Situação de matadouros preocupa deputados

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 29/11/2018 às 07:08:00

 

A deputada estadual Maria Mendonça (PSDB) ocupou a tribuna da Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese), na manhã dessa quarta-feira, para fazer esclarecimentos a sociedade, no que desrespeito aos matadouros do Estado de Sergipe.
Segundo a parlamentar, a situação do matadouro do município de Itabaiana é mais grave. De acordo com Maria, foi realizada uma reforma, onde as adequações não foram necessárias e suficientes no ponto de vista dos órgãos de  fiscalização, explicou Maria.
Ainda de acordo com a deputada, o matadouro teria que ter colocado uma caldeira, que visa tratar o sangue do animal, que segundo Maria, não foi colocado, devido ao custo, no valor de R$ 3000.000,00 (trezentos mil reais).  "Hoje a situação é grave. Fizeram acordo com a justiça no passado e não cumpriram um item sequer", disse Maria Mendonça
"A atual gestão do município de Itabaiana está trabalhando diariamente para a reabertura do matadouro, juntamente com  sua equipe, para cumprir as deficiências existentes, bem como os acordos que foram feitos", justificou a deputada em seu pronunciamento.
Sem carne - "O mercado de Itabaiana, na maior feira livre do Estado amanheceu hoje praticamente sem carnes". A informação foi passada na tribuna da Assembleia Legislativa de Sergipe, pelo deputado Gilmar Carvalho (PSC). Na oportunidade, o parlamentar cobrou agilidade na formação de uma Comissão Suprapartidária na Alese, com a finalidade de
Segundo Gilmar não é de sua parte nenhum questionamento sobre decisões que foram, estão sendo e serão tomadas. "O fato é que em Itabaiana e nem a região, podem continuar da maneira como está. Alguma coisa tem que acontecer. Semana passada eu encaminhei um requerimento pedindo a formação de uma comissão suprapartidária para tratar das questões envolvendo os matadouros e eu gostaria de pedir urgência, devido à situação", entende.
O deputado lamentou que o fato de a Prefeitura de Ribeirópolis ter decretado na última terça-feira, 27, o fechamento do matadouro de Ribeirópolis.

A deputada estadual Maria Mendonça (PSDB) ocupou a tribuna da Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese), na manhã dessa quarta-feira, para fazer esclarecimentos a sociedade, no que desrespeito aos matadouros do Estado de Sergipe.
Segundo a parlamentar, a situação do matadouro do município de Itabaiana é mais grave. De acordo com Maria, foi realizada uma reforma, onde as adequações não foram necessárias e suficientes no ponto de vista dos órgãos de  fiscalização, explicou Maria.
Ainda de acordo com a deputada, o matadouro teria que ter colocado uma caldeira, que visa tratar o sangue do animal, que segundo Maria, não foi colocado, devido ao custo, no valor de R$ 3000.000,00 (trezentos mil reais).  "Hoje a situação é grave. Fizeram acordo com a justiça no passado e não cumpriram um item sequer", disse Maria Mendonça
"A atual gestão do município de Itabaiana está trabalhando diariamente para a reabertura do matadouro, juntamente com  sua equipe, para cumprir as deficiências existentes, bem como os acordos que foram feitos", justificou a deputada em seu pronunciamento.

Sem carne - "O mercado de Itabaiana, na maior feira livre do Estado amanheceu hoje praticamente sem carnes". A informação foi passada na tribuna da Assembleia Legislativa de Sergipe, pelo deputado Gilmar Carvalho (PSC). Na oportunidade, o parlamentar cobrou agilidade na formação de uma Comissão Suprapartidária na Alese, com a finalidade de
Segundo Gilmar não é de sua parte nenhum questionamento sobre decisões que foram, estão sendo e serão tomadas. "O fato é que em Itabaiana e nem a região, podem continuar da maneira como está. Alguma coisa tem que acontecer. Semana passada eu encaminhei um requerimento pedindo a formação de uma comissão suprapartidária para tratar das questões envolvendo os matadouros e eu gostaria de pedir urgência, devido à situação", entende.
O deputado lamentou que o fato de a Prefeitura de Ribeirópolis ter decretado na última terça-feira, 27, o fechamento do matadouro de Ribeirópolis.