Discussão sobre Escola sem Partido é novamente suspensa na Câmara

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 14/11/2018 às 09:30:00

 

Mariana Tokarnia
Agência Brasil  
 
Após discussões acaloradas entre parlamentares e entre manifestantes, foi novamente suspensa a reunião da comissão especial da Câmara dos Deputados que analisa o projeto Escola sem Partido.
Uma manifestante favorável ao projeto chegou a tentar dar um tapa em outro que é contra a proposta quando este tentou pegar um cartaz dela que estava no chão. Ele alegou que o cartaz onde estava escrito: "Maconha, não" era ofensivo, pois no contexto apresentado dava a entender que os professores eram drogados. O cartaz pedia ainda exame toxicológico de docentes.
A reunião foi suspensa por causa do início da ordem do dia no plenário.
Os integrantes de grupos contrários e favoráveis ao projeto continuaram no local e os ânimos se exaltaram, com as pessoas gritando umas com as outras.
"A esquerda queima a bandeira do Brasil e troca pela bandeira vermelha", afirmou uma manifestante que apoia o projeto. "Eu sou professora, vocês me respeitem", disse outra, contra o Escola sem Partido.
Marcos Rogério chegou a pedir a intervenção da Polícia Legislativa: "Vou pedir que a segurança intervenha. Convidados são convidados a permanecer no ambiente de respeito mútuo entre os manifestantes e os parlamentares, não cabe manifestação, discurso", apelou. Os seguranças se posicionaram entre os manifestantes, mas as agressões verbais continuaram.

Após discussões acaloradas entre parlamentares e entre manifestantes, foi novamente suspensa a reunião da comissão especial da Câmara dos Deputados que analisa o projeto Escola sem Partido.
Uma manifestante favorável ao projeto chegou a tentar dar um tapa em outro que é contra a proposta quando este tentou pegar um cartaz dela que estava no chão. Ele alegou que o cartaz onde estava escrito: "Maconha, não" era ofensivo, pois no contexto apresentado dava a entender que os professores eram drogados. O cartaz pedia ainda exame toxicológico de docentes.
A reunião foi suspensa por causa do início da ordem do dia no plenário.
Os integrantes de grupos contrários e favoráveis ao projeto continuaram no local e os ânimos se exaltaram, com as pessoas gritando umas com as outras.
"A esquerda queima a bandeira do Brasil e troca pela bandeira vermelha", afirmou uma manifestante que apoia o projeto. "Eu sou professora, vocês me respeitem", disse outra, contra o Escola sem Partido.
Marcos Rogério chegou a pedir a intervenção da Polícia Legislativa: "Vou pedir que a segurança intervenha. Convidados são convidados a permanecer no ambiente de respeito mútuo entre os manifestantes e os parlamentares, não cabe manifestação, discurso", apelou. Os seguranças se posicionaram entre os manifestantes, mas as agressões verbais continuaram.