Onyx Lorenzoni levanta dúvidas sobre a atuação do Coaf

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O ministro extraordinário da transição, Onyx Lorenzoni, confirmado para a Casa Civil
O ministro extraordinário da transição, Onyx Lorenzoni, confirmado para a Casa Civil

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 08/12/2018 às 07:42:00

 

Flávia Albuquerque
e redação da Agência Brasil  
 
O ministro extraordi
nário da transição, 
Onyx Lorenzoni, confirmado para a Casa Civil, disse ontem (7), em São Paulo, que há setores que tentam destruir a reputação do presidente eleito, Jair Bolsonaro, e que é necessário separar "o joio do trigo".
A afirmação foi em resposta a um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) sobre movimentação financeira atípica de um ex-assessor do deputado estadual Flávio Bolsonaro (PSL-SP).
"Setores estão tentando destruir a reputação do sr. Jair Messias Bolsonaro. No Brasil, a gente tem que saber separar o joio do trigo. Nesse governo é trigo. (...) Onde é que estava o Coaf no mensalão, no petrolão?", disse o ministro, que participou de um debate com empresários em São Paulo.
O relatório do Coaf, divulgado esta semana pelo jornal O Estado de  São Paulo, informa que o ex-assessor e policial militar Fabrício José Carlos de Queiroz teria movimentado R$ 1,2 milhão entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017 -  valores supostamente incompatíveis com sua renda declarada. Uma das transações seria um cheque de R$ 24 mil destinado à futura primeira-dama, Michelle Bolsonaro.
Nota emitida esta semana pelo Ministério Público Federal do Rio de Janeiro confirmou ter aproveitado informações do Coaf na Operação Furna da Onça. Isso ocorreu, segundo o MPF, devido "ao fato de existirem indícios de movimentações financeiras ilícitas envolvendo deputados estaduais suspeitos de prática do crime de corrupção e lavagem de dinheiro". Ainda segundo o Ministério Público, "nem todos os nomes ali citados (no relatório) foram incluídos nas apurações, sobretudo porque nem todas as movimentações atípicas são, necessariamente, ilícitas". Flávio Bolsonaro não está entre os investigados na operação. 
Questionado sobre a origem desse dinheiro, Onyx reagiu de forma impaciente. "Eu lá sou investigador? Qual é a origem do dinheiro? Quando o senhor [repórter que havia feito a pergunta] recebeu este mês? Não tem cabimento essa sua pergunta", esbravejou o ministro, antes de abandonar a entrevista. "Um milhão eu não recebi", respondeu o repórter.
Antes, o ministro havia criticado o PT. "Não dá para querer achar que [o governo] é igual ao do PT. Não é, nunca vai ser e os homens e mulheres que estão aqui são do bem. A turma do mal está do lado de lá. O problema é que a aliança ideológica que se construiu no Brasil faz com que vocês queiram misturar um governo decente e honesto com a lambança que o PT fez em 14 anos." Onyx afirmou ainda não ter medo de ser "canetado" por Bolsonaro em decorrência de suspeitas e investigações de irregularidades. "Eu gosto tanto da caneta Bic dele que eu subscrevo a declaração dele [Jair Bolsonaro]", disse.
Flávio Bolsonaro - Pelo Twitter, Flávio Bolsonaro informou não ter conhecimento de qualquer "informação que desabone a conduta do ex-assessor parlamentar". Segundo ele, Queiroz foi exonerado em outubro, a pedido, para se aposentar. Ele destacou que Queiroz trabalhou por mais de dez anos como seu segurança e motorista e disse ter  uma "relação de amizade e confiança" com o ex-assessor.
Corrupção - Onyx disse ainda que "nunca" teve "nada a ver com corrupção". A afirmação ocorre no momento em que o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), atendeu pedido feito pela Procuradoria-Geral da República (PGR) e determinou a abertura de uma petição autônoma específica para analisar as acusações de caixa dois feitas por delatores da J&F ao futuro ministro da Casa Civil.
"Agora, com a investigação autônoma, eu vou poder esclarecer isso tranquilamente, porque eu nunca tive nada a ver com corrupção. A gente não pode querer ser hipócrita de querer misturar um financiamento e o não registro do recebimento de um amigo, esse erro eu cometi e sou o único que teve coragem de reconhecer."
Onyx acrescentou que não teme nada em relação às suspeitas de caixa 2. Após afirmar publicamente que havia errado, o ministro tatuou o versículo bíblico: "A verdade vos libertará". "Eu sempre fui um combatente da corrupção, nunca ninguém vai me ver envolvido com corrupção".

Flávia Albuquerquee redação da Agência Brasil   O ministro extraordi nário da transição,  Onyx Lorenzoni, confirmado para a Casa Civil, disse ontem (7), em São Paulo, que há setores que tentam destruir a reputação do presidente eleito, Jair Bolsonaro, e que é necessário separar "o joio do trigo".
A afirmação foi em resposta a um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) sobre movimentação financeira atípica de um ex-assessor do deputado estadual Flávio Bolsonaro (PSL-SP).
"Setores estão tentando destruir a reputação do sr. Jair Messias Bolsonaro. No Brasil, a gente tem que saber separar o joio do trigo. Nesse governo é trigo. (...) Onde é que estava o Coaf no mensalão, no petrolão?", disse o ministro, que participou de um debate com empresários em São Paulo.
O relatório do Coaf, divulgado esta semana pelo jornal O Estado de  São Paulo, informa que o ex-assessor e policial militar Fabrício José Carlos de Queiroz teria movimentado R$ 1,2 milhão entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017 -  valores supostamente incompatíveis com sua renda declarada. Uma das transações seria um cheque de R$ 24 mil destinado à futura primeira-dama, Michelle Bolsonaro.
Nota emitida esta semana pelo Ministério Público Federal do Rio de Janeiro confirmou ter aproveitado informações do Coaf na Operação Furna da Onça. Isso ocorreu, segundo o MPF, devido "ao fato de existirem indícios de movimentações financeiras ilícitas envolvendo deputados estaduais suspeitos de prática do crime de corrupção e lavagem de dinheiro". Ainda segundo o Ministério Público, "nem todos os nomes ali citados (no relatório) foram incluídos nas apurações, sobretudo porque nem todas as movimentações atípicas são, necessariamente, ilícitas". Flávio Bolsonaro não está entre os investigados na operação. 
Questionado sobre a origem desse dinheiro, Onyx reagiu de forma impaciente. "Eu lá sou investigador? Qual é a origem do dinheiro? Quando o senhor [repórter que havia feito a pergunta] recebeu este mês? Não tem cabimento essa sua pergunta", esbravejou o ministro, antes de abandonar a entrevista. "Um milhão eu não recebi", respondeu o repórter.
Antes, o ministro havia criticado o PT. "Não dá para querer achar que [o governo] é igual ao do PT. Não é, nunca vai ser e os homens e mulheres que estão aqui são do bem. A turma do mal está do lado de lá. O problema é que a aliança ideológica que se construiu no Brasil faz com que vocês queiram misturar um governo decente e honesto com a lambança que o PT fez em 14 anos." Onyx afirmou ainda não ter medo de ser "canetado" por Bolsonaro em decorrência de suspeitas e investigações de irregularidades. "Eu gosto tanto da caneta Bic dele que eu subscrevo a declaração dele [Jair Bolsonaro]", disse.

Flávio Bolsonaro - Pelo Twitter, Flávio Bolsonaro informou não ter conhecimento de qualquer "informação que desabone a conduta do ex-assessor parlamentar". Segundo ele, Queiroz foi exonerado em outubro, a pedido, para se aposentar. Ele destacou que Queiroz trabalhou por mais de dez anos como seu segurança e motorista e disse ter  uma "relação de amizade e confiança" com o ex-assessor.

Corrupção - Onyx disse ainda que "nunca" teve "nada a ver com corrupção". A afirmação ocorre no momento em que o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), atendeu pedido feito pela Procuradoria-Geral da República (PGR) e determinou a abertura de uma petição autônoma específica para analisar as acusações de caixa dois feitas por delatores da J&F ao futuro ministro da Casa Civil.
"Agora, com a investigação autônoma, eu vou poder esclarecer isso tranquilamente, porque eu nunca tive nada a ver com corrupção. A gente não pode querer ser hipócrita de querer misturar um financiamento e o não registro do recebimento de um amigo, esse erro eu cometi e sou o único que teve coragem de reconhecer."
Onyx acrescentou que não teme nada em relação às suspeitas de caixa 2. Após afirmar publicamente que havia errado, o ministro tatuou o versículo bíblico: "A verdade vos libertará". "Eu sempre fui um combatente da corrupção, nunca ninguém vai me ver envolvido com corrupção".