Promoções atraem multidão para centros comerciais

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 24/11/2018 às 06:23:00

 

Milton Alves Júnior
Desde a noite da últi
ma quinta-feira, 22, 
centenas de lojas espalhadas pelos principais polos comerciais de Aracaju e Região Meteopolitana estão ofertando aos consumidores descontos que chegam à casa dos 70%. Paralelo ao tradicional movimento varejistas Black Friday, os estabelecimentos optaram por ofertar queima de estoque durante todo este final de semana. Nos Estados Unidos, onde o Black Friday foi criado, os descontos representativos ocorrem apenas na quarta sexta-feira do mês de novembro. No Brasil, mais especificamente em Sergipe, a tendência é que parte desse 'saldão' permaneça ao menos até a noite de amanhã.
De acordo com a direção da Câmara dos Dirigentes Lojistas de Aracaju (CDL), a perspectiva do setor empresarial é que o fluxo de vendas neste final de ano comece a decorar conforme as perspectivas de crescimento para este ano. Acreditando estar vivenciando um novo momento de combate à crise econômica que assolou o país especialmente entre os anos de 2013 e 2016, Sergipe pode concluir o último trimestre de 2018 com 5% de aumento nas vendas se comparado com o mesmo período do ano passado. Paralelo ao movimento representativo nas tradicionais lojas fixas, o aquecimento econômico em lojas virtuais deve impulsionar o setor.
Uma pesquisa nacional promovida pelo grupo idealizador do Black Friday no Brasil mostra que o crescimento entre esta sexta-feira, 23, e amanhã, 25, deverá ser 19%, devendo ultrapassar os R$ 2,5 bilhões. Ao Jornal do Dia o gerente Arnaldo Peres alegou que o comércio brasileiro possui uma postura diferenciada dos demais países. Diante de um público apresentado pelo lojista como 'apaixonado por compra', é preciso ampliar o período de promoções na expectativa de conquistar lucros mais baixos, porém em maior escala. "Na prática a gente lucramos menos, mas os produtos saem mais rápido é isso acaba sendo bom porque movimentamos mais a loja. Prefiro manter o lucro na média do que vender pouco e ver a loja parada", disse.
Fraudes - Na tentativa de imunizar os consumidores de possíveis armadilhas, na tarde de ontem a Defensoria Pública do Estado de Sergipe, através do Núcleo do Consumidor, realizou uma ação na perspectiva de chamar a atenção dos consumidores sobre os cuidados que devem ter na hora da compra. De acordo com o defensor público e diretor do Núcleo, Orlando Sampaio, as maiores fraudes acontecem nas compras via internet. "Atualmente, a internet oferece uma série de sites em que se pode descobrir, de forma rápida, a procedência do vendedor como o consumidor.gov.br do Ministério da Justiça, bem como o conhecido www.reclameaqui.com.br", disse.
Ainda de acordo com o defensor: "o importante é que o consumidor não conclua qualquer compra pela internet sem antes pesquisar a confiabilidade da empresa ou pessoa vendedora. A nota fiscal e garantia por escrito são direitos do consumidor e muito importantes para fundamentar futura reclamação ou troca. Além disso, é muito fundamental que o consumidor guarde a oferta, sobretudo porque esta vincula o vendedor e, conforme o art. 20, caput, do Código de Defesa do Consumidor, o obriga fornecer produto ou serviço nos exatos termos daquilo que foi publicizado".

Desde a noite da últi ma quinta-feira, 22,  centenas de lojas espalhadas pelos principais polos comerciais de Aracaju e Região Meteopolitana estão ofertando aos consumidores descontos que chegam à casa dos 70%. Paralelo ao tradicional movimento varejistas Black Friday, os estabelecimentos optaram por ofertar queima de estoque durante todo este final de semana. Nos Estados Unidos, onde o Black Friday foi criado, os descontos representativos ocorrem apenas na quarta sexta-feira do mês de novembro. No Brasil, mais especificamente em Sergipe, a tendência é que parte desse 'saldão' permaneça ao menos até a noite de amanhã.
De acordo com a direção da Câmara dos Dirigentes Lojistas de Aracaju (CDL), a perspectiva do setor empresarial é que o fluxo de vendas neste final de ano comece a decorar conforme as perspectivas de crescimento para este ano. Acreditando estar vivenciando um novo momento de combate à crise econômica que assolou o país especialmente entre os anos de 2013 e 2016, Sergipe pode concluir o último trimestre de 2018 com 5% de aumento nas vendas se comparado com o mesmo período do ano passado. Paralelo ao movimento representativo nas tradicionais lojas fixas, o aquecimento econômico em lojas virtuais deve impulsionar o setor.
Uma pesquisa nacional promovida pelo grupo idealizador do Black Friday no Brasil mostra que o crescimento entre esta sexta-feira, 23, e amanhã, 25, deverá ser 19%, devendo ultrapassar os R$ 2,5 bilhões. Ao Jornal do Dia o gerente Arnaldo Peres alegou que o comércio brasileiro possui uma postura diferenciada dos demais países. Diante de um público apresentado pelo lojista como 'apaixonado por compra', é preciso ampliar o período de promoções na expectativa de conquistar lucros mais baixos, porém em maior escala. "Na prática a gente lucramos menos, mas os produtos saem mais rápido é isso acaba sendo bom porque movimentamos mais a loja. Prefiro manter o lucro na média do que vender pouco e ver a loja parada", disse.

Fraudes - Na tentativa de imunizar os consumidores de possíveis armadilhas, na tarde de ontem a Defensoria Pública do Estado de Sergipe, através do Núcleo do Consumidor, realizou uma ação na perspectiva de chamar a atenção dos consumidores sobre os cuidados que devem ter na hora da compra. De acordo com o defensor público e diretor do Núcleo, Orlando Sampaio, as maiores fraudes acontecem nas compras via internet. "Atualmente, a internet oferece uma série de sites em que se pode descobrir, de forma rápida, a procedência do vendedor como o consumidor.gov.br do Ministério da Justiça, bem como o conhecido www.reclameaqui.com.br", disse.
Ainda de acordo com o defensor: "o importante é que o consumidor não conclua qualquer compra pela internet sem antes pesquisar a confiabilidade da empresa ou pessoa vendedora. A nota fiscal e garantia por escrito são direitos do consumidor e muito importantes para fundamentar futura reclamação ou troca. Além disso, é muito fundamental que o consumidor guarde a oferta, sobretudo porque esta vincula o vendedor e, conforme o art. 20, caput, do Código de Defesa do Consumidor, o obriga fornecer produto ou serviço nos exatos termos daquilo que foi publicizado".