Governo dialoga com moradores do Nova Liberdade e encaminha reivindicações referentes à reintegração da área

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Foi sinalizado o interesse do Estado em iniciar uma tentativa de reconciliação para que seja suspensa a ordem de despejo
Foi sinalizado o interesse do Estado em iniciar uma tentativa de reconciliação para que seja suspensa a ordem de despejo

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 06/11/2018 às 05:56:00

 

O secretário de Estado da Casa Civil, José Carlos Felizola, recebeu, na manhã desta segunda-feira, uma comissão de representantes das famílias do Loteamento Nova Liberdade III. Cerca de 200 moradores da localidade se reuniram em frente ao Palácio dos Despachos para pedir o auxílio do governo do Estado após as famílias terem recebido ordens de despejo nas últimas semanas. Parte da área ocupada pelo loteamento pertence ao Estado e outra, a uma empresa privada, a qual solicitou reintegração de posse.
"A prioridade do governo é, justamente, manter o diálogo e tentar resolver da melhor forma possível. O Estado, através da Procuradoria Geral, vai peticionar os autos do processo para se tentar uma nova conciliação, com a participação da Secretaria de Inclusão Social, que ficará responsável pelo cadastramento das famílias; a Secretaria de Infraestrutura, para ver as questões de topografia e de levantamento da área e, também, com a empresa que é dona da área, pois há uma área que pertence ao Estado e outra a uma empresa particular, para que a gente possa fazer um acordo no sentido de indenizar ou fazer uma permuta de área e assim chegar a um denominador comum e regularizar aquela área para essas famílias", explicou Felizola.
De acordo com o advogado da comissão de moradores, Caio Christofani, o processo de reintegração de posse foi movido pela empresa particular proprietária de parte da área. "Essa ordem de reintegração está em aberto para que essas famílias sejam despejadas. O que pleiteamos aqui é a possível permuta desse terreno, a desapropriação desse terreno para outro terreno do Estado, para que essas famílias possam ficar ali alojadas. Existe um problema social muito grande que precisa ser reparado e é aí que entra o Estado de Sergipe, como garantidor dos direitos sociais. Hoje foi sinalizado já o interesse do Estado em iniciar uma tentativa de reconciliação para que seja suspensa essa ordem de despejo. A recepção do governo foi muito boa, o secretário Felizola nos atendeu com muita atenção. Nessa questão foi tudo ótimo", destacou o advogado das famílias do Nova Liberdade.

O secretário de Estado da Casa Civil, José Carlos Felizola, recebeu, na manhã desta segunda-feira, uma comissão de representantes das famílias do Loteamento Nova Liberdade III. Cerca de 200 moradores da localidade se reuniram em frente ao Palácio dos Despachos para pedir o auxílio do governo do Estado após as famílias terem recebido ordens de despejo nas últimas semanas. Parte da área ocupada pelo loteamento pertence ao Estado e outra, a uma empresa privada, a qual solicitou reintegração de posse.
"A prioridade do governo é, justamente, manter o diálogo e tentar resolver da melhor forma possível. O Estado, através da Procuradoria Geral, vai peticionar os autos do processo para se tentar uma nova conciliação, com a participação da Secretaria de Inclusão Social, que ficará responsável pelo cadastramento das famílias; a Secretaria de Infraestrutura, para ver as questões de topografia e de levantamento da área e, também, com a empresa que é dona da área, pois há uma área que pertence ao Estado e outra a uma empresa particular, para que a gente possa fazer um acordo no sentido de indenizar ou fazer uma permuta de área e assim chegar a um denominador comum e regularizar aquela área para essas famílias", explicou Felizola.
De acordo com o advogado da comissão de moradores, Caio Christofani, o processo de reintegração de posse foi movido pela empresa particular proprietária de parte da área. "Essa ordem de reintegração está em aberto para que essas famílias sejam despejadas. O que pleiteamos aqui é a possível permuta desse terreno, a desapropriação desse terreno para outro terreno do Estado, para que essas famílias possam ficar ali alojadas. Existe um problema social muito grande que precisa ser reparado e é aí que entra o Estado de Sergipe, como garantidor dos direitos sociais. Hoje foi sinalizado já o interesse do Estado em iniciar uma tentativa de reconciliação para que seja suspensa essa ordem de despejo. A recepção do governo foi muito boa, o secretário Felizola nos atendeu com muita atenção. Nessa questão foi tudo ótimo", destacou o advogado das famílias do Nova Liberdade.