Por irregularidade, Grêmio representa contra o River

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 01/11/2018 às 07:50:00

 

Eliminado pelo River Plate na noite da última terça-feira, o Grêmio vai pedir os pontos da partida e consequentemente a sua classificação para a final da Libertadores da América. O recurso Tricolor vai se basear na irregularidade cometida por Marcelo Gallardo, técnico do time argentino, que estava suspenso pela Conmebol, mas utilizou um rádio para se comunicar com os auxiliares no gramado.
Incomodado com a atitude do adversário, o presidente do Grêmio, Romildo Bolzan, falou com a imprensa sobre o tema. "O River cometeu uma irregularidade que está prevista no regulamento. A incompetência da arbitragem, ao não revisar o gol (de empate, marcado por Rafael Borré) é uma coisa. O caso do técnico é objetivo, é fato e admitido publicamente', disse o dirigente.
O vice-jurídico, Nestor Hein, disparou contra a atitude do River Plate e lamentou o fato de Muñeco declarar abertamente que infringiu uma regra. "Houve interferência externa de uma pessoa que estava impedida de participar do jogo. E depois, essa pessoa saiu se vangloriando. Vamos pedir a perda dos pontos do jogo", declarou. 
Como se não bastasse a irregularidade ao longo dos 90 minutos, quando tentou até entrar no vestiário para dar instrução no intervalo, o treinador descumpriu a suspensão da Conmebol pós-partida e deu entrevista. Na conversa com a imprensa, admitiu que não acatou a ordem da entidade máxima do futebol sul-americano e não se arrepende do que fez.

Eliminado pelo River Plate na noite da última terça-feira, o Grêmio vai pedir os pontos da partida e consequentemente a sua classificação para a final da Libertadores da América. O recurso Tricolor vai se basear na irregularidade cometida por Marcelo Gallardo, técnico do time argentino, que estava suspenso pela Conmebol, mas utilizou um rádio para se comunicar com os auxiliares no gramado.
Incomodado com a atitude do adversário, o presidente do Grêmio, Romildo Bolzan, falou com a imprensa sobre o tema. "O River cometeu uma irregularidade que está prevista no regulamento. A incompetência da arbitragem, ao não revisar o gol (de empate, marcado por Rafael Borré) é uma coisa. O caso do técnico é objetivo, é fato e admitido publicamente', disse o dirigente.
O vice-jurídico, Nestor Hein, disparou contra a atitude do River Plate e lamentou o fato de Muñeco declarar abertamente que infringiu uma regra. "Houve interferência externa de uma pessoa que estava impedida de participar do jogo. E depois, essa pessoa saiu se vangloriando. Vamos pedir a perda dos pontos do jogo", declarou. 
Como se não bastasse a irregularidade ao longo dos 90 minutos, quando tentou até entrar no vestiário para dar instrução no intervalo, o treinador descumpriu a suspensão da Conmebol pós-partida e deu entrevista. Na conversa com a imprensa, admitiu que não acatou a ordem da entidade máxima do futebol sul-americano e não se arrepende do que fez.