Prefeitura de Ribeirópolis fecha matadouro

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 29/11/2018 às 07:09:00

 

Milton Alves Júnior
Por tempo indetermi-
nado todas as ativi-
dades do matadouro público do município sergipano de Ribeirópolis, região Agreste do Estado, estão suspensas. A medida foi oficializada na manhã de ontem através do Diário Oficial do Município, após o prefeito Antônio Passos, compreender que o espaço apresenta diversas irregularidades ambientais constatadas pela Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema), as quais ainda não foram solucionadas. Ao longo dos últimos dois anos o próprio órgão estadual de fiscalização exigiu a regularização das pendências sob pena de interdição do prédio, o que chegou a ocorrer no ano passado por recomendação do Ministério Público.
De acordo com a administração municipal, desde o final do ano de 2016 a prefeitura tem buscado dialogar com os órgãos federais e estaduais, parlamentares com atuação em Brasília, com a perspectiva de captar recursos e resolver os problemas. Segundo o Ministério Público Estadual, o local oferece riscos de danos à saúde da população em razão das condições inadequadas de salubridade e higiene. O MPE recomenda que adequações sejam adoptadas em caráter emergencial. Essas melhorias ultrapassam a casa de R$ 1 milhão.
Em nota, a Prefeitura de Ribeirópolis informou que um convênio já foi aprovado pela União e o recurso para a obra está devidamente empenhado, porém, é necessário que o local permaneça fechado até que as exigências sanitárias sejam atendidas. Com a suspensão dos serviços, até que o local seja readequado os cerca de 80 marchantes que trabalhavam diariamente no local devem seguir para outros matadores da região.
Comunicado - "Reforçamos que essa medida visa, sobretudo, atender à solicitação da ADEMA que já tinha sugerido a interdição através de notificação em 2017, além de decisão judicial que determinou a interdição no ano passado. Esse ano, fomos notificados mais uma vez pela ADEMA com multa em valor vultuoso por manter o abatedouro em funcionamento. Compreendemos a necessidade de muitas famílias de Ribeirópolis que dependem do trabalho no abatedouro para o seu sustento. No entanto, reiteramos que estamos empenhados diuturnamente para viabilizar a regularização conforme as exigências da ADEMA no menor tempo possível.
Até que o município consiga a Licença Ambiental de funcionamento junto à ADEMA, pedimos a compreensão de todos, até porque nas condições atuais que se encontra o abatedouro, se não houvesse a interdição, o município poderia ser autuado com a aplicação de novas multas administrativas".

Por tempo indetermi- nado todas as ativi- dades do matadouro público do município sergipano de Ribeirópolis, região Agreste do Estado, estão suspensas. A medida foi oficializada na manhã de ontem através do Diário Oficial do Município, após o prefeito Antônio Passos, compreender que o espaço apresenta diversas irregularidades ambientais constatadas pela Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema), as quais ainda não foram solucionadas. Ao longo dos últimos dois anos o próprio órgão estadual de fiscalização exigiu a regularização das pendências sob pena de interdição do prédio, o que chegou a ocorrer no ano passado por recomendação do Ministério Público.
De acordo com a administração municipal, desde o final do ano de 2016 a prefeitura tem buscado dialogar com os órgãos federais e estaduais, parlamentares com atuação em Brasília, com a perspectiva de captar recursos e resolver os problemas. Segundo o Ministério Público Estadual, o local oferece riscos de danos à saúde da população em razão das condições inadequadas de salubridade e higiene. O MPE recomenda que adequações sejam adoptadas em caráter emergencial. Essas melhorias ultrapassam a casa de R$ 1 milhão.
Em nota, a Prefeitura de Ribeirópolis informou que um convênio já foi aprovado pela União e o recurso para a obra está devidamente empenhado, porém, é necessário que o local permaneça fechado até que as exigências sanitárias sejam atendidas. Com a suspensão dos serviços, até que o local seja readequado os cerca de 80 marchantes que trabalhavam diariamente no local devem seguir para outros matadores da região.

Comunicado - "Reforçamos que essa medida visa, sobretudo, atender à solicitação da ADEMA que já tinha sugerido a interdição através de notificação em 2017, além de decisão judicial que determinou a interdição no ano passado. Esse ano, fomos notificados mais uma vez pela ADEMA com multa em valor vultuoso por manter o abatedouro em funcionamento. Compreendemos a necessidade de muitas famílias de Ribeirópolis que dependem do trabalho no abatedouro para o seu sustento. No entanto, reiteramos que estamos empenhados diuturnamente para viabilizar a regularização conforme as exigências da ADEMA no menor tempo possível.
Até que o município consiga a Licença Ambiental de funcionamento junto à ADEMA, pedimos a compreensão de todos, até porque nas condições atuais que se encontra o abatedouro, se não houvesse a interdição, o município poderia ser autuado com a aplicação de novas multas administrativas".