Gilmar diz que estão "matando" a feira de Itabaiana

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 11/12/2018 às 06:59:00

 

Preocupado com a situação dos marchantes, fateiras, feirantes e demais trabalhadores que dependem do funcionamento do Matadouro de Itabaiana para sobreviver, o deputado estadual Gilmar Carvalho (PSC) esteve no município na última semana, em dia de feira, para ver de perto a situação e ouvir a população. Na sessão plenária desta segunda-feira, 10/12, na Assembleia Legislativa, o parlamentar relatou o que encontrou.
Durante a visita ao mercado, os feirantes reclamaram do movimento baixo em consequência da baixa qualidade do produto. "Aqui antes se pegava fila para comprar carne. Agora está desse jeito. A carne está feia, escura, além de mais cara para a gente. Antes pagávamos R$ 70 por boi. Agora pagamos R$ 120. O movimento caiu 50% e isso afeta a feira toda. O povo de Itabaiana gosta de carne fresca e nós ficamos no prejuízo", disse um feirante com o apoio dos demais.
Outro feirante alertou que os fatos chegaram podres de Macambira e foram todos jogados fora. "Ficamos no prejuízo", lamentou o trabalhador.
Gilmar, que propôs na Assembleia Legislativa a formação de uma Comissão Suprapartidária para acompanhar o fechamento dos matadouros, lamentou a situação encontrada em Itabaiana. "Estão matando a feira do município. Respeito a legislação ambiental e a decisão judicial, mas é preciso encontrar uma solução, porque esse matadouro não pode ficar fechado. Feira vazia, carne com a qualidade ruim e mais cara. Estão acabando com parte importante da economia de Itabaiana que é a feira".

Preocupado com a situação dos marchantes, fateiras, feirantes e demais trabalhadores que dependem do funcionamento do Matadouro de Itabaiana para sobreviver, o deputado estadual Gilmar Carvalho (PSC) esteve no município na última semana, em dia de feira, para ver de perto a situação e ouvir a população. Na sessão plenária desta segunda-feira, 10/12, na Assembleia Legislativa, o parlamentar relatou o que encontrou.
Durante a visita ao mercado, os feirantes reclamaram do movimento baixo em consequência da baixa qualidade do produto. "Aqui antes se pegava fila para comprar carne. Agora está desse jeito. A carne está feia, escura, além de mais cara para a gente. Antes pagávamos R$ 70 por boi. Agora pagamos R$ 120. O movimento caiu 50% e isso afeta a feira toda. O povo de Itabaiana gosta de carne fresca e nós ficamos no prejuízo", disse um feirante com o apoio dos demais.
Outro feirante alertou que os fatos chegaram podres de Macambira e foram todos jogados fora. "Ficamos no prejuízo", lamentou o trabalhador.
Gilmar, que propôs na Assembleia Legislativa a formação de uma Comissão Suprapartidária para acompanhar o fechamento dos matadouros, lamentou a situação encontrada em Itabaiana. "Estão matando a feira do município. Respeito a legislação ambiental e a decisão judicial, mas é preciso encontrar uma solução, porque esse matadouro não pode ficar fechado. Feira vazia, carne com a qualidade ruim e mais cara. Estão acabando com parte importante da economia de Itabaiana que é a feira".