Delegacia especializada abriu 20 inquéritos por crimes raciais

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 21/11/2018 às 06:44:00

 

O Dia Nacional da Consciência Negra foi celebrado no dia de ontem, 20 de novembro. Para lembrar a data de maneira propositiva, a Polícia Civil, por meio da Delegacia de Atendimento a Crimes Homofóbicos, Racismo e Intolerância Religiosa (Dachri) - unidade integrante do Departamento de Atendimento a Grupos Vulneráveis (DAGV) de Aracaju - chama a atenção da população negra sergipana para a importância de denunciar os crimes de racismo e injúria racial.
"O registro no número de boletins de ocorrência tem sido crescente na capital sergipana, tanto que contabilizamos mais de 90 boletins de ocorrência este ano em nossa unidade especializada. Destes casos, 15 foram materializados em inquéritos relacionados a casos de injúria racial e cinco voltados para situações de racismo", destacou a delegada Meire Mansuet, coordenadora da Dachri. Ela destacou ainda que o acolhimento na delegacia especializada para vítimas destes crimes é conduzido por profissionais especializados, inclusive contando no próprio DAGV com um núcleo de mediação de conflitos. 
"Nós acreditamos também na propagação de uma cultura de paz, resolvendo também conflitos de maneira pacífica. Em alguns casos as partes se entendem porque se trata apenas de um conflito momentâneo, com divergência de opiniões. Ainda nesse contexto, é importante que o cidadão compreenda as diferenças entre os dois crimes. A injúria racial é aquele adjetivo que desqualifica a pessoa simplesmente pela cor da pele, diminui, menospreza, atinge sua dignidade e a honra. Já o racismo pode ser compreendido como uma atitude, uma ação que discrimina a pessoa a partir da cor da pele. Por exemplo, não deixar a pessoa entrar em determinado local ou praticar alguma atividade devido apenas à cor da pele. É um crime com penalidade mais grave. Ambos são crimes imprescitíveis, então a pessoa que cometeu o crime pode ser responsabilizada a qualquer tempo", ressaltou a delegada.
O Dia da Consciência Negra é comemorado em 20 de novembro em todo o país, data que marca a morte de Zumbi dos Palmares. No período do Brasil colonial, Zumbi simbolizou a luta do negro contra a escravidão que sofriam os africanos. Zumbi morreu enquanto defendia a sua comunidade e lutava pelos direitos do seu povo.
O Quilombo dos Palmares, localizado no atual estado de Alagoas, era liderado por Zumbi e formava a resistência ao sistema escravocrata que vigorava. O assassinato de Zumbi, em 1695, o transformou em um mito entre os africanos escravizados e sua história foi passando de geração em geração. Zumbi lutou até a morte contra a escravidão, que só terminaria em 13 de maio de 1888, com a abolição oficial da escravatura no Brasil, cerca de 193 anos após sua morte.

O Dia Nacional da Consciência Negra foi celebrado no dia de ontem, 20 de novembro. Para lembrar a data de maneira propositiva, a Polícia Civil, por meio da Delegacia de Atendimento a Crimes Homofóbicos, Racismo e Intolerância Religiosa (Dachri) - unidade integrante do Departamento de Atendimento a Grupos Vulneráveis (DAGV) de Aracaju - chama a atenção da população negra sergipana para a importância de denunciar os crimes de racismo e injúria racial.
"O registro no número de boletins de ocorrência tem sido crescente na capital sergipana, tanto que contabilizamos mais de 90 boletins de ocorrência este ano em nossa unidade especializada. Destes casos, 15 foram materializados em inquéritos relacionados a casos de injúria racial e cinco voltados para situações de racismo", destacou a delegada Meire Mansuet, coordenadora da Dachri. Ela destacou ainda que o acolhimento na delegacia especializada para vítimas destes crimes é conduzido por profissionais especializados, inclusive contando no próprio DAGV com um núcleo de mediação de conflitos. 
"Nós acreditamos também na propagação de uma cultura de paz, resolvendo também conflitos de maneira pacífica. Em alguns casos as partes se entendem porque se trata apenas de um conflito momentâneo, com divergência de opiniões. Ainda nesse contexto, é importante que o cidadão compreenda as diferenças entre os dois crimes. A injúria racial é aquele adjetivo que desqualifica a pessoa simplesmente pela cor da pele, diminui, menospreza, atinge sua dignidade e a honra. Já o racismo pode ser compreendido como uma atitude, uma ação que discrimina a pessoa a partir da cor da pele. Por exemplo, não deixar a pessoa entrar em determinado local ou praticar alguma atividade devido apenas à cor da pele. É um crime com penalidade mais grave. Ambos são crimes imprescitíveis, então a pessoa que cometeu o crime pode ser responsabilizada a qualquer tempo", ressaltou a delegada.
O Dia da Consciência Negra é comemorado em 20 de novembro em todo o país, data que marca a morte de Zumbi dos Palmares. No período do Brasil colonial, Zumbi simbolizou a luta do negro contra a escravidão que sofriam os africanos. Zumbi morreu enquanto defendia a sua comunidade e lutava pelos direitos do seu povo.
O Quilombo dos Palmares, localizado no atual estado de Alagoas, era liderado por Zumbi e formava a resistência ao sistema escravocrata que vigorava. O assassinato de Zumbi, em 1695, o transformou em um mito entre os africanos escravizados e sua história foi passando de geração em geração. Zumbi lutou até a morte contra a escravidão, que só terminaria em 13 de maio de 1888, com a abolição oficial da escravatura no Brasil, cerca de 193 anos após sua morte.