Bolsonaro retalia com governadores do Nordeste

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Nesse sábado o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM/RJ), visitará Sergipe a convite do deputado federal Fábio Reis (MDB/SE). Maia(foto) visitará Lagarto, cidade natal do deputado sergipano, onde vai participar de almoço no Povoado Brejo,
Nesse sábado o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM/RJ), visitará Sergipe a convite do deputado federal Fábio Reis (MDB/SE). Maia(foto) visitará Lagarto, cidade natal do deputado sergipano, onde vai participar de almoço no Povoado Brejo,

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 22/11/2018 às 06:04:00

 

No dia 14 de outubro aconteceu o primeiro 
encontro de governadores eleitos e reelei-
tos com o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), em Brasília. A reunião foi esvaziada com a ausência dos governadores do Nordeste, que preferiram discutir uma pauta específica para a região em outra reunião e apresentar a Bolsonaro, até pelo fato de três governadores se encontrarem em viagem ao exterior naquela data.
Na reunião, compareceu apenas pelo Nordeste o governador reeleito Wellington Dias (PT/PI). Ele representou os governadores da região, inclusive o governador reeleito Belivaldo Chagas (PSD), no encontro com Bolsonaro, que contou ainda com as presenças dos futuros ministros Paulo Guedes (Economia) e Onyx  Lorenzoni  (Casa Civil).
Ontem os governadores do Nordeste se reuniram em Brasília para discutir as prioridades para a região nos próximos quatro anos. Como não poderia ser diferente, Bolsonaro não compareceu apesar de constar na sua agenda a presença no Fórum de Governadores do Nordeste.
O presidente eleito não foi ao encontro nem o futuro ministro da Justiça e Segurança, Sérgio Moro, que também era aguardado na reunião. Truculento como é, Bolsonaro deve ter interpretado como "boicote" a ausência dos governadores do Nordeste na primeira reunião dos eleitos e reeleitos com ele, no dia 14 de outubro, e quis dar o troco ontem.
No Fórum dos Governadores do Nordeste, que não compareceu ninguém do futuro governo, esteve presente apenas o ainda presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), que não foi reeleito senador. Foi debatido com ele propostas em tramitação no Congresso Nacional, como a distribuição do Fundo de Participação dos Estados (FPE) e a securitização das dívidas. 
Algumas das propostas apresentadas pelos governadores ontem já estavam sendo discutidas com o atual presidente Michel Temer, contudo não avançaram.
Os governadores defenderam uma maior integração entre a União, Estados e municípios, com o objetivo de reduzir os índices de violência da região, promover a geração de empregos, crescimento econômico e destravar obras importantes para a região, como a ferrovia Transnordestina e a Transposição do Rio São Francisco. 
Os gestores esperam atenção de Bolsonaro ainda para temas considerados prioritários como política de créditos, política industrial focada no Nordeste, política de recursos hídricos e equilíbrio fiscal, incluindo a reforma da Previdência.
Ao final do encontro, os governadores eleitos e reeleitos de todo Nordeste divulgaram uma carta compromisso que será enviada ao próximo presidente Jair Bolsonaro e levada ao Fórum dos Governadores do Brasil, que será realizado no próximo dia 12 de dezembro, em Brasília.
Trocando em miúdos, não deverá ser das melhores a relação dos governadores do Nordeste com Bolsonaro. Vale lembrar que o Nordeste foi a única região do País em que o capitão da reserva não venceu nas eleições e todos os governadores nordestinos mantêm postura de oposição ao novo governo, o que deve dificultar a relação dos Estados com a União...

No dia 14 de outubro aconteceu o primeiro  encontro de governadores eleitos e reelei- tos com o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), em Brasília. A reunião foi esvaziada com a ausência dos governadores do Nordeste, que preferiram discutir uma pauta específica para a região em outra reunião e apresentar a Bolsonaro, até pelo fato de três governadores se encontrarem em viagem ao exterior naquela data.
Na reunião, compareceu apenas pelo Nordeste o governador reeleito Wellington Dias (PT/PI). Ele representou os governadores da região, inclusive o governador reeleito Belivaldo Chagas (PSD), no encontro com Bolsonaro, que contou ainda com as presenças dos futuros ministros Paulo Guedes (Economia) e Onyx  Lorenzoni  (Casa Civil).
Ontem os governadores do Nordeste se reuniram em Brasília para discutir as prioridades para a região nos próximos quatro anos. Como não poderia ser diferente, Bolsonaro não compareceu apesar de constar na sua agenda a presença no Fórum de Governadores do Nordeste.
O presidente eleito não foi ao encontro nem o futuro ministro da Justiça e Segurança, Sérgio Moro, que também era aguardado na reunião. Truculento como é, Bolsonaro deve ter interpretado como "boicote" a ausência dos governadores do Nordeste na primeira reunião dos eleitos e reeleitos com ele, no dia 14 de outubro, e quis dar o troco ontem.
No Fórum dos Governadores do Nordeste, que não compareceu ninguém do futuro governo, esteve presente apenas o ainda presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), que não foi reeleito senador. Foi debatido com ele propostas em tramitação no Congresso Nacional, como a distribuição do Fundo de Participação dos Estados (FPE) e a securitização das dívidas. 
Algumas das propostas apresentadas pelos governadores ontem já estavam sendo discutidas com o atual presidente Michel Temer, contudo não avançaram.
Os governadores defenderam uma maior integração entre a União, Estados e municípios, com o objetivo de reduzir os índices de violência da região, promover a geração de empregos, crescimento econômico e destravar obras importantes para a região, como a ferrovia Transnordestina e a Transposição do Rio São Francisco. 
Os gestores esperam atenção de Bolsonaro ainda para temas considerados prioritários como política de créditos, política industrial focada no Nordeste, política de recursos hídricos e equilíbrio fiscal, incluindo a reforma da Previdência.
Ao final do encontro, os governadores eleitos e reeleitos de todo Nordeste divulgaram uma carta compromisso que será enviada ao próximo presidente Jair Bolsonaro e levada ao Fórum dos Governadores do Brasil, que será realizado no próximo dia 12 de dezembro, em Brasília.
Trocando em miúdos, não deverá ser das melhores a relação dos governadores do Nordeste com Bolsonaro. Vale lembrar que o Nordeste foi a única região do País em que o capitão da reserva não venceu nas eleições e todos os governadores nordestinos mantêm postura de oposição ao novo governo, o que deve dificultar a relação dos Estados com a União...

Ponto de vista

Do governador reeleito Belivaldo Chagas (PSD) sobre a reunião ontem dos governadores eleitos e reeleitos do Nordeste: "Mais uma vez os governadores do Nordeste se mostraram unidos e a nossa reunião foi extremamente positiva. Um momento de diálogo aberto sobre assuntos importantes como a retomada de investimentos, abertura de créditos e a prorrogação do Fundeb".

Presentes

Além de Belivaldo, marcaram presença no encontro os governadores Wellington Dias (PI), Camilo Santana (CE), Paulo Câmara (PE), Rui Costa (BA), Luciano Barbosa (vice-governador AL), Flávio Dino (MA), João Azevedo (eleito PB), Fátima Bezerra (eleita RN) e Luciana Santos (eleita vice-governadora PE). 

Matadouro vilão 1

O desembargador Roberto Porto determinou ontem o afastamento imediato do prefeito Valmir Monteiro (PSC/Lagarto) no caso do matadouro do município, quando transferiu para um amigo a sua administração e ainda pagava salário, sem licitação. Ele também determinou o afastamento dos secretários municipais Floriano Fonseca (Administração) e Anderson Souza (Finanças) a pedido do Ministério Público Estadual por ato de improbidade administrativa. A assessoria jurídica do prefeito vai recorrer.

Matadouro vilão 2

Valmir Monteiro é o segundo prefeito afastado em menos de um mês por problemas com administração do matadouro. O primeiro é Valmir de Francisquinho (PR/Itabaiana), que encontra-se preso desde o dia 7 de novembro acusado de crimes de cobrança indevida de tributos, lavagem de dinheiro, associação criminosa e de licitação entre os anos de 2015 e 2017 relacionados ao matadouro da cidade.  

Mais três

Com o afastamento dos prefeitos Valmir de Francisquinho e Valmir Monteiro, já são cinco os gestores públicos municipais de Sergipe afastados este ano por alguma irregularidade, por decisão judicial. São eles: Alan de Agripino (PSC-Areia Branca); Gerana Costa (PTdoB-Riachão do Dantas) e Júnior Chagas (PRB-Poço Redondo), que reassumiu o cargo por conta de uma liminar.  

Eleição do Sebrae 1

Acontece hoje eleição da nova diretoria do Sebrae dos próximos quatro anos com chapa única e sem a interferência do governo do Estado, que abriu mão de indicar um diretor mesmo tendo cinco votos, sendo três no Conselho e dois dos bancos oficiais: Banco do Brasil e Caixa Econômica. A chapa única tem o apoio do deputado federal reeleito Laércio Oliveira (PP), que ganha novos espaços, e nenhuma indicação do governo Belivaldo Chagas.

Eleição do Sebrae 2

Deve ser eleito hoje como superintendente do Sebrae, Paulo Eirado; como presidente do Conselho Deliberativo, Marco Pinheiro, que é o presidente da Associação Comercial; Emanoel Sobral, deixa a superintendência e vai para a diretoria técnica; e Eduardo Prado, se mantém como diretor administrativo. Com isso, fica de fora Marcelo Barreto, que é o atual diretor técnico e estava na direção do Sebrae há 10 anos, por indicação do então governador Marcelo Déda e do PT.

Malas prontas

Acontecerá na próxima semana a filiação do senador eleito, o delegado  Alessandro Vieira (Rede), ao PPS. A mudança será em bloco, uma vez que levará para o PPS lideranças políticas estaduais, diversos vereadores e  deputados estaduais.

Avaliação 1

Em entrevista ao Congresso em Foco, o delegado afirmou que a campanha presidencial da Rede "não funcionou bem", com grande parte do eleitorado migrando para o eleito Jair Bolsonaro (PSL) levando seu partido a não atingir a clausula de barreira. Disse que Bolsonaro conseguiu abarcar apoiadores evangélicos e conservadores antes aliados da presidenciável do seu partido Marina Silva.

Avaliação 2

Segundo ele, a aposta na fusão da Rede com o PPS tem mais chances de vingar por incluir novos nomes eleitos em outubro. Disse que não considerar uma derrota da Rede a futura união com o PPS e que a dissolução precoce da sigla faz parte do "processo de criação de uma alternativa" na política. Ressaltou que em janeiro os dois partidos realizarão congressos nacionais onde devem definir seus próximos passos.

Entre as maiores bancadas

O presidente da Rede, Emerson Ferreira, que disputou o governo nas eleições deste ano, declarou ontem que com a fusão da Rede com o PPS o grupo passará a ter quatros deputados estaduais na Assembleia Legislativa, tornando-se uma das três maiores bancadas, e 26 vereadores em todo o estado, sendo quatro vereadores na capital.

Posição independente

Revela que na Assembleia e Câmaras Municipais a nova sigla, que poderá se chamar Movimento 23, terá posição de independência. "Não seremos submissos ao poder, neste toma lá dá cá. Teremos atuação crítica. Somos eleitos para defender à sociedade", afirmou.

Força igual

Nas eleições deste ano em Sergipe a Rede elegeu dois deputados estaduais: Georgeo Passos [reeleito] e Kitty Lima. O PPS também elegeu dois deputados para a Assembleia: Dilson de Agripino e Dr. Samuel Carvalho. A coluna tem informações que os dois eleitos pelo PPS podem deixar o partido tão logo possam fazer isso legalmente sem risco de perda do mandato por infidelidade partidária.

Decisão tomada

Quem também deve deixar os partidos pelo qual foram eleitos são os deputados estaduais reeleitos Luciano Pimentel (PSB) e Capitão Samuel (PSC), por não estarem satisfeitos com o tratamento dado pela legenda na campanha eleitoral. Luciano, inclusive, já deixou a Executiva Estadual do PSB.

Em Sergipe 1

Estará em Sergipe nessa sexta-feira o ministro dos Transportes, Valter Casimiro Silveira, para visitar as obras das rodovias federais BR 235, liberação de trechos da BR 101 e assinatura da ordem de início das obras do encabeçamento da Ponte sobre o Rio São Francisco. Vem a convite do deputado federal André Moura (PSC/SE), que conseguiu investimento de mais de R$ 300 milhões junto ao ministério para a malha rodoviária federal em Sergipe.

Em Sergipe 2

Pela programação, o ministro concederá entrevista coletiva à imprensa às 6h30, na recepção do Radisson Hotel; às 8h se deslocará para visita técnica às obras da BR - 235, em Areia Branca; às 10h, estará em Cedro de São João para liberação do tráfego em pista duplicada, na BR-101/SE, no trecho em Cedro - Propriá e assinatura da ordem de início das obras do encabeçamento da Ponte sobre o Rio São Francisco, divisa SE/AL. Às 13h Valter Casimiro almoça com prefeitos sergipanos e depois retorna a Aracaju para embarque a Brasília, às 18h.

Veja essa ...

Do deputado estadual reeleito Gilmar Carvalho (PSC) ao ser questionado pela Xodó FM de Socorro sobre a possibilidade de concorrer nas próximas eleições à prefeitura da capital, por ter sido bem votado na grande Aracaju: "De Aracaju, de Socorro ou da Barra? O povo é quem vai decidir. Tem muita gente se precipitando, mas uma coisa eu decidi: não tenho o direito de chegar 2020, passar as eleições e eu não participar dela. Posso não ser candidato, mas no mínimo participarei das decisões".

Curtas

Mais um pedido de vistas ontem, no Tribunal de Justiça de Sergipe, no processo de redução da pena dos deputados estaduais Augusto Bezerra e Paulinho da Varzinhas no escândalo das verbas de subvenção da Assembleia Legislativa. O pedido de vistas partiu do desembargador Alberto Romeu, após o desembargador José dos Anjos ter votado pela redução da pena de mais de 12 anos de prisão para 7 anos.

O ex-prefeito de Capela, Manoel Sukita, preso desde setembro em cumprimento a pena de 13 anos e 9 meses de prisão por corrupção eleitoral, desvio de verbas públicas e autorização de despesas não previstas em lei, sofreu ontem mais uma derrota no Tribunal de Justiça de Sergipe.

É que o TJ/SE manteve a sua condenação por crime contra a honra e de calúnia cometido contra o senador Antonio Carlos Valadares (PSB) ainda no caso de falsificação de pedido de renúncia de candidatura de deputado estadual em 2014. Sukita foi condenado a um ano, dois meses e 23 dias de detenção, que foi convertido em prestação de serviços à comunidade.

O deputado Gilmar Carvalho disse ontem que irá propor formalmente a formação de uma comissão suprapartidária para que a Assembleia Legislativa tenha representantes acompanhando reuniões e denúncias do Ministério Público sobre os matadouros, que levou ao afastamento dos prefeitos de Itabaiana e Lagarto.

O governador reeleito Belivaldo Chagas fica em Brasília até essa quinta-feira visando resolver assuntos do interesse de Sergipe.