Ocupe a Praça especial de Natal em ritmo de cordel marcou a última edição do ano

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Apresentação no Centro Cultural de Aracaju
Apresentação no Centro Cultural de Aracaju

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 21/12/2018 às 04:46:00

 

Sanfona, flauta mágica, 
violão, baixo, percus-
são, repentistas, acompanhados pela Rural do Forró de Bob Lelis. Tudo isso e muito mais aconteceu na noite desta quarta-feira, 19, no Centro Cultural de Aracaju. O evento foi a última edição do Ocupe a Praça 2018, uma realização do Núcleo de Produção Digital Orlando Vieira (NPD), unidade da Fundação Cultural Cidade de Aracaju (Funcaju). 
Das janelas do Centro Cultural de Aracaju foram apresentadas as canções natalinas do "Ocupe a Praça Sanfonado: um cordel de Natal", dando início a programação. Logo após, houve a exibição do documentário sergipano "Sertões entre os espinhos e flores", da jornalista Camila Gabrielle, em seguida, a apresentação da peça "Senhora dos Restos", com Isabel Santos. O quadro Liquidifica Diálogos foi dedicado a "Construção de Personagens". 
O presidente da Funcaju, Cássio Murilo marcou presença e ressaltou a magnitude da importância do projeto. "O Ocupe a Praça já virou uma referência para Sergipe, quiçá para o Brasil, baseado em políticas públicas que, em primeiro lugar, nos colocam em contato direto com temáticas da contemporaneidade, em segundo lugar, utiliza as mais diversas linguagens do audiovisual (carro chefe do diálogo)  com os mais variados temas", pontuou. 
Segundo Cássio, este ano foram realizadas 17 edições do Ocupe a Praça e o último foi preparada uma programação natalina com o jeito sergipano. "Este acontecimento hoje, com a força do audiovisual, do teatro, da música, nos propõe uma leitura do Natal com o nosso jeito, o nosso sotaque, nos leva do iluminado ao sanfonado e isso é muito especial, pois significa que estamos pensando sentindo e vivendo a arte", destacou o presidente. 
Cacilda de Jesus, atriz, produtora e professora acompanhou toda a encenação e relatou, de modo geral, sua opinião acerca do evento. "E uma ideia fantástica, porque é um espaço onde o público tem a oportunidade de conhecer e valorizar a cultura sergipana, além de discutir e conhecer esse espaço maravilhoso que é o Centro Cultural de Aracaju". 
A sergipana Camila Gabrielle, participante do 'Liquidifica Diálogos: Construção de Personagens', juntamente com o dramaturgo e roteirista Euler Lopes, falou a respeito da produção do seu atual trabalho gravado na cidade de Itabi e agradeceu a oportunidade do espaço para divulgar e difundir o seu trabalho. "Queríamos mostrar a alegria do povo sertanejo e a sua força, como também criticar a ausência de políticas públicas mais eficazes na região. Nada melhor como o NPD, um espaço público para realizar este debate e buscar por políticas públicas. 
Os cordelistas Izabel Nascimento e Chiquinho do Além Mar, os músicos Claiton Xavier (percussão), Daniel Jesus (flauta), Denisson Cléber (Baixo), e o sanfoneiro Lucas Campelo concluíram o evento com muita emoção. E foi nessa alegria, em ritmo de Natal dançante, que transformou a Praça General Valadão num grande salão cultural. 

Sanfona, flauta mágica,  violão, baixo, percus- são, repentistas, acompanhados pela Rural do Forró de Bob Lelis. Tudo isso e muito mais aconteceu na noite desta quarta-feira, 19, no Centro Cultural de Aracaju. O evento foi a última edição do Ocupe a Praça 2018, uma realização do Núcleo de Produção Digital Orlando Vieira (NPD), unidade da Fundação Cultural Cidade de Aracaju (Funcaju). 
Das janelas do Centro Cultural de Aracaju foram apresentadas as canções natalinas do "Ocupe a Praça Sanfonado: um cordel de Natal", dando início a programação. Logo após, houve a exibição do documentário sergipano "Sertões entre os espinhos e flores", da jornalista Camila Gabrielle, em seguida, a apresentação da peça "Senhora dos Restos", com Isabel Santos. O quadro Liquidifica Diálogos foi dedicado a "Construção de Personagens". 
O presidente da Funcaju, Cássio Murilo marcou presença e ressaltou a magnitude da importância do projeto. "O Ocupe a Praça já virou uma referência para Sergipe, quiçá para o Brasil, baseado em políticas públicas que, em primeiro lugar, nos colocam em contato direto com temáticas da contemporaneidade, em segundo lugar, utiliza as mais diversas linguagens do audiovisual (carro chefe do diálogo)  com os mais variados temas", pontuou. 
Segundo Cássio, este ano foram realizadas 17 edições do Ocupe a Praça e o último foi preparada uma programação natalina com o jeito sergipano. "Este acontecimento hoje, com a força do audiovisual, do teatro, da música, nos propõe uma leitura do Natal com o nosso jeito, o nosso sotaque, nos leva do iluminado ao sanfonado e isso é muito especial, pois significa que estamos pensando sentindo e vivendo a arte", destacou o presidente. 
Cacilda de Jesus, atriz, produtora e professora acompanhou toda a encenação e relatou, de modo geral, sua opinião acerca do evento. "E uma ideia fantástica, porque é um espaço onde o público tem a oportunidade de conhecer e valorizar a cultura sergipana, além de discutir e conhecer esse espaço maravilhoso que é o Centro Cultural de Aracaju". 
A sergipana Camila Gabrielle, participante do 'Liquidifica Diálogos: Construção de Personagens', juntamente com o dramaturgo e roteirista Euler Lopes, falou a respeito da produção do seu atual trabalho gravado na cidade de Itabi e agradeceu a oportunidade do espaço para divulgar e difundir o seu trabalho. "Queríamos mostrar a alegria do povo sertanejo e a sua força, como também criticar a ausência de políticas públicas mais eficazes na região. Nada melhor como o NPD, um espaço público para realizar este debate e buscar por políticas públicas. 
Os cordelistas Izabel Nascimento e Chiquinho do Além Mar, os músicos Claiton Xavier (percussão), Daniel Jesus (flauta), Denisson Cléber (Baixo), e o sanfoneiro Lucas Campelo concluíram o evento com muita emoção. E foi nessa alegria, em ritmo de Natal dançante, que transformou a Praça General Valadão num grande salão cultural.