Dupla é presa por assassinato na Sarney: polícia descarta motivo político

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Os primos Ian Gustavo Andrade de França e Leonardo Melo Andrade
Os primos Ian Gustavo Andrade de França e Leonardo Melo Andrade

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 30/11/2018 às 06:56:00

 

Policiais civis do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) cumpriram mandados de prisão contra os primos Ian Gustavo Andrade de França e Leonardo Melo Andrade, acusados do homicídio contra o vendedor de joias Danilo Brito Mota. O crime ocorreu na rodovia José Sarney, na Aruana (zona de expansão de Aracaju), em 8 de outubro deste ano, um dia depois do primeiro turno das eleições gerais. 
Segundo o delegado Kássio Viana, desde outubro, os policiais vêm fazendo levantamentos e já tinham identificado a autoria de Ian e Leonardo. Nas vésperas da operação, que tinha por intuito prender os acusados, Leonardo acabou sendo apreendido por tráfico de entorpecentes. Na casa do acusado, foram encontradas duas cartelas com aproximadamente doze munições de calibre 38. 
Ainda segundo Kássio, o crime está praticamente elucidado, dependendo apenas de algumas informações que se darão em um prazo de 30 dias. "Esperamos que nesse prazo possamos trazer as informações completas para encaminhar o procedimento à justiça, para que eles respondam por homicídio. Precisam ser esclarecidas a motivação; a forma de execução. Se houver mais gente envolvida, chegaremos a essa autoria também e encaminharemos tudo ao judiciário", comentou.
De acordo com o inquérito, Ian Andrade nega a participação no crime, mas diz que Leonardo confessou a ele ter praticado o delito, e que após a execução da vítima, ele teria vendido a arma. O revólver utilizado no crime, uma pistola 380 prateada, não foi apreendida. Apesar de Danilo ter sido parente de figura políticas atuantes na cidade de Itabaiana, a Polícia Civil descartou que tenha havido motivação política no crime. Segundo Kassio Viana, o assassinato teria sido tramado pelos acusados porque a vítima acusava Ian pela morte de um amigo assassinado meses antes e queria vingança. 

Policiais civis do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) cumpriram mandados de prisão contra os primos Ian Gustavo Andrade de França e Leonardo Melo Andrade, acusados do homicídio contra o vendedor de joias Danilo Brito Mota. O crime ocorreu na rodovia José Sarney, na Aruana (zona de expansão de Aracaju), em 8 de outubro deste ano, um dia depois do primeiro turno das eleições gerais. 
Segundo o delegado Kássio Viana, desde outubro, os policiais vêm fazendo levantamentos e já tinham identificado a autoria de Ian e Leonardo. Nas vésperas da operação, que tinha por intuito prender os acusados, Leonardo acabou sendo apreendido por tráfico de entorpecentes. Na casa do acusado, foram encontradas duas cartelas com aproximadamente doze munições de calibre 38. 
Ainda segundo Kássio, o crime está praticamente elucidado, dependendo apenas de algumas informações que se darão em um prazo de 30 dias. "Esperamos que nesse prazo possamos trazer as informações completas para encaminhar o procedimento à justiça, para que eles respondam por homicídio. Precisam ser esclarecidas a motivação; a forma de execução. Se houver mais gente envolvida, chegaremos a essa autoria também e encaminharemos tudo ao judiciário", comentou.
De acordo com o inquérito, Ian Andrade nega a participação no crime, mas diz que Leonardo confessou a ele ter praticado o delito, e que após a execução da vítima, ele teria vendido a arma. O revólver utilizado no crime, uma pistola 380 prateada, não foi apreendida. Apesar de Danilo ter sido parente de figura políticas atuantes na cidade de Itabaiana, a Polícia Civil descartou que tenha havido motivação política no crime. Segundo Kassio Viana, o assassinato teria sido tramado pelos acusados porque a vítima acusava Ian pela morte de um amigo assassinado meses antes e queria vingança.