Sergipe gerou quase 2.500 empregos formais em outubro

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Nos últimos 12 meses, foram 1.483 empregos celetistas criados e 2.462 no acumulado do ano
Nos últimos 12 meses, foram 1.483 empregos celetistas criados e 2.462 no acumulado do ano

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 23/11/2018 às 06:54:00

 

Pelo segundo mês 
consecutivo, Sergi-
pe registrou saldo de empregos acima de 2 mil vagas. Foram 2.440 novos postos de trabalho com carteira assinada no mês de outubro e 3.963 empregos no mês de setembro. De acordo com análise do Observatório de Sergipe, com base nos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados pelo Ministério do Trabalho nesta quarta-feira, o mercado de trabalho sergipano contabilizou um total de 8.667 admissões contra 6.227 desligamentos.
Segundo o levantamento, a indústria de transformação apresentou o melhor desempenho, com 1.065 vagas criadas e com destaque para 'indústria química de produtos farmacêuticos, veterinários e perfumaria', responsável por 984 vagas criadas. Em seguida, aparecem no ranking do mês para Sergipe: a agropecuária (+695), construção civil (+497), serviços (+182) e extrativa mineral (+42). 
O superintendente do Observatório, da Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplag), Ciro Brasil, explicou que a análise dos dados dos últimos 12 meses mostra um resultado favorável de 1.483 empregos celetistas criados. "Já no acumulado do ano, foram gerados 2.462 postos de trabalho", expôs. 
De janeiro a outubro deste ano, dos oito setores da economia pesquisados, cinco obtiveram saldo positivo no número de postos de trabalho. O setor de serviços gerou 1.800 empregos, tendo a atividade de ensino como responsável pela abertura de 1.233 vagas. A construção civil criou 1.479 vagas. Em seguida aparecem os serviços de utilidade pública (+241), a agropecuária (+234) e a indústria de transformação (+138). Em contrapartida, os que mais se destacaram na extinção de postos de trabalho foram comércio (-1.136), extrativa mineral (-157) e administração pública (-137). 
Expectativa - Ciro Brasil avaliou que os resultados dos últimos meses representam um bom indicador de que a economia no estado deve se fortalecer nos próximos meses. "O mais importante é observar o conjunto de setores da economia. Pelo segundo mês conseguimos um resultado positivo quanto ao número de empregos gerados, neste mês, em especial, observamos que a maioria das atividades está com um bom desempenho. Nossas projeções são de que fecharemos o ano com saldo nas geração de empregos. Isso demostra que, lentamente, estamos começando a ter uma reação no conjunto de setores da economia".
A análise do Observatório de Sergipe apontou ainda que o Brasil registrou a criação de 57.733 novos postos de trabalho com carteira assinada em outubro. "Das 27 unidades da federação, 21 obtiveram desempenho positivo. No cenário regional, Sergipe foi o quarto a apresentar melhor resultado. Ceará foi o primeiro, (+3.669), seguido por Alagoas (+3.378) e Rio Grande do Norte (+2.491). Quanto à variação mensal na geração de emprego, Sergipe (0,86%) ficou na segunda posição, atrás apenas de Alagoas (0,97%)", disse o superintendente.

Pelo segundo mês  consecutivo, Sergi- pe registrou saldo de empregos acima de 2 mil vagas. Foram 2.440 novos postos de trabalho com carteira assinada no mês de outubro e 3.963 empregos no mês de setembro. De acordo com análise do Observatório de Sergipe, com base nos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados pelo Ministério do Trabalho nesta quarta-feira, o mercado de trabalho sergipano contabilizou um total de 8.667 admissões contra 6.227 desligamentos.
Segundo o levantamento, a indústria de transformação apresentou o melhor desempenho, com 1.065 vagas criadas e com destaque para 'indústria química de produtos farmacêuticos, veterinários e perfumaria', responsável por 984 vagas criadas. Em seguida, aparecem no ranking do mês para Sergipe: a agropecuária (+695), construção civil (+497), serviços (+182) e extrativa mineral (+42). 
O superintendente do Observatório, da Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplag), Ciro Brasil, explicou que a análise dos dados dos últimos 12 meses mostra um resultado favorável de 1.483 empregos celetistas criados. "Já no acumulado do ano, foram gerados 2.462 postos de trabalho", expôs. 
De janeiro a outubro deste ano, dos oito setores da economia pesquisados, cinco obtiveram saldo positivo no número de postos de trabalho. O setor de serviços gerou 1.800 empregos, tendo a atividade de ensino como responsável pela abertura de 1.233 vagas. A construção civil criou 1.479 vagas. Em seguida aparecem os serviços de utilidade pública (+241), a agropecuária (+234) e a indústria de transformação (+138). Em contrapartida, os que mais se destacaram na extinção de postos de trabalho foram comércio (-1.136), extrativa mineral (-157) e administração pública (-137). 

Expectativa - Ciro Brasil avaliou que os resultados dos últimos meses representam um bom indicador de que a economia no estado deve se fortalecer nos próximos meses. "O mais importante é observar o conjunto de setores da economia. Pelo segundo mês conseguimos um resultado positivo quanto ao número de empregos gerados, neste mês, em especial, observamos que a maioria das atividades está com um bom desempenho. Nossas projeções são de que fecharemos o ano com saldo nas geração de empregos. Isso demostra que, lentamente, estamos começando a ter uma reação no conjunto de setores da economia".
A análise do Observatório de Sergipe apontou ainda que o Brasil registrou a criação de 57.733 novos postos de trabalho com carteira assinada em outubro. "Das 27 unidades da federação, 21 obtiveram desempenho positivo. No cenário regional, Sergipe foi o quarto a apresentar melhor resultado. Ceará foi o primeiro, (+3.669), seguido por Alagoas (+3.378) e Rio Grande do Norte (+2.491). Quanto à variação mensal na geração de emprego, Sergipe (0,86%) ficou na segunda posição, atrás apenas de Alagoas (0,97%)", disse o superintendente.