Governador acompanha discussão sobre investimentos da Sudene para 2019

Política


  • Aspecto da reunião do Conselho Deliberativo da Sudene

 

Com orçamento de R$ 25,7 bilhões para financiamento de projetos no Nordeste, o Conselho Deliberativo da Sudene  reuniu-se nesta terça-feira (11) para definir como o valor será aplicado no desenvolvimento da região. 
O governador Belivaldo Chagas acompanhou a reunião, que também tratou das condições de financiamento do Fundo de Desenvolvimento do Nordeste (FDNE). O encontro foi coordenado pelo secretário-executivo do Ministério da Integração Nacional, Gustavo Henrique Canuto, que será o futuro ministro do Desenvolvimento Regional. Esse ministério será resultado da fusão do Ministério da Integração Nacional com o das Cidades no novo governo. 
Belivaldo está otimista quanto ao futuro da Sudene e do desenvolvimento da região. "Estou confiante na gestão do novo ministro, da mesma forma que acredito no poder de retomada do papel da Sudene no desenvolvimento da região Nordeste. E para fortalecer ainda mais esse processo, sugeri que a próxima reunião aconteça na sede da Sudene, em Recife, com a presença do ministro Gustavo Henrique Canuto", declarou.
O chefe do Executivo informou, ainda, que irá estabelecer uma equipe de gestores para elaborar projetos e criar uma sinergia com a iniciativa privada para buscar recursos disponíveis para aplicar no estado. "Temos uma janela de oportunidades junto à Sudene e vamos aproveitar juntamente com o setor produtivo para desenvolver nosso estado".
Em 2019, dos recursos disponíveis (R$ 25,7 bilhões), R$ 8 bilhões serão para área da infraestrutura. Haverá recursos, também, para financiamentos da indústria, comércio, agroindústria e R$ 300 milhões para o Programa de Financiamento Estudantil (FIES). 
Entre as pautas, está também a aprovação de diretrizes e prioridades de aplicação de recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste; alteração na regra de cálculo de taxa de juros para financiamentos pelo FNE e FNDE pleiteados por municípios, tendo inclusão da base de cálculos aspectos regionais; proposição de Ouvidoria do FNE e Sudene e aprovação do relatório de resultados da Sudene do exercício de 2017.
O presidente do Banco do Nordeste, Romildo Rolim, também participou da reunião.

Com orçamento de R$ 25,7 bilhões para financiamento de projetos no Nordeste, o Conselho Deliberativo da Sudene  reuniu-se nesta terça-feira (11) para definir como o valor será aplicado no desenvolvimento da região. 
O governador Belivaldo Chagas acompanhou a reunião, que também tratou das condições de financiamento do Fundo de Desenvolvimento do Nordeste (FDNE). O encontro foi coordenado pelo secretário-executivo do Ministério da Integração Nacional, Gustavo Henrique Canuto, que será o futuro ministro do Desenvolvimento Regional. Esse ministério será resultado da fusão do Ministério da Integração Nacional com o das Cidades no novo governo. 
Belivaldo está otimista quanto ao futuro da Sudene e do desenvolvimento da região. "Estou confiante na gestão do novo ministro, da mesma forma que acredito no poder de retomada do papel da Sudene no desenvolvimento da região Nordeste. E para fortalecer ainda mais esse processo, sugeri que a próxima reunião aconteça na sede da Sudene, em Recife, com a presença do ministro Gustavo Henrique Canuto", declarou.
O chefe do Executivo informou, ainda, que irá estabelecer uma equipe de gestores para elaborar projetos e criar uma sinergia com a iniciativa privada para buscar recursos disponíveis para aplicar no estado. "Temos uma janela de oportunidades junto à Sudene e vamos aproveitar juntamente com o setor produtivo para desenvolver nosso estado".
Em 2019, dos recursos disponíveis (R$ 25,7 bilhões), R$ 8 bilhões serão para área da infraestrutura. Haverá recursos, também, para financiamentos da indústria, comércio, agroindústria e R$ 300 milhões para o Programa de Financiamento Estudantil (FIES). 
Entre as pautas, está também a aprovação de diretrizes e prioridades de aplicação de recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste; alteração na regra de cálculo de taxa de juros para financiamentos pelo FNE e FNDE pleiteados por municípios, tendo inclusão da base de cálculos aspectos regionais; proposição de Ouvidoria do FNE e Sudene e aprovação do relatório de resultados da Sudene do exercício de 2017.O presidente do Banco do Nordeste, Romildo Rolim, também participou da reunião.

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS