Foragido que liderava facção na Bahia é morto na Barra

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 18/12/2018 às 04:53:00

 

Gabriel Damásio
Alã Santana da Silva, o 
'Alanzinho', 28 anos, 
foragido da justiça da Bahia e apontado como um dos líderes do tráfico de drogas na capital Salvador, morreu na manhã deste domingo, após um cerco feito por agentes do Complexo de Operações Policiais Especiais (Cope), da Polícia Civil sergipana, com o apoio do Núcleo de Inteligência da Polícia Federal. Eles localizaram o acusado em uma residência na Barra dos Coqueiros (Grande Aracaju), onde, de acordo com investigações da polícia baiana, ele residia há alguns meses e comandava à distância as atividades de uma facção criminosa que atua na periferia da capital baiana. 
Os policiais sergipanos e baianos fizeram uma operação para cumprir um mandado de prisão contra 'Alanzinho' e cercaram a residência. Durante o cumprimento do mandado, o suspeito atirou contra a equipe policial. De imediato, os policiais reagiram e balearam o foragido, que foi encaminhado ao Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), mas não resistiu aos ferimentos. Além da arma utilizada por Alã, a polícia encontrou drogas na residência e também no veículo utilizado por ele, além de um caderno com anotações de grande quantidade de drogas e dinheiro. Na busca, os policiais ainda acharam uma documentação falsa que Alan usava em Sergipe, com o nome de Yan David.
De acordo com a polícia, a facção criminosa da qual Alan fazia parte é responsável por diversos homicídios, roubos e tráfico de drogas. Ele possuía dois mandados de prisão e era alvo de inquéritos de unidades especializadas da Polícia Civil baiana e também da Polícia Federal. 'Alanzinho', como era conhecido, agia em uma região conhecida como 'Mata Escura', uma das mais pobres e populosas de Salvador. Há um ano, ônibus deixaram de circular na região e comerciantes não abriram seus estabelecimentos por conta de ameaças feitas por traficantes ligados a Alan, pouco depois de uma intervenção feita pela polícia na região. 
Em outubro de 2017, a polícia baiana entrou em confronto com Djavan de Jesus, o "Djá", em São Gonçalo do Retiro, onde Alan e Djavan também comandavam o tráfico. De acordo com a polícia, Djavan era o gerente do tráfico do Bairro de São Gonçalo do Retiro e braço direito de Alanzinho, apontado como um dos distribuidores de drogas da capital baiana. Atualmente, três facções criminosas disputam o controle do crime organizado em Salvador e região metropolitana, o que tem sido causa para vários assassinatos. 

Alã Santana da Silva, o  'Alanzinho', 28 anos,  foragido da justiça da Bahia e apontado como um dos líderes do tráfico de drogas na capital Salvador, morreu na manhã deste domingo, após um cerco feito por agentes do Complexo de Operações Policiais Especiais (Cope), da Polícia Civil sergipana, com o apoio do Núcleo de Inteligência da Polícia Federal. Eles localizaram o acusado em uma residência na Barra dos Coqueiros (Grande Aracaju), onde, de acordo com investigações da polícia baiana, ele residia há alguns meses e comandava à distância as atividades de uma facção criminosa que atua na periferia da capital baiana. 
Os policiais sergipanos e baianos fizeram uma operação para cumprir um mandado de prisão contra 'Alanzinho' e cercaram a residência. Durante o cumprimento do mandado, o suspeito atirou contra a equipe policial. De imediato, os policiais reagiram e balearam o foragido, que foi encaminhado ao Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), mas não resistiu aos ferimentos. Além da arma utilizada por Alã, a polícia encontrou drogas na residência e também no veículo utilizado por ele, além de um caderno com anotações de grande quantidade de drogas e dinheiro. Na busca, os policiais ainda acharam uma documentação falsa que Alan usava em Sergipe, com o nome de Yan David.
De acordo com a polícia, a facção criminosa da qual Alan fazia parte é responsável por diversos homicídios, roubos e tráfico de drogas. Ele possuía dois mandados de prisão e era alvo de inquéritos de unidades especializadas da Polícia Civil baiana e também da Polícia Federal. 'Alanzinho', como era conhecido, agia em uma região conhecida como 'Mata Escura', uma das mais pobres e populosas de Salvador. Há um ano, ônibus deixaram de circular na região e comerciantes não abriram seus estabelecimentos por conta de ameaças feitas por traficantes ligados a Alan, pouco depois de uma intervenção feita pela polícia na região. 
Em outubro de 2017, a polícia baiana entrou em confronto com Djavan de Jesus, o "Djá", em São Gonçalo do Retiro, onde Alan e Djavan também comandavam o tráfico. De acordo com a polícia, Djavan era o gerente do tráfico do Bairro de São Gonçalo do Retiro e braço direito de Alanzinho, apontado como um dos distribuidores de drogas da capital baiana. Atualmente, três facções criminosas disputam o controle do crime organizado em Salvador e região metropolitana, o que tem sido causa para vários assassinatos.