Assessora ligada a Valdevan 90 é presa ao depor

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 19/12/2018 às 08:43:00

 

Gabriel Damásio 
Mais uma pessoa foi 
presa por envolvi-
mento com as supostas fraudes detectadas nas contas de campanha do deputado federal José Valdevan de Jesus Santos, o 'Valdevan 90' (PSC), que está desde o último dia 7 na Cadeia Pública de Estância (Sul). Ontem à tarde, a Polícia Federal cumpriu uma ordem de prisão preventiva expedida contra a radialista Karina dos Santos Liberal, assessora ligada a Valdevan e que trabalhou na coordenação de campanha do deputado. Ela foi detida enquanto prestava depoimento na sede do órgão, no bairro Siqueira Campos (zona oeste de Aracaju). 
A prisão de Karina foi autorizada pela juíza Soraia Gonçalves de Melo, da 2ª Zona Eleitoral, que também ordenou a prisão preventiva de 'Valdevan 90' e de outro assessor dele, o ex-candidato a vereador Evilásio Ribeiro da Cruz. A magistrada entendeu que a liberdade da radialista oferece riscos à condução do processo de investigação contra o candidato, através de conversas, orientações e contatos com testemunhas convocadas para depor ao Ministério Público Eleitoral - dentre as quais estão moradores de bairros pobres das cidades de Estância e de Arauá, que cederam dados pessoais e bancários para que um assessor de Valdevan fizessem 86 depósitos sequenciados de R$ 1.050. 
Karina já era procurada para prestar depoimento à PF na época em que Valdevan foi preso, e chegou a ser convocada pelo delegado Antônio Carvalho, responsável pelo caso, mas não era encontrada. A PF não deu mais informações sobre os procedimentos adotados após o cumprimento do mandado de prisão, mas a expectativa na tarde de ontem era de que ela fosse enviada a uma delegacia ou ao Presídio Feminino de Nossa Senhora do Socorro (Grande Aracaju). Além da radialista, um segundo assessor de 'Valdevan 90' também teve a prisão decretada pela Justiça, por obstrução de investigações, e estava sendo procurado até o fechamento desta edição. 
Ela também aparece entre os sete réus denunciados ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE), no processo que pode declará-los inelegíveis por poito anos. Para o MPF, ela é "responsável por conseguir CPFs de pessoas visando utilizá-los como 'doadores', além de aparecer como testemunha em diversos documentos apresentados na prestação de contas, e de ter sido contratada como coordenadora do Comitê de campanha". Levantamentos da PF e do MPF apontaram que boa parte desses doadores é pessoas de baixa renda, que não têm condições de fazer uma doação bancária deste porte.  
Os advogados de defesa de Valdevan 90 e dos assessores presos negam as acusações e já entraram com pedidos de habeas-corpus para tentar revogar as prisões preventivas ou convertê-las em medidas cautelares. 

Mais uma pessoa foi  presa por envolvi- mento com as supostas fraudes detectadas nas contas de campanha do deputado federal José Valdevan de Jesus Santos, o 'Valdevan 90' (PSC), que está desde o último dia 7 na Cadeia Pública de Estância (Sul). Ontem à tarde, a Polícia Federal cumpriu uma ordem de prisão preventiva expedida contra a radialista Karina dos Santos Liberal, assessora ligada a Valdevan e que trabalhou na coordenação de campanha do deputado. Ela foi detida enquanto prestava depoimento na sede do órgão, no bairro Siqueira Campos (zona oeste de Aracaju). 
A prisão de Karina foi autorizada pela juíza Soraia Gonçalves de Melo, da 2ª Zona Eleitoral, que também ordenou a prisão preventiva de 'Valdevan 90' e de outro assessor dele, o ex-candidato a vereador Evilásio Ribeiro da Cruz. A magistrada entendeu que a liberdade da radialista oferece riscos à condução do processo de investigação contra o candidato, através de conversas, orientações e contatos com testemunhas convocadas para depor ao Ministério Público Eleitoral - dentre as quais estão moradores de bairros pobres das cidades de Estância e de Arauá, que cederam dados pessoais e bancários para que um assessor de Valdevan fizessem 86 depósitos sequenciados de R$ 1.050. 
Karina já era procurada para prestar depoimento à PF na época em que Valdevan foi preso, e chegou a ser convocada pelo delegado Antônio Carvalho, responsável pelo caso, mas não era encontrada. A PF não deu mais informações sobre os procedimentos adotados após o cumprimento do mandado de prisão, mas a expectativa na tarde de ontem era de que ela fosse enviada a uma delegacia ou ao Presídio Feminino de Nossa Senhora do Socorro (Grande Aracaju). Além da radialista, um segundo assessor de 'Valdevan 90' também teve a prisão decretada pela Justiça, por obstrução de investigações, e estava sendo procurado até o fechamento desta edição. 
Ela também aparece entre os sete réus denunciados ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE), no processo que pode declará-los inelegíveis por poito anos. Para o MPF, ela é "responsável por conseguir CPFs de pessoas visando utilizá-los como 'doadores', além de aparecer como testemunha em diversos documentos apresentados na prestação de contas, e de ter sido contratada como coordenadora do Comitê de campanha". Levantamentos da PF e do MPF apontaram que boa parte desses doadores é pessoas de baixa renda, que não têm condições de fazer uma doação bancária deste porte.  
Os advogados de defesa de Valdevan 90 e dos assessores presos negam as acusações e já entraram com pedidos de habeas-corpus para tentar revogar as prisões preventivas ou convertê-las em medidas cautelares.