Um pequeno bilhete no Natal

Opinião

 

* Dom Edvaldo Gonçalves Amaral, SDB
(publicação de Raymundinho Mello)
Redijo hoje o artigo de Dom Edvaldo, a seu 
pedido, aproveitando o ensejo para des-
pedirmo-nos (ele e eu) dos caros leitores neste ano que já se finda, desejando a todos, votos de "Feliz Natal!".
Sim, "Feliz Natal!". E que o prezado amigo que nos lê não ache estranho...
Hoje, logo cedo, ao sair de casa para a Missa das 7, encontro um amigo - que já não via há dias - e lhe desejo "Feliz Natal!". De pronto, ele me indagou: "Oxente, homem, Natal já passou, foi anteontem (referindo-se aos festejos da noite de Natal). De hoje em diante já é Feliz Ano Novo!". E deu-me um caloroso abraço, "regado" a uma boa gargalhada.
Sorri e lhe expliquei que "o Natal não é a festa de um dia, é a festa de um tempo, um tempo litúrgico, e que não devemos pensá-lo simplesmente como a festa do nascimento do Menino Jesus, mas como o tempo da manifestação de Jesus, a vinda do Filho eterno do Pai, na nossa natureza humana", como nos ensina o caríssimo 'Dom Henrique Soares da Costa', Bispo de Palmares-PE, que foi Bispo Auxiliar aqui na nossa Arquidiocese de Aracaju entre 2009 e 2014.
Diz-nos Dom Henrique: "Deus nos visitou. O eterno entrou no tempo. O infinito fez-se finito. Aquele que é o glorioso, que está na glória, entrou na história" - referindo-se ao grande mistério celebrado no Tempo do Natal. E continua: "O Filho se fez homem, o Filho se fez mundo, para encher do Divino o homem e o mundo. Desceu para nos elevar".
Por isso, antigamente, quando tínhamos o agradável costume de enviar e receber, pelos Correios, cartões com mensagens natalinas - fiz muito isso! -, dizia-se "Boas festas!", numa referência às 'cinco festas' que compõem o Tempo do Natal, a saber: a Natividade de Jesus (25 de dezembro), a festa da Sagrada Família de Nazaré (no domingo dentro da oitava do Natal), a solenidade de Santa Maria, Mãe de Deus (8 dias depois do Natal - 1.º de janeiro), a Epifania (manifestação) do Senhor (no domingo entre 2 e 8 de janeiro) e o Batismo do Senhor (no domingo seguinte à Epifania).
Recomendo aos amigos que nos leem, assistir o ótimo vídeo sobre o tema, muitíssimo ilustrado, que pode ser encontrado no "YouTube", procurando-se como "As Festas do Tempo do Natal / Dom Henrique Soares". Quem não conseguir encontrar, basta solicitar-me através do e-mail abaixo. Terei imensa alegria em disponibilizar.
Então, plenamente conscientes de ainda estarmos 'vivendo' este tempo tão rico em espiritualidade, cujos símbolos nos acalentam desde a infância, "fechemos" o nosso "encontro" de hoje com uma reflexão sobre o Natal. Busquei inspiração nas memórias de São João Bosco, o Santo fundador dos Salesianos, sobre quem tantas vezes aqui nos referimos, Dom Edvaldo e eu, ao longo do ano.
Dom Bosco, como carinhosamente o costumamos chamar, tinha o salutar costume de escrever mensagens para nutrir a espiritualidade dos meninos do Oratório de Valdocco - na forma de pequenos "bilhetes" -, que lhes eram apresentadas após a oração da noite, pouco antes do recolhimento para o repouso.
Estes momentos eram chamados "Boa noite". Com o tempo, foram introduzidos os "Bom dia" e os "Boa tarde", conforme a hora em que aconteciam, originando, mais adiante, a tradicional acolhida salesiana.
Contam-nos as suas Memórias Biográficas - no volume X, 954 - que, às vésperas de uma noite de Natal, em 1872, ele escreveu um desses "bilhetinhos" aos meninos, que transcrevo (em tradução livre) para a nossa reflexão neste Tempo do Natal de 2018.
Ensina-nos Dom Bosco:
"Nestas festas estamos alegres em boa hora; saltem, riam, porém pensem também no grande mistério que se está realizando: 'Um Deus que se faz homem! … É seguro, não tenham dúvidas, de que nossa alma deve ser algo muito grande para que os céus e a terra se comovam, e um Deus inteiro venha a fazer-se menino precisamente por mim', deve dizer cada um de nós. Não nos pese, pois, fazer alguma pequena penitência por Ele...
A solenidade de Natal deve inundar nossos afetos e entusiasmar-nos nos bons propósitos, como os seguintes:
1.  Amor ao Menino Jesus, cumprindo com sua santa lei;
2. Suportar os defeitos dos outros, por amor ao Menino Jesus;
3. Esperança na infinita misericórdia de Deus e firme propósito de fugir do pecado".
Que possamos viver neste Tempo do Natal estes belos conselhos espirituais de São João Bosco. E que o nosso "Feliz Natal!" possa estender-se, verdadeiramente, por todos os dias do ano chega.
* * *
E.T. - 1 - Sábado próximo, 29 de dezembro, meu pai, o 'Memorialista Raymundo Mello', se fisicamente vivo estivesse, estaria completando 85 anos. Façamos uma oração, rendendo graças a Deus por sua tão bela existência. As homenagens à sua memória - e às suas "memórias" - acontecerão no início do próximo ano, com o lançamento do nosso livro "Confidências e reminiscências", já no prelo;
2 - Com este texto, completa-se mais um ciclo de nossas publicações aqui no 'Jornal do Dia', às terças e quintas-feiras, regularmente, pela bondade de sua direção e sua editoria geral, que nos acolhem com notável gentileza, e pela honra que nos concedem os amigos leitores com sua prestigiosa assiduidade à leitura dos nossos artigos. A todos, nosso profundo agradecimento, e os mais sinceros votos de um Ano Novo de muita Paz. Até breve!
* Dom Edvaldo Gonçalves Amaral, SDB é Arcebispo Emérito de Maceió (foi Bispo Auxiliar de Aracaju - 1975 a 1980)
dedvaldo@salesianorecife.org.br;
Raymundinho Mello é Fiel Cristão Leigo Consagrado
raymundinhomello@gmail.com

* Dom Edvaldo Gonçalves Amaral, SDB

(publicação de Raymundinho Mello)

Redijo hoje o artigo de Dom Edvaldo, a seu  pedido, aproveitando o ensejo para des- pedirmo-nos (ele e eu) dos caros leitores neste ano que já se finda, desejando a todos, votos de "Feliz Natal!".
Sim, "Feliz Natal!". E que o prezado amigo que nos lê não ache estranho...
Hoje, logo cedo, ao sair de casa para a Missa das 7, encontro um amigo - que já não via há dias - e lhe desejo "Feliz Natal!". De pronto, ele me indagou: "Oxente, homem, Natal já passou, foi anteontem (referindo-se aos festejos da noite de Natal). De hoje em diante já é Feliz Ano Novo!". E deu-me um caloroso abraço, "regado" a uma boa gargalhada.
Sorri e lhe expliquei que "o Natal não é a festa de um dia, é a festa de um tempo, um tempo litúrgico, e que não devemos pensá-lo simplesmente como a festa do nascimento do Menino Jesus, mas como o tempo da manifestação de Jesus, a vinda do Filho eterno do Pai, na nossa natureza humana", como nos ensina o caríssimo 'Dom Henrique Soares da Costa', Bispo de Palmares-PE, que foi Bispo Auxiliar aqui na nossa Arquidiocese de Aracaju entre 2009 e 2014.
Diz-nos Dom Henrique: "Deus nos visitou. O eterno entrou no tempo. O infinito fez-se finito. Aquele que é o glorioso, que está na glória, entrou na história" - referindo-se ao grande mistério celebrado no Tempo do Natal. E continua: "O Filho se fez homem, o Filho se fez mundo, para encher do Divino o homem e o mundo. Desceu para nos elevar".
Por isso, antigamente, quando tínhamos o agradável costume de enviar e receber, pelos Correios, cartões com mensagens natalinas - fiz muito isso! -, dizia-se "Boas festas!", numa referência às 'cinco festas' que compõem o Tempo do Natal, a saber: a Natividade de Jesus (25 de dezembro), a festa da Sagrada Família de Nazaré (no domingo dentro da oitava do Natal), a solenidade de Santa Maria, Mãe de Deus (8 dias depois do Natal - 1.º de janeiro), a Epifania (manifestação) do Senhor (no domingo entre 2 e 8 de janeiro) e o Batismo do Senhor (no domingo seguinte à Epifania).
Recomendo aos amigos que nos leem, assistir o ótimo vídeo sobre o tema, muitíssimo ilustrado, que pode ser encontrado no "YouTube", procurando-se como "As Festas do Tempo do Natal / Dom Henrique Soares". Quem não conseguir encontrar, basta solicitar-me através do e-mail abaixo. Terei imensa alegria em disponibilizar.
Então, plenamente conscientes de ainda estarmos 'vivendo' este tempo tão rico em espiritualidade, cujos símbolos nos acalentam desde a infância, "fechemos" o nosso "encontro" de hoje com uma reflexão sobre o Natal. Busquei inspiração nas memórias de São João Bosco, o Santo fundador dos Salesianos, sobre quem tantas vezes aqui nos referimos, Dom Edvaldo e eu, ao longo do ano.
Dom Bosco, como carinhosamente o costumamos chamar, tinha o salutar costume de escrever mensagens para nutrir a espiritualidade dos meninos do Oratório de Valdocco - na forma de pequenos "bilhetes" -, que lhes eram apresentadas após a oração da noite, pouco antes do recolhimento para o repouso.
Estes momentos eram chamados "Boa noite". Com o tempo, foram introduzidos os "Bom dia" e os "Boa tarde", conforme a hora em que aconteciam, originando, mais adiante, a tradicional acolhida salesiana.
Contam-nos as suas Memórias Biográficas - no volume X, 954 - que, às vésperas de uma noite de Natal, em 1872, ele escreveu um desses "bilhetinhos" aos meninos, que transcrevo (em tradução livre) para a nossa reflexão neste Tempo do Natal de 2018.
Ensina-nos Dom Bosco:
"Nestas festas estamos alegres em boa hora; saltem, riam, porém pensem também no grande mistério que se está realizando: 'Um Deus que se faz homem! … É seguro, não tenham dúvidas, de que nossa alma deve ser algo muito grande para que os céus e a terra se comovam, e um Deus inteiro venha a fazer-se menino precisamente por mim', deve dizer cada um de nós. Não nos pese, pois, fazer alguma pequena penitência por Ele...
A solenidade de Natal deve inundar nossos afetos e entusiasmar-nos nos bons propósitos, como os seguintes:
1.  Amor ao Menino Jesus, cumprindo com sua santa lei;
2. Suportar os defeitos dos outros, por amor ao Menino Jesus;
3. Esperança na infinita misericórdia de Deus e firme propósito de fugir do pecado".
Que possamos viver neste Tempo do Natal estes belos conselhos espirituais de São João Bosco. E que o nosso "Feliz Natal!" possa estender-se, verdadeiramente, por todos os dias do ano chega.

* * *

E.T. - 1 - Sábado próximo, 29 de dezembro, meu pai, o 'Memorialista Raymundo Mello', se fisicamente vivo estivesse, estaria completando 85 anos. Façamos uma oração, rendendo graças a Deus por sua tão bela existência. As homenagens à sua memória - e às suas "memórias" - acontecerão no início do próximo ano, com o lançamento do nosso livro "Confidências e reminiscências", já no prelo;
2 - Com este texto, completa-se mais um ciclo de nossas publicações aqui no 'Jornal do Dia', às terças e quintas-feiras, regularmente, pela bondade de sua direção e sua editoria geral, que nos acolhem com notável gentileza, e pela honra que nos concedem os amigos leitores com sua prestigiosa assiduidade à leitura dos nossos artigos. A todos, nosso profundo agradecimento, e os mais sinceros votos de um Ano Novo de muita Paz. Até breve!

* Dom Edvaldo Gonçalves Amaral, SDB é Arcebispo Emérito de Maceió (foi Bispo Auxiliar de Aracaju - 1975 a 1980)dedvaldo@salesianorecife.org.br;Raymundinho Mello é Fiel Cristão Leigo Consagradoraymundinhomello@gmail.com

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS