Em diplomação, Bolsonaro pede confiança daqueles que não votaram nele

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
AO LADO DA PRESIDENTE DO TSE, MINISTRA ROSA WEBER, JAIR BOLSONARO EXIBE DIPLOMA DE PRESIDENTE DA REPÚBLICA ELEITO
AO LADO DA PRESIDENTE DO TSE, MINISTRA ROSA WEBER, JAIR BOLSONARO EXIBE DIPLOMA DE PRESIDENTE DA REPÚBLICA ELEITO

Aspecto da cerimônia de diplomação do presidente eleito, Jair Bolsonaro
Aspecto da cerimônia de diplomação do presidente eleito, Jair Bolsonaro

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 11/12/2018 às 06:55:00

 

Luiza Damé 
Agência Brasil  
 
No discurso de diplo-
mação, o presiden-
te eleito, Jair Bolsonaro, prometeu ontem (10) governar para todos, sem qualquer distinção ou discriminaçao. Bolsonaro pediu a confiança daqueles que não votaram nele. Também afirmou que o voto popular é um "compromisso inquebrantável". Segundo ele, a construção de uma nação mais justa depende da "ruptura de práticas que retardaram o progresso no país", como mentiras e manipulação.
"A partir de 1º de janeiro, serei o presidente dos 210 milhões de brasileiros. Governarei em benefício de todos sem distinção de origem social, raça, sexo, cor, idade ou religião", afirmou o presidente eleito durante a cerimônia de diplomação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
Bolsonaro disse que a diplomação representa o reconhecimento da decisão do eleitorado brasileiro, em "eleições livres e justas". Agradeceu o trabalho da Justiça Eleitoral, o apoio da família e os 57 milhões de votos. Em primeiro lugar, agradeceu a Deus por estar vivo, após ter sido esfaqueado no início da campanha eleitoral. 
Afirmou que cumprirá sua determinação de transformar o país em um local de justiça social. "Eu me dedicarei dia e noite a um objetivo que nos une: a construção de um Brasil próspero,  justo, seguro e que ocupe o lugar que lhe cabe no mundo."
Democracia - O presidente eleito lembrou que o Brasil deu um exemplo de respeito à democracia nas eleições de outubro. "Em um momento de profundas incertezas, somos um exemplo que a transformação pelo voto popular é possível. Este processo é possível. O nosso compromisso com o voto popular é inquebrantável. Os desejos de mudanças foram expressos nas eleições."
Bolsonaro disse ainda que só com rupturas de algumas práticas haverá avanços. "A construção de uma nação mais justa e desenvolvida requer uma ruptura com práticas que retardaram o nosso progresso, não mais violência, não mais as mentiras, não mais manipulação ideológica, não mais submissão de nosso destino."
Novas tecnologias - Para o presidente eleito, as novas tecnologias demonstraram sua força nas urnas. "As eleições de outubro revelaram uma realidade distinta das práticas do passado. O poder popular não precisa mais de intermediação. As novas tecnologias permitiram uma eleição direta entre o eleitor e seus representantes. Esse novo ambiente, a crença na liberdade, é a melhor garantia dos ideiais que balizam a nossa Constituição."
Família - Bolsonaro agradeceu o apoio da família, citou a mulher Michelle, os cinco filhos e a mãe Olinda, de 91 anos. Ao mencionar o nome da caçula, Laura, 8 anos, acenou para a menina que estava sentada na plateia.

No discurso de diplo- mação, o presidente eleito, Jair Bolsonaro, prometeu ontem (10) governar para todos, sem qualquer distinção ou discriminaçao. Bolsonaro pediu a confiança daqueles que não votaram nele. Também afirmou que o voto popular é um "compromisso inquebrantável". Segundo ele, a construção de uma nação mais justa depende da "ruptura de práticas que retardaram o progresso no país", como mentiras e manipulação.
"A partir de 1º de janeiro, serei o presidente dos 210 milhões de brasileiros. Governarei em benefício de todos sem distinção de origem social, raça, sexo, cor, idade ou religião", afirmou o presidente eleito durante a cerimônia de diplomação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
Bolsonaro disse que a diplomação representa o reconhecimento da decisão do eleitorado brasileiro, em "eleições livres e justas". Agradeceu o trabalho da Justiça Eleitoral, o apoio da família e os 57 milhões de votos. Em primeiro lugar, agradeceu a Deus por estar vivo, após ter sido esfaqueado no início da campanha eleitoral. 
Afirmou que cumprirá sua determinação de transformar o país em um local de justiça social. "Eu me dedicarei dia e noite a um objetivo que nos une: a construção de um Brasil próspero,  justo, seguro e que ocupe o lugar que lhe cabe no mundo."

Democracia - O presidente eleito lembrou que o Brasil deu um exemplo de respeito à democracia nas eleições de outubro. "Em um momento de profundas incertezas, somos um exemplo que a transformação pelo voto popular é possível. Este processo é possível. O nosso compromisso com o voto popular é inquebrantável. Os desejos de mudanças foram expressos nas eleições."
Bolsonaro disse ainda que só com rupturas de algumas práticas haverá avanços. "A construção de uma nação mais justa e desenvolvida requer uma ruptura com práticas que retardaram o nosso progresso, não mais violência, não mais as mentiras, não mais manipulação ideológica, não mais submissão de nosso destino."

Novas tecnologias - Para o presidente eleito, as novas tecnologias demonstraram sua força nas urnas. "As eleições de outubro revelaram uma realidade distinta das práticas do passado. O poder popular não precisa mais de intermediação. As novas tecnologias permitiram uma eleição direta entre o eleitor e seus representantes. Esse novo ambiente, a crença na liberdade, é a melhor garantia dos ideiais que balizam a nossa Constituição."

Família - Bolsonaro agradeceu o apoio da família, citou a mulher Michelle, os cinco filhos e a mãe Olinda, de 91 anos. Ao mencionar o nome da caçula, Laura, 8 anos, acenou para a menina que estava sentada na plateia.