Jornalista lança biografia sobre Wellington Mangueira

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Milton Alves Júnior e Wellington Mangueira com um exemplar do livro
Milton Alves Júnior e Wellington Mangueira com um exemplar do livro

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 11/12/2018 às 07:06:00

 

Na próxima quarta-feira (12), o jornalista Milton Alves Júnior lança o livro: 'Continência a um comunista'. Uma obra literária que apresenta em 315 páginas um traçado geral da história de vida familiar, estudantil, pública, democrática e social do advogado e professor Wellington Dantas Mangueira Marques. Cidadão aracajuano, nascido em 1945, o sergipano homenageado possui ampla parcela de atuação progressista não apenas no contexto político estudantil, mas também, por exemplo, ao desporto através da dedicação ao Cotinguiba Esporte Clube, à educação e à segurança pública.
Através da obra, os leitores terão a oportunidade de conhecer, ou aprofundar, a compreensão em torno do valor histórico que Wellington Mangueira representa para o progresso da nação. Não é redundante destacar que o homenageado representa com louvor a forte representação da resistência do Estado de Sergipe na luta pela redemocratização do País. Fruto de um trabalho construído ao longo dos últimos dois anos, o jornalista Milton Alves Júnior destaca a importância do tema do seu livro, principalmente dado aos momentos políticos atuais.
 "O título "Continência a um comunista" instiga o leitor a consumir todo o conteúdo do livro, e a buscar entender como um militante perseguido e torturado durante os 21 anos do governo Militar conseguiu, e consegue até hoje, a façanha de receber continência de oficiais incluídos nas mais variadas composições da segurança pública nacional. O livro traz a história de vida familiar, estudantil, pública, democrática e social de Wellington, um ser possuidor de um coração humano que chama a atenção. Esse posicionamento humanista é um dos motivos ao qual indico e recomendo a leitura", pontuou, enfatizando que "diante da conjuntura política nacional, o cidadão se deparar com um livro que esbanja na capa um ato de continência ofertado para um comunista, ligado ao Partido Comunista Brasileiro, é compreensivo que a surpresa desperte o desejo de leitura".
Conteúdo - Contraposto ao que muitos possam imaginar, além do período triste enfrentado durante a ditadura militar, a biografia também aborda assuntos presentes no dia-a-dia de Wellington Mangueira, que vão desde o primeiro consumo de bebida alcoólica ainda durante a infância, até passeios de canoa pelo Rio Sergipe, bastidores da família, futebol, cultura, jogos de cartas, café, história das ruas de Aracaju, defesa da comunidade LGBT, e o exílio na antiga União Soviética. "É um livro cuja perspectiva está em proporcionar uma leitura prazerosa, através de uma linguagem simples e direta. Em suas páginas o leitor vai se deparar com fotos, ilustrações em forma de charge, depoimentos de famíliares, professores, colegas do tempo do Atheneu Sergipense e da Faculdade de Direito, além de gestores públicos, ex-alunos e tantos outros admiradores".
Material Didático - Milton Alves Júnior diz que almeja ver seu livro sendo utilizado nas salas de aula, compartilhado entre os estudantes com idades acima dos 14 anos. "Escrever sobre o legado de Wellington Mangueira foi uma honra. Confesso que minha felicidade será mais completa se o momento histórico do país, retratado nas páginas do livro, chegar aos quatro cantos de nossa nação", destacou o autor.

Na próxima quarta-feira (12), o jornalista Milton Alves Júnior lança o livro: 'Continência a um comunista'. Uma obra literária que apresenta em 315 páginas um traçado geral da história de vida familiar, estudantil, pública, democrática e social do advogado e professor Wellington Dantas Mangueira Marques. Cidadão aracajuano, nascido em 1945, o sergipano homenageado possui ampla parcela de atuação progressista não apenas no contexto político estudantil, mas também, por exemplo, ao desporto através da dedicação ao Cotinguiba Esporte Clube, à educação e à segurança pública.
Através da obra, os leitores terão a oportunidade de conhecer, ou aprofundar, a compreensão em torno do valor histórico que Wellington Mangueira representa para o progresso da nação. Não é redundante destacar que o homenageado representa com louvor a forte representação da resistência do Estado de Sergipe na luta pela redemocratização do País. Fruto de um trabalho construído ao longo dos últimos dois anos, o jornalista Milton Alves Júnior destaca a importância do tema do seu livro, principalmente dado aos momentos políticos atuais.
 "O título "Continência a um comunista" instiga o leitor a consumir todo o conteúdo do livro, e a buscar entender como um militante perseguido e torturado durante os 21 anos do governo Militar conseguiu, e consegue até hoje, a façanha de receber continência de oficiais incluídos nas mais variadas composições da segurança pública nacional. O livro traz a história de vida familiar, estudantil, pública, democrática e social de Wellington, um ser possuidor de um coração humano que chama a atenção. Esse posicionamento humanista é um dos motivos ao qual indico e recomendo a leitura", pontuou, enfatizando que "diante da conjuntura política nacional, o cidadão se deparar com um livro que esbanja na capa um ato de continência ofertado para um comunista, ligado ao Partido Comunista Brasileiro, é compreensivo que a surpresa desperte o desejo de leitura".

Conteúdo - Contraposto ao que muitos possam imaginar, além do período triste enfrentado durante a ditadura militar, a biografia também aborda assuntos presentes no dia-a-dia de Wellington Mangueira, que vão desde o primeiro consumo de bebida alcoólica ainda durante a infância, até passeios de canoa pelo Rio Sergipe, bastidores da família, futebol, cultura, jogos de cartas, café, história das ruas de Aracaju, defesa da comunidade LGBT, e o exílio na antiga União Soviética. "É um livro cuja perspectiva está em proporcionar uma leitura prazerosa, através de uma linguagem simples e direta. Em suas páginas o leitor vai se deparar com fotos, ilustrações em forma de charge, depoimentos de famíliares, professores, colegas do tempo do Atheneu Sergipense e da Faculdade de Direito, além de gestores públicos, ex-alunos e tantos outros admiradores".

Material Didático - Milton Alves Júnior diz que almeja ver seu livro sendo utilizado nas salas de aula, compartilhado entre os estudantes com idades acima dos 14 anos. "Escrever sobre o legado de Wellington Mangueira foi uma honra. Confesso que minha felicidade será mais completa se o momento histórico do país, retratado nas páginas do livro, chegar aos quatro cantos de nossa nação", destacou o autor.