STJ manda George continuar com tornozeleira

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 29/11/2018 às 06:57:00

 

A 5ª Turma do Superi-
or Tribunal de Justi-
ça (STJ), em Brasília (DF), decidiu ontem manter as medidas cautelares aplicadas contra o radialista George Magalhães, que é acusado pelo estupro contra uma servente do condomínio onde ele morava, na Atalaia (zona sul de Aracaju). Com essa decisão, ele continuará sendo monitorado por uma tornozeleira eletrônica e permanece obrigado a se apresentar periodicamente à Justiça, além de proibido de manter contato com pessoas relacionadas ao processo.
George foi preso em setembro deste ano e ficou detido por cerca de dois meses, após a denúncia de que ele teria tentado mudar o depoimento de uma testemunha. Agora, o radialista vai aguardar a primeira audiência do processo, que acontece 1ª Vara Criminal de Aracaju e está marcada para 14 de março de 2019. Segundo a advogada da vítima, Lucia Morgado, as medidas protetivas continuam valendo e o uso da tornozeleira eletrônica deverá ser prorrogado por mais 120 dias, a pedido do Ministério Público. A defesa de George nega todas as acusações e afirma que ele vai provar sua inocência. 

A 5ª Turma do Superi- or Tribunal de Justi- ça (STJ), em Brasília (DF), decidiu ontem manter as medidas cautelares aplicadas contra o radialista George Magalhães, que é acusado pelo estupro contra uma servente do condomínio onde ele morava, na Atalaia (zona sul de Aracaju). Com essa decisão, ele continuará sendo monitorado por uma tornozeleira eletrônica e permanece obrigado a se apresentar periodicamente à Justiça, além de proibido de manter contato com pessoas relacionadas ao processo.
George foi preso em setembro deste ano e ficou detido por cerca de dois meses, após a denúncia de que ele teria tentado mudar o depoimento de uma testemunha. Agora, o radialista vai aguardar a primeira audiência do processo, que acontece 1ª Vara Criminal de Aracaju e está marcada para 14 de março de 2019. Segundo a advogada da vítima, Lucia Morgado, as medidas protetivas continuam valendo e o uso da tornozeleira eletrônica deverá ser prorrogado por mais 120 dias, a pedido do Ministério Público. A defesa de George nega todas as acusações e afirma que ele vai provar sua inocência.