Boicote?

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Do deputado federal reeleito Fábio Reis (MDB) sobre a proposta de renovação do Diretório Estadual, em que seu nome está sendo colocado para presidir a legenda em Sergipe: \"Se me perguntar se quero comandar o partido a resposta é não. Mas se não tiver
Do deputado federal reeleito Fábio Reis (MDB) sobre a proposta de renovação do Diretório Estadual, em que seu nome está sendo colocado para presidir a legenda em Sergipe: \"Se me perguntar se quero comandar o partido a resposta é não. Mas se não tiver

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 15/11/2018 às 07:09:00

 

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) foi 
eleito no segundo turno das eleições ven-
cendo nos estados do centro-oeste, sul, sudeste e norte. Já Fernando Haddad (PT) ganhou em todos os Estados do Nordeste, chegando a vencer as eleições em todos os municípios de Sergipe, Ceará e Piauí.
Bolsonaro sempre demonstrou preconceito com o Nordeste, chegando a declarar durante uma entrevista a uma rádio no Rio Grande do Sul, que o "nordestino é tão burro que nem sabe falar Haddad", que é o sobrenome do petista Fernando Haddad, que foi seu adversário no segundo turno das eleições.
Chegou a declarar ainda que iria acabar com a política de "coitadismo" do nordestino e que a mulher nordestina não quer trabalhar por conta do bolsa família.
O povo nordestino já deu a resposta a Bolsonaro nas urnas dizendo "Ele Não", uma vez que perdeu em todos os estados da região. Em Sergipe, Haddad ganhou as eleições com 759.61 votos (67,54% votos válidos), enquanto Bolsonaro obteve apenas 364.860 votos (32,46% votos válidos).
Essa animosidade do povo nordestino com o presidente eleito parece que se estendeu para os governadores da região que não marcaram presença ontem no Fórum de Governadores eleitos, realizado em Brasília, com as presenças de Bolsonaro e dos futuros ministros Paulo Guedes (Economia) e Onyx Lorenzoni (Casa Civil).
A ausência dos governadores do Nordeste, com as cadeiras vazias, chamou a atenção. A justificativa dada pelo governador Wellington Dias (PT/Piauí), que representou a região, foi que os colegas do Nordeste não puderam comparecer em função de viagens em missões no exterior ou compromissos inadiáveis.
Wellington Dias disse que o Nordeste quer discutir uma agenda para o Brasil com Bolsonaro, sendo o principal ponto a segurança pública, em razão da região responder por 40% dos homicídios no Brasil; e o combate ao desemprego e a questão da gestão da água.
O governador reeleito Belivaldo Chagas (PSD), que votou em Haddad, cumpriu normalmente agenda ontem em Sergipe e aguarda novas deliberações dos governadores do Nordeste que demonstram união para enfrentar as dificuldades que podem aumentar no governo Bolsonaro, que não demonstra nenhuma simpatia pelo Nordeste.
A ausência dos governadores do Nordeste leva a crer que foi mesmo um boicote ao futuro presidente...  

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) foi  eleito no segundo turno das eleições ven- cendo nos estados do centro-oeste, sul, sudeste e norte. Já Fernando Haddad (PT) ganhou em todos os Estados do Nordeste, chegando a vencer as eleições em todos os municípios de Sergipe, Ceará e Piauí.
Bolsonaro sempre demonstrou preconceito com o Nordeste, chegando a declarar durante uma entrevista a uma rádio no Rio Grande do Sul, que o "nordestino é tão burro que nem sabe falar Haddad", que é o sobrenome do petista Fernando Haddad, que foi seu adversário no segundo turno das eleições.
Chegou a declarar ainda que iria acabar com a política de "coitadismo" do nordestino e que a mulher nordestina não quer trabalhar por conta do bolsa família.
O povo nordestino já deu a resposta a Bolsonaro nas urnas dizendo "Ele Não", uma vez que perdeu em todos os estados da região. Em Sergipe, Haddad ganhou as eleições com 759.61 votos (67,54% votos válidos), enquanto Bolsonaro obteve apenas 364.860 votos (32,46% votos válidos).
Essa animosidade do povo nordestino com o presidente eleito parece que se estendeu para os governadores da região que não marcaram presença ontem no Fórum de Governadores eleitos, realizado em Brasília, com as presenças de Bolsonaro e dos futuros ministros Paulo Guedes (Economia) e Onyx Lorenzoni (Casa Civil).
A ausência dos governadores do Nordeste, com as cadeiras vazias, chamou a atenção. A justificativa dada pelo governador Wellington Dias (PT/Piauí), que representou a região, foi que os colegas do Nordeste não puderam comparecer em função de viagens em missões no exterior ou compromissos inadiáveis.
Wellington Dias disse que o Nordeste quer discutir uma agenda para o Brasil com Bolsonaro, sendo o principal ponto a segurança pública, em razão da região responder por 40% dos homicídios no Brasil; e o combate ao desemprego e a questão da gestão da água.
O governador reeleito Belivaldo Chagas (PSD), que votou em Haddad, cumpriu normalmente agenda ontem em Sergipe e aguarda novas deliberações dos governadores do Nordeste que demonstram união para enfrentar as dificuldades que podem aumentar no governo Bolsonaro, que não demonstra nenhuma simpatia pelo Nordeste.
A ausência dos governadores do Nordeste leva a crer que foi mesmo um boicote ao futuro presidente...  

Reunião de governadores 1

Na reunião dos governadores eleitos e reeleitos, realizada ontem em Brasília, o ponto chave foi o pacto federativo, previdência e segurança pública. Estavam presentes governadores eleitos e reeleitos de 17 estados e do Distrito Federal. Governadores do Nordeste não marcaram presença.

Reunião de governadores 2

No encontro, o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) disse que "a partir desse momento, não existe mais partido. Nosso partido é o Brasil".  Ressaltou que todos são "responsáveis pelo futuro".

Reunião de governadores 3

Ele defendeu a aprovação de reformas e disse que elas não se limitam à economia, mas também à segurança. "Temos de aprovar reformas que estão sendo ultimadas pela minha equipe econômica. Que o Brasil continua e temos de buscar soluções, não apenas econômicas. Se conseguirmos, por exemplo, diminuir a temperatura da insegurança no Brasil, a economia começa a fluir", acredita.

Reunião de governadores 4

Segundo Bolsonaro, a população depositou nos governadores e nele mesmo o sentimento de mudança. "Creio que a própria eleição minha simboliza isso. Vocês sabem as condições nas quais concorremos e onde chegamos", comentou, enfatizando ser preciso fazer uma política diferente dos antecessores, "pois não haverá outra oportunidade para mudar o Brasil e a próxima administração tem de dar certo.

O foco

Neste final de ano, o governador Belivaldo Chagas (PSD) está focado em fechar as contas do governo, fazer a reforma administrativa e finalizar os projetos para a área da educação que serão implementados com os recursos da emenda impositiva do orçamento da união do exercício de 2019, fixado em R$ 69 milhões.

Em silêncio

Belivaldo ainda não iniciou diálogo com os aliados com relação à composição do novo governo. Espera a conclusão do projeto de reforma administrativa.

Nos bastidores 1

Continuam as especulações sobre a reforma administrativa em que pode ocorrer a fusão das secretarias de Governo e Casa Civil, de Esporte com Educação, Turismo com Desenvolvimento Econômico, e Agricultura com Meio Ambiente. As Secretarias de Comunicação e Cultura podem permanecer.

Nos bastidores 2

Chegou-se a especular que a Comunicação poderia virar uma superintendência e passar a ser vinculada a Governo/Casa Civil. E que a Cultura poderia ser vinculada a Secretaria da Educação.

Mudança de comando 1

O ainda presidente estadual do PPS, Clóvis Silveira, foi chamado para uma reunião da Executiva Nacional do partido na próxima quarta-feira, em Brasília, já para definição da filiação do senador eleito Alessandro Vieira na legenda e, consequentemente, troca de comando em Sergipe. Segundo Clóvis, o Diretório Estadual deverá ser destituído e formado uma comissão provisória com o delegado presidindo já na semana que vem.

Mudança de comando 2

Revela Clóvis que ele não integrará a comissão provisória, mas deseja indicar três membros. Diz que ficará apenas como membro do Diretório Estadual.

Queixa

O ainda presidente do PPS lamenta que o delegado Alessandro Vieira em nenhum momento o tenha procurado para discutir a sua filiação no partido, tendo agido "por cima". "O delegado nunca conversou comigo. É um novo com cara de velho, faz as coisas por cima. O PPS precisa dele para ter liderança no Senado, uma vez que a legenda só elegeu dois senadores e para ter liderança precisa de três senadores", declarou à coluna.

Malas prontas

Ressalta Clóvis que muitos filiados ao PPS devem deixar a legenda com a chegada do delegado. "Muitos disseram que não vão ficar porque não o conhecem e que a impressão não é boa. Agora ele vai formar o partido com a cara dele", finaliza.

De cabeça pra baixo

Ontem, nas rodas políticas, o comentário era um só: que as bruxas estão soltas pelas bandas de Itabaiana com a prisão do prefeito Valmir de Francisquinho (PR) e a cassação do mandato de deputado estadual de Luciano Bispo (MDB), presidente da Assembleia Legislativa e deputado reeleito, pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Também com o diploma cassado o filho de Valmir, o Talysson Costa (PR), eleito em 7 de outubro deputado estadual mais votado.

Haja reza

Em Itabaiana a população continua mobilizada e nas ruas, em orações pela liberdade do prefeito Valmir que hoje completa nove dias que está detido no Presídio Militar em Aracaju.

Mais pedido de vistas

Mais um pedido de vistas na sessão de ontem do pleno do Tribunal de Justiça de Sergipe adia cassação dos mandatos dos deputados estaduais Augusto Bezerra (PHS) e Paulinho da Varzinhas (PSC) no escândalo das verbas de subvenção da Assembleia Legislativa. O desembargador Luiz Mendonça, que tinha pedido vistas, fez novos questionamentos e não apresentou seu voto. O desembargador José dos Anjos pediu vistas. Na próxima quarta-feira o recurso volta à pauta  

Diplomação 1

O Tribunal Regional Eleitoral (TSE) já iniciou os preparativos para a cerimônia de diplomação dos eleitos em 2018. No evento, a ser realizado no Teatro Atheneu, no dia 17 de dezembro, às 16h, serão diplomados o governador eleito e sua vice, 2 senadores, 8 deputados federais e 24 deputados estaduais. Haverá, também, a diplomação do 1º e 2º suplente dos cargos de senador, deputado federal e deputado estadual.

Diplomação 2

Para receber o diploma, os candidatos eleitos precisam estar com o registro de candidatura deferido e as contas de campanha julgadas. Apesar de está com os mandatos cassados o deputado reeleito Luciano Bispo (MDB) e o deputado estadual eleito Talysson Costa (PR) serão diplomados sub judice no dia 17 e assumirão mandato em 1º de fevereiro, por caber recurso no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

O motivo

Luciano Bispo teve o mandato cassado pela acusação de enriquecimento ilícito a terceiros quando prefeito de Itabaiana. Já Talysson por conduta vedada a agente público, uma vez que o prefeito Valmir de Francisquinho, seu pai, foi acusado de ter utilizado bens ou recursos públicos do município em benefício da sua campanha. Ontem mesmo, na sessão do pleno do TRE, não teve acolhimento dos embargos de declaração de Talysson,

Ponto de vista

Reflexão do senador não reeleito Antônio Carlos Valadares (PSB): "No exercício da democracia duas coisas são importantes: quem ganhou deve governar para todos, e quem perdeu deve fazer uma oposição consciente e responsável, sem nunca ser confundida com radicalismo inconsequente ou com oportunismo eleitoreiro, pensando na próxima eleição".

Veja essa ...

Condenado por corrupção passiva a 6 anos, 10 meses e 6 dias em regime semiaberto, o deputado Nilton Capixaba (PTB-RO) foi autorizado a trabalhar na Câmara dos Deputados durante o dia e voltar à noite para o Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília, pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes. Nilton é o terceiro deputado preso e autorizado a trabalhar na Câmara desde 2017. O mesmo já aconteceu com Celso Jacob (MDB-RJ) e João Rodrigues (PSD-SC).

Curtas

O presidente Michel Temer disse ontem que está analisando com "muito cuidado" o projeto de reajuste salarial  de 16% para ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e que vai decidir "lá na frente" se vetará ou sancionará o texto. "Temos até o dia 28 de novembro para sanção", completou Temer durante entrevista à imprensa ontem.

Será ponto facultativo nessa sexta-feira, no Tribunal Regional Eleitoral de Sergipe, na Secretaria e nos Cartórios Eleitorais do Estado. Em virtude do Calendário Eleitoral, algumas unidades administrativas da Secretaria permanecerão de plantão.

Os candidatos e partidos que disputaram o segundo turno das Eleições 2018, realizado em 28 de outubro, têm até o dia 17 de novembro, às 19h, para apresentar a prestação de contas final.

Nessa sexta-feira as repartições e órgãos estaduais da administração direta e indireta funcionarão regulamente, já que não foi decretado ponto facultativo nesta data pelo Governo do Estado.