'Valdevan 90' é preso por informações falsas em contas de campanha

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Valdevan 90 foi preso ao chegar a restaurante em Aracaju
Valdevan 90 foi preso ao chegar a restaurante em Aracaju

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 08/12/2018 às 07:52:00

 

Gabriel Damásio
O sindicalista José 
Valdevan de Jesus 
Santos, o 'Valdevan 90' (PSC), eleito deputado federal por Sergipe, foi preso ontem à tarde por agentes da Polícia Federal. Eles abordaram o candidato eleito quando ele chegava para almoçar com assessores no restaurante Sal e Brasa, na Orla de Atalaia (zona sul de Aracaju), de onde acabou levado para a sede da PF, no Siqueira Campos (zona oeste). Valdevan teve a prisão preventiva decretada pelo juízo da 2ª Zona Eleitoral, a pedido do Ministério Público, e é o principal investigado pela 'Operação Extraneus', que apura a inserção de declarações falsas em prestação de contas de campanha do candidato. 
Além de Valdevan, um segundo mandado de prisão preventiva foi cumprido pela PF, além de três ordens de busca e apreensão. Os trabalhos da operação aconteceram em Aracaju, Estância (Sul) e Taboão da Serra (SP), onde o candidato eleito foi vereador e é proprietário de uma cooperativa de transporte. A PF não deu detalhes sobre quem foi a outra pessoa presa e nem sobre os mandados de busca. Valdevan passou o resto da tarde prestando depoimento na sede da PF e de lá foi transferido para a carceragem de uma delegacia não revelada, onde aguarda nova decisão da Justiça Eleitoral.
Segundo nota divulgada pela PF, as investigações da 'Extraneus' "indicam que o candidato, utilizando-se de "laranjas", simulou a realização de diversas doações em favor de sua campanha, nela aportando valores cuja origem é desconhecida para o custeio de suas despesas". O órgão apontou ainda que, "no curso das apurações, verificou-se a atuação dos envolvidos com o intuito de direcionar os relatos dos 'laranjas' chamados a prestarem esclarecimentos, como forma de mascarar a realidade dos fatos". Ou seja: há indícios de que testemunhas teriam sido coagidas por pessoas ligadas ao candidato ou por ele próprio.
A candidatura de 'Valdevan 90' também já tinha sido investigada pelo Ministério Público Eleitoral. A procuradora Eunice Dantas informou recentemente que, durante a análise da prestação de contas do deputado eleito, verificou-se a inclusão de 85 doações de moradores das cidades de Arauá e Estância, sendo cada uma no valor de R$ 1.050. "Os envolvidos estão incursos, até o momento, no crime do artigo 350, caput, do Código Eleitoral, sem prejuízo de novas imputações a serem verificadas na sequência das apurações", conclui a nota da PF. 
Valdevan é sergipano de Estância, mas vive em São Paulo desde 1987, trabalhou muito tempo como cobrador de ônibus e está há quase 20 anos na presidência do Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores do Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo (Sindmotoristas), de onde se licenciou para ser candidato a deputado pelo PSC em Sergipe. Esse foi o mote para que a PF usasse o nome 'Extraneus', que em latim quer dizer 'estranho'. "A operação policial foi assim denominada em alusão ao fato do investigado ter sido eleito por Sergipe, mesmo sem ligação domiciliar recente com o Estado, uma vez que, há muitos anos, é radicado em outra unidade da Federação", explica o órgão. 
A assessoria do presidente estadual do PSC, deputado federal André Moura, informou que ele não vai se manifestar sobre a prisão de 'Valdevan 90'. Já a assessoria do Sindmotoristas informou que as denúncias contra o deputado eleito não procedem e que um advogado do sindicato foi enviado a Aracaju para acompanhar o caso.

O sindicalista José  Valdevan de Jesus  Santos, o 'Valdevan 90' (PSC), eleito deputado federal por Sergipe, foi preso ontem à tarde por agentes da Polícia Federal. Eles abordaram o candidato eleito quando ele chegava para almoçar com assessores no restaurante Sal e Brasa, na Orla de Atalaia (zona sul de Aracaju), de onde acabou levado para a sede da PF, no Siqueira Campos (zona oeste). Valdevan teve a prisão preventiva decretada pelo juízo da 2ª Zona Eleitoral, a pedido do Ministério Público, e é o principal investigado pela 'Operação Extraneus', que apura a inserção de declarações falsas em prestação de contas de campanha do candidato. 
Além de Valdevan, um segundo mandado de prisão preventiva foi cumprido pela PF, além de três ordens de busca e apreensão. Os trabalhos da operação aconteceram em Aracaju, Estância (Sul) e Taboão da Serra (SP), onde o candidato eleito foi vereador e é proprietário de uma cooperativa de transporte. A PF não deu detalhes sobre quem foi a outra pessoa presa e nem sobre os mandados de busca. Valdevan passou o resto da tarde prestando depoimento na sede da PF e de lá foi transferido para a carceragem de uma delegacia não revelada, onde aguarda nova decisão da Justiça Eleitoral.
Segundo nota divulgada pela PF, as investigações da 'Extraneus' "indicam que o candidato, utilizando-se de "laranjas", simulou a realização de diversas doações em favor de sua campanha, nela aportando valores cuja origem é desconhecida para o custeio de suas despesas". O órgão apontou ainda que, "no curso das apurações, verificou-se a atuação dos envolvidos com o intuito de direcionar os relatos dos 'laranjas' chamados a prestarem esclarecimentos, como forma de mascarar a realidade dos fatos". Ou seja: há indícios de que testemunhas teriam sido coagidas por pessoas ligadas ao candidato ou por ele próprio.
A candidatura de 'Valdevan 90' também já tinha sido investigada pelo Ministério Público Eleitoral. A procuradora Eunice Dantas informou recentemente que, durante a análise da prestação de contas do deputado eleito, verificou-se a inclusão de 85 doações de moradores das cidades de Arauá e Estância, sendo cada uma no valor de R$ 1.050. "Os envolvidos estão incursos, até o momento, no crime do artigo 350, caput, do Código Eleitoral, sem prejuízo de novas imputações a serem verificadas na sequência das apurações", conclui a nota da PF. 
Valdevan é sergipano de Estância, mas vive em São Paulo desde 1987, trabalhou muito tempo como cobrador de ônibus e está há quase 20 anos na presidência do Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores do Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo (Sindmotoristas), de onde se licenciou para ser candidato a deputado pelo PSC em Sergipe. Esse foi o mote para que a PF usasse o nome 'Extraneus', que em latim quer dizer 'estranho'. "A operação policial foi assim denominada em alusão ao fato do investigado ter sido eleito por Sergipe, mesmo sem ligação domiciliar recente com o Estado, uma vez que, há muitos anos, é radicado em outra unidade da Federação", explica o órgão. 
A assessoria do presidente estadual do PSC, deputado federal André Moura, informou que ele não vai se manifestar sobre a prisão de 'Valdevan 90'. Já a assessoria do Sindmotoristas informou que as denúncias contra o deputado eleito não procedem e que um advogado do sindicato foi enviado a Aracaju para acompanhar o caso.