vice-governadora, disse confiar na vitória após o diálogo pessoal realizado ao longo dos últimos 20 dias. "Não falo isso com base em pesquisas que intrigam a confiabilidade do eleitor, falo isso com base no que presenciei. Hoje marcamos a virada do cenário que foi liderado pelo discurso de ódio e passa a ser conduzido pelo amor, pela democracia, pelo progresso e respeito ao próximo", disse.
A caminhada que também defendeu a candidatura à reeleição do governador Belivaldo Chagas (PSD), percorreu as principais ruas do centro comercial e foi finalizado na tradicional Avenida Barão de Maruim.

Milhares se sergipanos se reuniram na  tarde de ontem no centro de Aracaju para participar do último ato publico unificado em defesa da candidatura do presidenciável Fernando Haddad. Na certeza que, apesar da dificuldade popular desta eleição é possível derrotar democraticamente a chapa opositora comandada por Jair Bolsonaro (PSL), os militantes enalteceram que grêmios estudantis, classes trabalhadoras, movimentos sociais e artistas dos mais variados seguimentos não estão nas ruas para defender um partido político, mas sim para fortalecer a democracia, os interesses da classe trabalhadora e contribuir para que Haddad eleito, possa revogar, por exemplo, a reforma trabalhista. Bolsonaro em seu plano de governo defende a manutenção da reforma elaborada e sancionada pelo ainda presidente Michel Temer.
Realizado por centrais sindicais sem a intervenção direta de partidos políticos, o ato denominado 'Arrastão da Virada', recebeu caravanas de ao menos 30 municípios sergipanos e representantes de todos os bairros da capital sergipana. Diante da proposta de evitar conflitos com eleitores opositores e manter o clima pacífico da caminhada, lideres sociais enalteciam a cada instante o desejo de a população combater o ódio com amor. Para manter a ordem, agentes da Polícia Militar do Estado de Sergipe, Guarda Municipal de Aracaju, Força Nacional e da Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT), acompanharam a mobilização iniciada no final de tarde na Praça General Valadão.
Na avaliação do professor Rubens Marques, atual presidente regional da Central Única dos Trabalhadores (CUT), a população sergipana segue se fortalecendo em busca da valorização da democracia e contra o que ele chama de 'onda de ódio e violência' predominada durante este período eleitoral. Se mostrando crítico ao se auto-intitular ético nas respectivas ações e linhas de raciocínio, Dudu - como é popularmente conhecido, analisa Jair Bolsonaro como um natural gestor federal a manter o modo Temer de tratar dos assuntos de interesse dos trabalhadores, e consequente ameaça para novas intervenções antidemocráticas. Ele indica que instituições federais de ensino superior começam a sofrer censuras.
"Aqui em Sergipe ou no cenário nacional por mais que possuamos uma ideologia populista e de ligação com partidos que buscam atender aos nossos pleitos, ao longo dos últimos anos realizamos atos de defesa de alguns gestores de diálogo aberto conosco, como também nos momentos necessários fomos às ruas para protestar. Nossa bandeira é a classe trabalhadora, não é partido. Defendemos Haddad por entender que ele como professor terá muito mais o que contribuir com o nosso povo do que um ex-capitão do Exercício que arrota prepotência, preconceito e vomita total desconhecimento sobre inúmeros assuntos de relevância coletiva", declarou. A coordenação da caminhada avalia que cerca de 10 mil pessoas participaram do ato; a Polícia Militar não se manifestou sobre o assunto.
Quando questionado sobre o perfil administrativo dos dois candidatos, Rubens Marques fez questão de relembrar a passagem de Fernando Haddad sob o Ministério da Educação (MEC), e os benefícios encaminhados para Sergipe. Ele citou a expansão das instituições federais de ensino, e a busca pela qualificação continua das escolas de educação básica. "Vivenciamos esses avanços em nosso Estado. A Universidade Federal de Sergipe hoje possui unidades no interior devido ao trabalho de um governo que trabalha para melhorar a estrutura do ensino, e não censurá-lo, ou querer gerar taxas como Bolsonaro propõe. Devemos lutar para que o fascismo de Bolsonaro não chegue ao poder e prejudique a Nação", disse.

Virada - Presente no ato, a vice-prefeito de Aracaju, Eliane Aquino, candidata a vice-governadora na chapa de Belivaldo Chagas (PSD) disse acreditar que o país 'acordou' para a postura repleta de incoerências e depoimentos ricos em falácias por parte de Bolsonaro. Apesar da não crença junto às pesquisas eleitorais que passam a destacar a ascensão de Haddad, a petista - candidata a vice-governadora, disse confiar na vitória após o diálogo pessoal realizado ao longo dos últimos 20 dias. "Não falo isso com base em pesquisas que intrigam a confiabilidade do eleitor, falo isso com base no que presenciei. Hoje marcamos a virada do cenário que foi liderado pelo discurso de ódio e passa a ser conduzido pelo amor, pela democracia, pelo progresso e respeito ao próximo", disse.
A caminhada que também defendeu a candidatura à reeleição do governador Belivaldo Chagas (PSD), percorreu as principais ruas do centro comercial e foi finalizado na tradicional Avenida Barão de Maruim.