Em Aracaju, ministro libera recursos e critica 'Escola Sem Partido'

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 28/12/2018 às 07:09:00

 

O ministro da Educação, 
Rossieli Soares da Sil-
va, esteve em Aracaju ontem à tarde e cumpriu uma agenda de solenidades com prefeitos e autoridades políticas de todo o estado. Ele desembarcou às 15h30 no Aeroporto Santa Maria, em um avião da Força Aérea Brasileira, e seguiu para três visitas e solenidades. Uma delas foi no Hospital Universitário (HU), no Santo Antônio (zona norte), onde visitou as obras do Hospital Materno Infantil, assinou convênios e liberou recursos federais para 19 municípios sergipanos. Ao todo, serão R$ 6,3 milhões destinados imediatamente para aquisição de ônibus escolares, construção de creches, reformas e compra de carteiras escolares. Outros 
Em coletiva, o ministro explicou estes recursos já foram liberados para as contas dos municípios e outros R$ 20 milhões já foram empenhados para o financiamento das obras durante o governo Jair Bolsonaro. "O que estamos tratando já fica empenhado. É uma transação natural que acontece todo o final de ano. A gente vai organizando as finanças e, com os espaços orçamentários que temos no fim do ano, a gente vai priorizando as obras para o brasil, e especialmente para a educação básica, com novas creches e escolas para Aracaju e alguns municípios de Sergipe", disse Rossieli, que também anunciou a liberação de recursos para a conclusão de obras do HU e para a implantação de um curso federal de Medicina em Estância (Sul).
O ministro veio acompanhado do deputado federal André Moura (PSC-SE), líder do governo Michel Temer no Congresso, e disse que sua visita a Sergipe foi em "reconhecimento" ao papel exercido por ele na aprovação de um aumento de recursos alocados para o Ministério da Educação (MEC) no Orçamento da União de 2019. Segundo ele, a aprovação no Congresso permitiu a inclusão de mais de R$ 1 bilhão no orçamento discricionário da pasta e de outros R$ 300 milhões no financiamento de pesquisas e de universidades públicas. "Tivemos uma série de projetos aprovados para o bem do Brasil, que beneficiam a educação brasileira. Agora, com a aprovação da LOA [Lei Orçamentária], conseguimos ter uma folga no orçamento e mais recursos aprovados para universidades. Estamos torcendo para que o próximo governo tenha sucesso e prossiga com as agendas de melhorias na educação", afirmou. 
Sobre a transição de governo, Rossieli Soares avaliou como "boas" as conversas que vem tendo com a equipe do filósofo Ricardo Vélez Rodríguez, indicado por Bolsonaro para assumir o MEC. Ele diz que boa parte dos projetos desenvolvidos atualmente devem ser mantidos, a exemplo do incentivo à educação básica, dos projetos de alfabetização e da renovação da Base Nacional Curricular, aprovada neste ano. O atual ministro informou que dezenas de reuniões foram travadas para discutir todos os temas. "A base nacional foi tratada em todo o Brasil, inclusive com a participação deste governo que está entrando, e não vemos nenhum problema de continuidade da base. Agora, precisamos tratar da implementação, da formação de professores e da formação da base curricular do ensino médio", avaliou.
O atual ministro da Educação também fez críticas ao projeto "Escola Sem Partido", defendido por movimentos conservadores para combater uma suposta "doutrinação ideológica" de alunos em salas de aula. A proposta foi arquivada no começo do mês em uma comissão da Câmara dos Deputados. "Cabe ao próximo governo falar desse tema. Eu já tenho dito que o Brasil não precisa de uma lei pra tratar deste tema. O Brasil precisa muito ter foco na aprendizagem. Não dá mais pra aceitar que as crianças não sejam alfabetizadas, que milhões de jovens saiam da escola. A gente fica perdendo tempo discutindo outras coisas e não discute o essencial: que a criança e o jovem precisam aprender dentro da escola", criticou ele. 
Entre as creches que estão sendo construídas com recursos federais está a Creche Municipal Ana Cristina Aragão Neves, no Conjunto Marcos Freire II, em Socorro, inaugurada com a presença do ministro. A unidade irá beneficiar cerca de 100 crianças residentes na região. Antes de seguir para Brasília, Rossieli Soares esteve na Prefeitura de Aracaju, assinou convênios para construção de creches e participou da solenidade de posse dos gestores escolares da rede municipal de ensino, no Clube do Banese, na Coroa do Meio (zona sul).

O ministro da Educação,  Rossieli Soares da Sil- va, esteve em Aracaju ontem à tarde e cumpriu uma agenda de solenidades com prefeitos e autoridades políticas de todo o estado. Ele desembarcou às 15h30 no Aeroporto Santa Maria, em um avião da Força Aérea Brasileira, e seguiu para três visitas e solenidades. Uma delas foi no Hospital Universitário (HU), no Santo Antônio (zona norte), onde visitou as obras do Hospital Materno Infantil, assinou convênios e liberou recursos federais para 19 municípios sergipanos. Ao todo, serão R$ 6,3 milhões destinados imediatamente para aquisição de ônibus escolares, construção de creches, reformas e compra de carteiras escolares. Outros 
Em coletiva, o ministro explicou estes recursos já foram liberados para as contas dos municípios e outros R$ 20 milhões já foram empenhados para o financiamento das obras durante o governo Jair Bolsonaro. "O que estamos tratando já fica empenhado. É uma transação natural que acontece todo o final de ano. A gente vai organizando as finanças e, com os espaços orçamentários que temos no fim do ano, a gente vai priorizando as obras para o brasil, e especialmente para a educação básica, com novas creches e escolas para Aracaju e alguns municípios de Sergipe", disse Rossieli, que também anunciou a liberação de recursos para a conclusão de obras do HU e para a implantação de um curso federal de Medicina em Estância (Sul).
O ministro veio acompanhado do deputado federal André Moura (PSC-SE), líder do governo Michel Temer no Congresso, e disse que sua visita a Sergipe foi em "reconhecimento" ao papel exercido por ele na aprovação de um aumento de recursos alocados para o Ministério da Educação (MEC) no Orçamento da União de 2019. Segundo ele, a aprovação no Congresso permitiu a inclusão de mais de R$ 1 bilhão no orçamento discricionário da pasta e de outros R$ 300 milhões no financiamento de pesquisas e de universidades públicas. "Tivemos uma série de projetos aprovados para o bem do Brasil, que beneficiam a educação brasileira. Agora, com a aprovação da LOA [Lei Orçamentária], conseguimos ter uma folga no orçamento e mais recursos aprovados para universidades. Estamos torcendo para que o próximo governo tenha sucesso e prossiga com as agendas de melhorias na educação", afirmou. 
Sobre a transição de governo, Rossieli Soares avaliou como "boas" as conversas que vem tendo com a equipe do filósofo Ricardo Vélez Rodríguez, indicado por Bolsonaro para assumir o MEC. Ele diz que boa parte dos projetos desenvolvidos atualmente devem ser mantidos, a exemplo do incentivo à educação básica, dos projetos de alfabetização e da renovação da Base Nacional Curricular, aprovada neste ano. O atual ministro informou que dezenas de reuniões foram travadas para discutir todos os temas. "A base nacional foi tratada em todo o Brasil, inclusive com a participação deste governo que está entrando, e não vemos nenhum problema de continuidade da base. Agora, precisamos tratar da implementação, da formação de professores e da formação da base curricular do ensino médio", avaliou.
O atual ministro da Educação também fez críticas ao projeto "Escola Sem Partido", defendido por movimentos conservadores para combater uma suposta "doutrinação ideológica" de alunos em salas de aula. A proposta foi arquivada no começo do mês em uma comissão da Câmara dos Deputados. "Cabe ao próximo governo falar desse tema. Eu já tenho dito que o Brasil não precisa de uma lei pra tratar deste tema. O Brasil precisa muito ter foco na aprendizagem. Não dá mais pra aceitar que as crianças não sejam alfabetizadas, que milhões de jovens saiam da escola. A gente fica perdendo tempo discutindo outras coisas e não discute o essencial: que a criança e o jovem precisam aprender dentro da escola", criticou ele. 
Entre as creches que estão sendo construídas com recursos federais está a Creche Municipal Ana Cristina Aragão Neves, no Conjunto Marcos Freire II, em Socorro, inaugurada com a presença do ministro. A unidade irá beneficiar cerca de 100 crianças residentes na região. Antes de seguir para Brasília, Rossieli Soares esteve na Prefeitura de Aracaju, assinou convênios para construção de creches e participou da solenidade de posse dos gestores escolares da rede municipal de ensino, no Clube do Banese, na Coroa do Meio (zona sul).