Ressentimento da democracia

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 31/10/2018 às 06:23:00

 

* Michel Zaidan
As convicções democráticas do povo brasileiro enfrentaram uma dura prova, neste domingo de eleições presidenciais. Para qualquer observador externo, que não conhece o país, o Brasil pode parecer uma nação teocrática dirigida por pastores fundamentalistas e militares golpistas, sem nenhum apreço à laicidade do Estado brasileiro e a Constituição. A imagem do ex-capitão do Exército rezando, de mãos dadas com os seus apoiadores e familiares, é uma frase eloquente da possível fisionomia do futuro governo da República brasileira.
Já estivemos melhor na fita. A grande luta travada, durante o processo de restabelecimento da democracia e a própria constituinte de 1988, que ora está sendo ameaçada pelo futuro governante, nos conduziu a um sentimento de democracia, a uma fé nas instituições democráticas e a um basta (Brasilnuncamais) ao regime ditatorial e desrespeitador dos direitos humanos. Infelizmente, a experiência tortuosa da transição democrática, Sarney à frente, da hiperinflação e do eterno déficit de representação das camadas mais simples da população nos conduziram à experiência traumática do populismo eletrônico, apoiado pela GLOBO, à eleição de Fernando Collor de Mello.
Mais grave ainda, foram os oito anos do governo de Fernando Henrique Cardoso, dando continuidade à agenda "moderna": privatização, abertura da economia brasileira e desregulamentação do mercado financeiro e do mercado de trabalho. O saldo danoso desse governo não foi só a imensa crise cambial de 2002, obrigando o presidente eleito a escrever uma carta "aos brasileiros" se comprometendo a cumprir os contratos do governo anterior, foi acima de tudo um voto de desconfiança na eficácia das instituições democráticas em combater a desigualdade social e melhorar a vida do povo.
Naturalmente, essa desconfiança não foi só no Brasil. Toda a América Latina sacudida pelos planos de estabilização, inspirada pelo chamado "Consenso de Washington", passou por isso. E, entre nós, manifestou-se como uma forma de ressentimento contra o regime democrático. Podemos dizer, hoje, que as nossas elites bem-pensantes (incluindo parcela da intelectualidade, dos políticos liberais e social-centristas) demonstraram como o consenso em torno da democracia era e é muito frágil.
É sempre possível ter à mão um ex-capitão, agora ajudado pela igreja neopentecostal, a quem recorrer contra o fantasma do "comunismo" amoral e irreligioso. Já a classe média urbana, escolarizada e incluída economicamente, representa o papel de sempre nas recorrentes crises da democracia brasileira: massa de manobra, enrolada no pavilhão nacional, de interesses econômicos inconfessáveis, iguais aqueles que financiaram escusamente a campanha difamatória contra o candidato do PT, através das redes sociais, nas barbas da Justiça Eleitoral, que nada fez.
Elegeu-se um personagem que representa (bem) o seu papel de verbalizar os anseios e receios dessa classe média amedrontada e ressentida e os interesses das empresas estrangeiras, dos ruralistas, da bancada da bala e da bancada da Bíblia, entre outros. A reviravolta da agenda política brasileira deverá levar a cabo a desconstrução iniciada com o golpe parlamentar de 2016, com esse fantoche intitulado "Michel Temer".
A política externa do país deve abandonar o multilateralismo e a relação Sul-Sul, enfraquecendo os processos de integração regional, em benefício de uma política de relações bilaterais com os EUA, voltaremos a ser o quintal da política externa norte-americana. Devemos romper relações diplomáticas com os países que mantém uma relação crítica e autônoma em relação aos interesses norte-americanos. Teremos uma relação tensa com a União Europeia, que desaprovou a eleição do ex-capitão, denominada de um retrocesso na América Latina.
O processo criminoso de lesa-pátria dos valiosos ativos nacionais (petróleo, água doce, reservas indígenas etc.) deve entregar às empresas estrangeiras, na bacia das almas, as riquezas brasileiras, patrimônio do povo de nosso país. A grilagem a expropriação do latifúndio agroexportador sobre as terras dos camponeses e trabalhadores rurais será outra grave consequência dessa política antissocial. Com o fim do Ministério do Meio Ambiente, a entropia vai tomar conta de nosso patrimônio ambiental, destruindo matas e florestas e ajudando a poluir ainda mais nossa atmosfera.
Gravíssimas serão as repercussões dessa política no que diz respeito as garantias e direitos constitucionais, sob a influência perniciosa dos pentecostais sobre o governo: o policiamento ideológico do ensino, da pesquisa e da extensão, com o estímulo à delação de alunos em relação às preleções de seus mestres. O banimento do ensino público das conquistas modernas da ciência, dos movimentos sociais e da consciência social do pais. No direito penal, volta a doutrina (neo)lombrosiana, agora atualizada nos grupos sociais: pretos, prostitutas, lésbicas, índios, comunistas etc. É o triunfo do terrorismo penal simbolizada pela ameaça da antecipação da maioridade penal. Teremos menos escolas e o aumento do encarceramento infanto-juvenil.
No entanto, as coisas podem se complicar na frente parlamentar e congressual. Aí, o ex-capitão, que pretende nomear vários integrantes do atual governo para os ministérios, vai enfrentar os problemas crônicos da chamada governabilidade presidencial brasileira. Nada mudou. Continua uma imensa fragmentação da representação parlamentar, sobretudo no Senado, onde este governo não obteve maioria. Na Câmara dos deputados, o PT teve a maior bancada (56 deputados), sem contar com os aliados. A maioria governista é frágil e inconsistente. Não há como aprovar emendas constitucionais.
* Michel Zaidan é cientista político da UFPE

* Michel Zaidan

As convicções democráticas do povo brasileiro enfrentaram uma dura prova, neste domingo de eleições presidenciais. Para qualquer observador externo, que não conhece o país, o Brasil pode parecer uma nação teocrática dirigida por pastores fundamentalistas e militares golpistas, sem nenhum apreço à laicidade do Estado brasileiro e a Constituição. A imagem do ex-capitão do Exército rezando, de mãos dadas com os seus apoiadores e familiares, é uma frase eloquente da possível fisionomia do futuro governo da República brasileira.
Já estivemos melhor na fita. A grande luta travada, durante o processo de restabelecimento da democracia e a própria constituinte de 1988, que ora está sendo ameaçada pelo futuro governante, nos conduziu a um sentimento de democracia, a uma fé nas instituições democráticas e a um basta (Brasilnuncamais) ao regime ditatorial e desrespeitador dos direitos humanos. Infelizmente, a experiência tortuosa da transição democrática, Sarney à frente, da hiperinflação e do eterno déficit de representação das camadas mais simples da população nos conduziram à experiência traumática do populismo eletrônico, apoiado pela GLOBO, à eleição de Fernando Collor de Mello.
Mais grave ainda, foram os oito anos do governo de Fernando Henrique Cardoso, dando continuidade à agenda "moderna": privatização, abertura da economia brasileira e desregulamentação do mercado financeiro e do mercado de trabalho. O saldo danoso desse governo não foi só a imensa crise cambial de 2002, obrigando o presidente eleito a escrever uma carta "aos brasileiros" se comprometendo a cumprir os contratos do governo anterior, foi acima de tudo um voto de desconfiança na eficácia das instituições democráticas em combater a desigualdade social e melhorar a vida do povo.
Naturalmente, essa desconfiança não foi só no Brasil. Toda a América Latina sacudida pelos planos de estabilização, inspirada pelo chamado "Consenso de Washington", passou por isso. E, entre nós, manifestou-se como uma forma de ressentimento contra o regime democrático. Podemos dizer, hoje, que as nossas elites bem-pensantes (incluindo parcela da intelectualidade, dos políticos liberais e social-centristas) demonstraram como o consenso em torno da democracia era e é muito frágil.
É sempre possível ter à mão um ex-capitão, agora ajudado pela igreja neopentecostal, a quem recorrer contra o fantasma do "comunismo" amoral e irreligioso. Já a classe média urbana, escolarizada e incluída economicamente, representa o papel de sempre nas recorrentes crises da democracia brasileira: massa de manobra, enrolada no pavilhão nacional, de interesses econômicos inconfessáveis, iguais aqueles que financiaram escusamente a campanha difamatória contra o candidato do PT, através das redes sociais, nas barbas da Justiça Eleitoral, que nada fez.
Elegeu-se um personagem que representa (bem) o seu papel de verbalizar os anseios e receios dessa classe média amedrontada e ressentida e os interesses das empresas estrangeiras, dos ruralistas, da bancada da bala e da bancada da Bíblia, entre outros. A reviravolta da agenda política brasileira deverá levar a cabo a desconstrução iniciada com o golpe parlamentar de 2016, com esse fantoche intitulado "Michel Temer".
A política externa do país deve abandonar o multilateralismo e a relação Sul-Sul, enfraquecendo os processos de integração regional, em benefício de uma política de relações bilaterais com os EUA, voltaremos a ser o quintal da política externa norte-americana. Devemos romper relações diplomáticas com os países que mantém uma relação crítica e autônoma em relação aos interesses norte-americanos. Teremos uma relação tensa com a União Europeia, que desaprovou a eleição do ex-capitão, denominada de um retrocesso na América Latina.
O processo criminoso de lesa-pátria dos valiosos ativos nacionais (petróleo, água doce, reservas indígenas etc.) deve entregar às empresas estrangeiras, na bacia das almas, as riquezas brasileiras, patrimônio do povo de nosso país. A grilagem a expropriação do latifúndio agroexportador sobre as terras dos camponeses e trabalhadores rurais será outra grave consequência dessa política antissocial. Com o fim do Ministério do Meio Ambiente, a entropia vai tomar conta de nosso patrimônio ambiental, destruindo matas e florestas e ajudando a poluir ainda mais nossa atmosfera.
Gravíssimas serão as repercussões dessa política no que diz respeito as garantias e direitos constitucionais, sob a influência perniciosa dos pentecostais sobre o governo: o policiamento ideológico do ensino, da pesquisa e da extensão, com o estímulo à delação de alunos em relação às preleções de seus mestres. O banimento do ensino público das conquistas modernas da ciência, dos movimentos sociais e da consciência social do pais. No direito penal, volta a doutrina (neo)lombrosiana, agora atualizada nos grupos sociais: pretos, prostitutas, lésbicas, índios, comunistas etc. É o triunfo do terrorismo penal simbolizada pela ameaça da antecipação da maioridade penal. Teremos menos escolas e o aumento do encarceramento infanto-juvenil.
No entanto, as coisas podem se complicar na frente parlamentar e congressual. Aí, o ex-capitão, que pretende nomear vários integrantes do atual governo para os ministérios, vai enfrentar os problemas crônicos da chamada governabilidade presidencial brasileira. Nada mudou. Continua uma imensa fragmentação da representação parlamentar, sobretudo no Senado, onde este governo não obteve maioria. Na Câmara dos deputados, o PT teve a maior bancada (56 deputados), sem contar com os aliados. A maioria governista é frágil e inconsistente. Não há como aprovar emendas constitucionais.

* Michel Zaidan é cientista político da UFPE