Centro de Arte e Cultura J. Inácio fecha para reforma a partir desta segunda-feira

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 18/12/2018 às 04:34:00

 

Desde ontem (17), o Centro de Arte e Cultura J. Inácio será temporariamente fechado para ampla reforma. De acordo com a Secretaria de Estado da Inclusão Social (Seidh), responsável pelo espaço, a obra está sendo realizada preventivamente, para corrigir - entre outras coisas - pontos de corrosão na estrutura metálica, que devido à localização na Orla de Atalaia, sofre com a ação severa da maresia.
Segundo a secretária Mitzy Matos, a Seidh tem estado atenta aos desgastes estruturais do Centro, com acompanhamento da Defesa Civil. "Solicitamos vistorias, que apontam para a necessidade de reforma no prédio. Ao longo do ano, enquanto se viabilizava o processo licitatório de contratação da empresa para iniciar a obra, fizemos uma série de reparos paliativos para que a casa seguisse funcionando em segurança. Mas diante da conclusão da licitação e da real necessidade, é chegada a hora de iniciar a reforma de maneira mais ampla, para evitar riscos a quem expõe ou transita no local", disse a gestora.
O relatório técnico produzido pelo Departamento Estadual de Proteção e Defesa Civil aponta a existência de processo de oxidação, corrosão e perda de seção nos elementos da cobertura metálica, pontos de infiltração e desplacamento da pintura nas salas de exposição; recomendando reforma geral para sanar as ocorrências e garantir a estabilidade estrutural do prédio. A obra tem previsão de 120 dias, sob supervisão da Companhia Estadual de Habitação e Obras Públicas (Cehop).

Desde ontem (17), o Centro de Arte e Cultura J. Inácio será temporariamente fechado para ampla reforma. De acordo com a Secretaria de Estado da Inclusão Social (Seidh), responsável pelo espaço, a obra está sendo realizada preventivamente, para corrigir - entre outras coisas - pontos de corrosão na estrutura metálica, que devido à localização na Orla de Atalaia, sofre com a ação severa da maresia.
Segundo a secretária Mitzy Matos, a Seidh tem estado atenta aos desgastes estruturais do Centro, com acompanhamento da Defesa Civil. "Solicitamos vistorias, que apontam para a necessidade de reforma no prédio. Ao longo do ano, enquanto se viabilizava o processo licitatório de contratação da empresa para iniciar a obra, fizemos uma série de reparos paliativos para que a casa seguisse funcionando em segurança. Mas diante da conclusão da licitação e da real necessidade, é chegada a hora de iniciar a reforma de maneira mais ampla, para evitar riscos a quem expõe ou transita no local", disse a gestora.
O relatório técnico produzido pelo Departamento Estadual de Proteção e Defesa Civil aponta a existência de processo de oxidação, corrosão e perda de seção nos elementos da cobertura metálica, pontos de infiltração e desplacamento da pintura nas salas de exposição; recomendando reforma geral para sanar as ocorrências e garantir a estabilidade estrutural do prédio. A obra tem previsão de 120 dias, sob supervisão da Companhia Estadual de Habitação e Obras Públicas (Cehop).