MPE recomenda proibição de "bloquinho" no Inácio Barbosa

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 14/12/2018 às 07:02:00

 

Tendo em vista os episódios de violência ocorridos no mês de novembro no denominado "Bloquinho" realizado nas imediações do Bairro Jardins, zona sul de Aracaju, o Ministério Público de Sergipe, por intermédio da Promotoria de Justiça do Controle Externo da Atividade Policial recomendou que a Polícia Militar, a Secretaria do Meio Ambiente, a SMTT e a Guarda Municipal de Aracaju, realizem plantão e proíbam a realização da festa intitulada "Bloquinho" prevista para ser realizada no Bairro Inácio Barbosa, no próximo dia 15 de dezembro, às 15h.
A Promotoria oficiou a Secretaria do Meio Ambiente e a Polícia Militar e recebeu informações que os organizadores da referida festa, articulada pelas redes sociais, não protocolaram qualquer pedido de policiamento ostensivo e previsto em lei para realização do evento. Ou seja, o Bloco não tem alvará para realização.
Desta forma, em caráter emergencial, o MP recomendou a não realização da festa, já que não há previsão de emprego, seja em caráter ordinário ou extraordinário, de efetivo policial, bem como para evitar problemas relacionados ao trânsito e de segurança pública, evidenciados nas edições anteriores dessa modalidade de festa, inclusive com histórico de confronto entre participantes e policiais.

Tendo em vista os episódios de violência ocorridos no mês de novembro no denominado "Bloquinho" realizado nas imediações do Bairro Jardins, zona sul de Aracaju, o Ministério Público de Sergipe, por intermédio da Promotoria de Justiça do Controle Externo da Atividade Policial recomendou que a Polícia Militar, a Secretaria do Meio Ambiente, a SMTT e a Guarda Municipal de Aracaju, realizem plantão e proíbam a realização da festa intitulada "Bloquinho" prevista para ser realizada no Bairro Inácio Barbosa, no próximo dia 15 de dezembro, às 15h.
A Promotoria oficiou a Secretaria do Meio Ambiente e a Polícia Militar e recebeu informações que os organizadores da referida festa, articulada pelas redes sociais, não protocolaram qualquer pedido de policiamento ostensivo e previsto em lei para realização do evento. Ou seja, o Bloco não tem alvará para realização.
Desta forma, em caráter emergencial, o MP recomendou a não realização da festa, já que não há previsão de emprego, seja em caráter ordinário ou extraordinário, de efetivo policial, bem como para evitar problemas relacionados ao trânsito e de segurança pública, evidenciados nas edições anteriores dessa modalidade de festa, inclusive com histórico de confronto entre participantes e policiais.