Brasil termina em sétimo no Mundial de GA

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 30/10/2018 às 10:27:00

 

A Seleção Brasileira masculina de Ginástica Artística termina a disputa por equipes na sétima colocação no Campeonato Mundial de Doha (Qatar), disputada nesta segunda-feira (29). Com o time formado por Arthur Zanetti, Arthur Nory, Caio Souza, Francisco Barreto e Lucas Bittencourt, o Brasil alcançou a pontuação final de 243,994. A medalha de ouro ficou com a China (256,634), que travou uma disputa até o último aparelho com a Rússia, que levou a prata (256,585). O bronze ficou com o Japão (253,744).
Os três primeiros colocados já asseguraram uma vaga na Olimpíada de Tóquio-2020. O Brasil buscará sua classificação no Mundial do ano que vem, que será realizado em Stuttgart (ALE), quando serão distribuídas nove vagas por equipe para a próxima Olimpíada. 
Na final desta segunda-feira, as melhores performances da equipe brasileira ocorreram nas argolas e no salto. Em seu melhor aparelho, Arthur Zanetti repetiu a nota do qualificatório, com 15,033. Já no salto, Arthur Nory teve a melhor nota na final (14,233).
"Apesar do sétimo lugar e ter obtido menos pontos do que na classificatória, não podemos esquecer que estamos entre as oito melhores equipes do mundo e esse era o grande objetivo nosso, sempre em busca deste top 8. Apesar das falhas, mostramos que temos nível para ficar entre os cinco melhores do mundo. É uma questão de ajustar detalhes e saber trabalhar a questão psicológica, pois estamos competindo contra os melhores do mundo e cometer um erro é fatal. O importante é que a ginástica do Brasil vem mostrando muitas coisas boas", afirmou Francisco Barreto.

A Seleção Brasileira masculina de Ginástica Artística termina a disputa por equipes na sétima colocação no Campeonato Mundial de Doha (Qatar), disputada nesta segunda-feira (29). Com o time formado por Arthur Zanetti, Arthur Nory, Caio Souza, Francisco Barreto e Lucas Bittencourt, o Brasil alcançou a pontuação final de 243,994. A medalha de ouro ficou com a China (256,634), que travou uma disputa até o último aparelho com a Rússia, que levou a prata (256,585). O bronze ficou com o Japão (253,744).
Os três primeiros colocados já asseguraram uma vaga na Olimpíada de Tóquio-2020. O Brasil buscará sua classificação no Mundial do ano que vem, que será realizado em Stuttgart (ALE), quando serão distribuídas nove vagas por equipe para a próxima Olimpíada. 
Na final desta segunda-feira, as melhores performances da equipe brasileira ocorreram nas argolas e no salto. Em seu melhor aparelho, Arthur Zanetti repetiu a nota do qualificatório, com 15,033. Já no salto, Arthur Nory teve a melhor nota na final (14,233).
"Apesar do sétimo lugar e ter obtido menos pontos do que na classificatória, não podemos esquecer que estamos entre as oito melhores equipes do mundo e esse era o grande objetivo nosso, sempre em busca deste top 8. Apesar das falhas, mostramos que temos nível para ficar entre os cinco melhores do mundo. É uma questão de ajustar detalhes e saber trabalhar a questão psicológica, pois estamos competindo contra os melhores do mundo e cometer um erro é fatal. O importante é que a ginástica do Brasil vem mostrando muitas coisas boas", afirmou Francisco Barreto.