Presos três acusados por assalto com morte na Barra

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 06/12/2018 às 07:35:00

 

Gabriel Damásio
Policiais do Departamen-
to de Crimes Contra o 
Patrimônio (Depatri) apreenderam ontem de madrugada um adolescente de 17 anos, suspeito de envolvimento no assalto ocorrido no dia 17 de outubro deste ano em um bar na área central da Barra dos Coqueiros (Grande Aracaju), no qual foi assassinado Thomaz Mendonça dos Santos, 28 anos, primo do vice-prefeito da cidade. O menor, que foi encontrado na casa de um parente e estava escondido embaixo da cama ao ser detido, tinha sido liberado recentemente do Centro de Atendimento ao Menor (Cenam), onde esteve internado, e é apontado pela polícia como integrante de um grupo de jovens que vêm cometendo diversos crimes na mesma região, como assaltos, homicídios e tráfico de drogas. 
De acordo com a delegada Juliana Alcoforado, que coordenou as investigações, o adolescente confessou o crime em depoimento à polícia. O rapaz bebia com amigos em um bar quando o menor chegou ao local e anunciou o assalto. "Thomaz não manifestou reação no momento em que entregava o telefone celular, e mesmo assim, o autor ceifou a vida dele com vários disparos, inclusive um na face. O adolescente confessou a prática delitiva, informando, no entanto, que tinha o intuito de ceifar a vida do rapaz por causa de uma briga de festa. Como ele já era acostumado a praticar roubos, acredito que ele somou a vontade de matar Thomaz a uma oportunidade de subtrair aparelhos celulares que têm valor de mercado para eles", disse Juliana. 
A polícia confirmou ainda que, além de executar a vítima e roubar seu telefone, o menor levou os pertences dos colegas que acompanhavam Thomaz no bar, incluindo os celulares. Um dos aparelhos foi encontrado na casa de Richarlison Batista Santos, 22 anos, que foi preso em flagrante e, de acordo com a delegada, estava dando fuga ao menor. A prisão dele aconteceu na segunda-feira. Além do celular, o acusado estava com uma balança de precisão e mais de meio quilo de drogas. Cumprindo pena em regime aberto por tráfico de drogas, Richarlison foi autuado por tráfico de drogas, receptação e favorecimento, aguardando um novo julgamento a partir de agora.
Além de Richarlison, um segundo adulto foi preso ontem de manhã no bairro Santos Dumont (zona norte da capital), também por envolvimento com o crime na Barra: José Carlos dos Santos Filho, o "Xito", que tem três mandados de prisão preventiva e responde por crimes de homicídios, roubos e formação de quadrilha. Juliana destacou que ele era muito temido na cidade e já era procurado há pelo menos três anos, desde a época em que ela trabalhava no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). 
O Depatri segue investigando o caso, no sentido de encontrar a arma usada no crime e o envolvimento de outras pessoas com a prática dos assaltos e com a receptação dos produtos roubados. "A equipe ainda está em diligências no intuito de identificar uma segunda pessoa que estava ao lado do adolescente apreendido. Ela não foi identificada até o momento, mas dava guarida a ele, mantendo distância e observando a prática delitiva", afirmou a delegada, destacando que o menor é igualmente "investigado por vários roubos, formação de quadrilha e ainda outros homicídios tentados e consumados de desafetos".

Policiais do Departamento de Crimes Contra o  Patrimônio (Depatri) apreenderam ontem de madrugada um adolescente de 17 anos, suspeito de envolvimento no assalto ocorrido no dia 17 de outubro deste ano em um bar na área central da Barra dos Coqueiros (Grande Aracaju), no qual foi assassinado Thomaz Mendonça dos Santos, 28 anos, primo do vice-prefeito da cidade. O menor, que foi encontrado na casa de um parente e estava escondido embaixo da cama ao ser detido, tinha sido liberado recentemente do Centro de Atendimento ao Menor (Cenam), onde esteve internado, e é apontado pela polícia como integrante de um grupo de jovens que vêm cometendo diversos crimes na mesma região, como assaltos, homicídios e tráfico de drogas. 

De acordo com a delegada Juliana Alcoforado, que coordenou as investigações, o adolescente confessou o crime em depoimento à polícia. O rapaz bebia com amigos em um bar quando o menor chegou ao local e anunciou o assalto. "Thomaz não manifestou reação no momento em que entregava o telefone celular, e mesmo assim, o autor ceifou a vida dele com vários disparos, inclusive um na face. O adolescente confessou a prática delitiva, informando, no entanto, que tinha o intuito de ceifar a vida do rapaz por causa de uma briga de festa. Como ele já era acostumado a praticar roubos, acredito que ele somou a vontade de matar Thomaz a uma oportunidade de subtrair aparelhos celulares que têm valor de mercado para eles", disse Juliana. 
A polícia confirmou ainda que, além de executar a vítima e roubar seu telefone, o menor levou os pertences dos colegas que acompanhavam Thomaz no bar, incluindo os celulares. Um dos aparelhos foi encontrado na casa de Richarlison Batista Santos, 22 anos, que foi preso em flagrante e, de acordo com a delegada, estava dando fuga ao menor. A prisão dele aconteceu na segunda-feira. Além do celular, o acusado estava com uma balança de precisão e mais de meio quilo de drogas. Cumprindo pena em regime aberto por tráfico de drogas, Richarlison foi autuado por tráfico de drogas, receptação e favorecimento, aguardando um novo julgamento a partir de agora.
Além de Richarlison, um segundo adulto foi preso ontem de manhã no bairro Santos Dumont (zona norte da capital), também por envolvimento com o crime na Barra: José Carlos dos Santos Filho, o "Xito", que tem três mandados de prisão preventiva e responde por crimes de homicídios, roubos e formação de quadrilha. Juliana destacou que ele era muito temido na cidade e já era procurado há pelo menos três anos, desde a época em que ela trabalhava no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). 
O Depatri segue investigando o caso, no sentido de encontrar a arma usada no crime e o envolvimento de outras pessoas com a prática dos assaltos e com a receptação dos produtos roubados. "A equipe ainda está em diligências no intuito de identificar uma segunda pessoa que estava ao lado do adolescente apreendido. Ela não foi identificada até o momento, mas dava guarida a ele, mantendo distância e observando a prática delitiva", afirmou a delegada, destacando que o menor é igualmente "investigado por vários roubos, formação de quadrilha e ainda outros homicídios tentados e consumados de desafetos".