Paciente com calazar continua em estado grave

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 11/12/2018 às 07:12:00

 

Em novo boletim médico apresentado na tarde de ontem pelo Hospital de Urgência de Sergipe (Hume), o superintendente Darcy Tavares, confirma que permanece crítica o quadro clínico do paciente diagnosticado no dia 26 de novembro com calazar. O gestor informou que o paciente - um adolescente de idade não revelada, apresenta quadro de anemia, com baço e fígados aumentados e que a doença já está afetando a medula óssea. Conforme destacado ao JORNAL DO DIA na última sexta-feira, 07, todos os esforços médicos estão sendo aplicados a fim de tentar reverter o quadro atual.
 "Reafirmamos o compromisso da nossa ética profissional e do comprometimento público cidadão do Governo de Sergipe em unificar as forças e lutar pela vida deste paciente. Neste momento ele continua recebendo a atenção necessária na UTI (Unidade de Terapia Intensiva), e os familiares seguem recebendo atenção paralela. Garanto que estamos trabalhando para recuperar a saúde do paciente", declarou. O superintendente enalteceu ainda que as informações sobre este caso permanecerão sendo apresentadas à população através da Secretaria de Estado da Saúde. Somente neste ano já foram diagnosticadas dez pessoas com Leishmaniose Visceral.
A doença calazar - É causada pelo protozoário parasita Leishmania que é transmitido pela picada de mosquitos-palha infectados. O parasita ataca o sistema imunológico e, meses após a infecção inicial, a doença pode evoluir para uma forma visceral mais grave, que é quase sempre fatal se não for tratada. A doença, quando progride, se manifesta de dois a oito meses após a infecção com e se caracteriza por acessos irregulares de febre, perda de peso, fraqueza, aumento do baço e do fígado, nódulos linfáticos inchados e anemia. No entanto, se a carga parasitária é alta ou o nível de imunidade do paciente é baixo, o período de incubação é de 10 a 14 dias.

Em novo boletim médico apresentado na tarde de ontem pelo Hospital de Urgência de Sergipe (Hume), o superintendente Darcy Tavares, confirma que permanece crítica o quadro clínico do paciente diagnosticado no dia 26 de novembro com calazar. O gestor informou que o paciente - um adolescente de idade não revelada, apresenta quadro de anemia, com baço e fígados aumentados e que a doença já está afetando a medula óssea. Conforme destacado ao JORNAL DO DIA na última sexta-feira, 07, todos os esforços médicos estão sendo aplicados a fim de tentar reverter o quadro atual.
 "Reafirmamos o compromisso da nossa ética profissional e do comprometimento público cidadão do Governo de Sergipe em unificar as forças e lutar pela vida deste paciente. Neste momento ele continua recebendo a atenção necessária na UTI (Unidade de Terapia Intensiva), e os familiares seguem recebendo atenção paralela. Garanto que estamos trabalhando para recuperar a saúde do paciente", declarou. O superintendente enalteceu ainda que as informações sobre este caso permanecerão sendo apresentadas à população através da Secretaria de Estado da Saúde. Somente neste ano já foram diagnosticadas dez pessoas com Leishmaniose Visceral.

A doença calazar - É causada pelo protozoário parasita Leishmania que é transmitido pela picada de mosquitos-palha infectados. O parasita ataca o sistema imunológico e, meses após a infecção inicial, a doença pode evoluir para uma forma visceral mais grave, que é quase sempre fatal se não for tratada. A doença, quando progride, se manifesta de dois a oito meses após a infecção com e se caracteriza por acessos irregulares de febre, perda de peso, fraqueza, aumento do baço e do fígado, nódulos linfáticos inchados e anemia. No entanto, se a carga parasitária é alta ou o nível de imunidade do paciente é baixo, o período de incubação é de 10 a 14 dias.