Fim de ano

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 02/12/2018 às 12:02:00

 

As festas de fim de ano são a re-
denção do comércio. Não bastas
se o apelo simbólico das datas celebradas em dezembro, Natal e Ano Novo, há também o volume previsível de muito dinheiro no bolso dos trabalhadores. Em Sergipe, segundo estimativa do Dieese, R$ 1,6 bilhão devem ser injetados na economia com o pagamento do 13º salário.
Embora os dados relacionados à recuperação da economia ainda sejam os mais modestos, o trabalhador brasileiro já esperou Papai Noel mais magro. O cálculo do Produto Interno Bruto verde e amarelo demonstra um crescimento tímido, mas consistente. A soma de toda a riqueza produzida no País em forma de bens e produtos ainda está aquém das preces realizadas por mais de 12 milhões de desempregados, à espera de uma oportunidade. O quadro geral, contudo, já foi mais dramático.
Não se trata aqui de insuflar um otimismo infundado. É sabido, por exemplo, que boa parte dos trabalhadores deve empregar o dinheiro extra derivado do 13º no pagamento das dívidas acumuladas ao longo dos últimos anos, no auge da crise. Mas em tempo de vacas magras, a recuperação de crédito na praça não deixa de ser um alento. 
Uma ceia de mesa farta ainda não será realidade para todos, como é desejável. Basta lembrar que 63 milhões de brasileiros estão com o nome sujo, na lista do SPC. A esperança de dias melhores, os votos de paz e felicidade, no entanto, serão agora renovados. Mais de um milhão de brasileiros tirou o pé da lama. Estes celebrarão o natal mais feliz em muito tempo.

As festas de fim de ano são a re- denção do comércio. Não bastas se o apelo simbólico das datas celebradas em dezembro, Natal e Ano Novo, há também o volume previsível de muito dinheiro no bolso dos trabalhadores. Em Sergipe, segundo estimativa do Dieese, R$ 1,6 bilhão devem ser injetados na economia com o pagamento do 13º salário.
Embora os dados relacionados à recuperação da economia ainda sejam os mais modestos, o trabalhador brasileiro já esperou Papai Noel mais magro. O cálculo do Produto Interno Bruto verde e amarelo demonstra um crescimento tímido, mas consistente. A soma de toda a riqueza produzida no País em forma de bens e produtos ainda está aquém das preces realizadas por mais de 12 milhões de desempregados, à espera de uma oportunidade. O quadro geral, contudo, já foi mais dramático.
Não se trata aqui de insuflar um otimismo infundado. É sabido, por exemplo, que boa parte dos trabalhadores deve empregar o dinheiro extra derivado do 13º no pagamento das dívidas acumuladas ao longo dos últimos anos, no auge da crise. Mas em tempo de vacas magras, a recuperação de crédito na praça não deixa de ser um alento. 
Uma ceia de mesa farta ainda não será realidade para todos, como é desejável. Basta lembrar que 63 milhões de brasileiros estão com o nome sujo, na lista do SPC. A esperança de dias melhores, os votos de paz e felicidade, no entanto, serão agora renovados. Mais de um milhão de brasileiros tirou o pé da lama. Estes celebrarão o natal mais feliz em muito tempo.