Guedes afirma que seria natural Ilan permanecer no Banco Central

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 31/10/2018 às 05:56:00

 

Vinícius Lisboa 
Agência Brasil  
 
O economista Paulo Guedes, indicado para o Ministério da Fazenda, defendeu ontem (30) a independência do Banco Central, com mandato de presidente não coincidente com o do presidente da República, e disse que seria natural que Ilan Goldfajn permanecesse no cargo, por ter a mesma posição. Apesar disso, Guedes afirmou que a continuidade dele no BC ainda precisaria ser acertada com o próprio Ilan e com a equipe de governo do presidente eleito de Jair Bolsonaro.
"Não podemos estar a cada eleição falando será que ele [presidente do Banco Central] fica? Será que ele não fica? Será que ele muda? Será que ele não muda? Então, teremos um Banco Central independente", disse.
Ilan ocupa a presidência do Banco Central há dois anos, e Guedes disse que seria "a coisa mais natural do mundo" que o governo aprovasse o projeto que prevê a independência da instituição com o apoio dele e que ele permanecesse no cargo.
"Isso tem que combinar com a nossa equipe aqui dentro, tem que combinar com o Ilan. Estou dizendo que seria natural", disse, acrescentando que o convite dependeria da vontade do atual presidente do BC. "Não quero convidar alguém que não tem o desejo de ficar. A motivação é fundamental".

O economista Paulo Guedes, indicado para o Ministério da Fazenda, defendeu ontem (30) a independência do Banco Central, com mandato de presidente não coincidente com o do presidente da República, e disse que seria natural que Ilan Goldfajn permanecesse no cargo, por ter a mesma posição. Apesar disso, Guedes afirmou que a continuidade dele no BC ainda precisaria ser acertada com o próprio Ilan e com a equipe de governo do presidente eleito de Jair Bolsonaro.
"Não podemos estar a cada eleição falando será que ele [presidente do Banco Central] fica? Será que ele não fica? Será que ele muda? Será que ele não muda? Então, teremos um Banco Central independente", disse.
Ilan ocupa a presidência do Banco Central há dois anos, e Guedes disse que seria "a coisa mais natural do mundo" que o governo aprovasse o projeto que prevê a independência da instituição com o apoio dele e que ele permanecesse no cargo.
"Isso tem que combinar com a nossa equipe aqui dentro, tem que combinar com o Ilan. Estou dizendo que seria natural", disse, acrescentando que o convite dependeria da vontade do atual presidente do BC. "Não quero convidar alguém que não tem o desejo de ficar. A motivação é fundamental".