O discurso de posse

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 03/01/2019 às 05:34:00

 

*Cristiano Lima
O discurso de posse do Presidente eleito Jair Bolsonaro se confunde com seu discurso da época em que ainda era presidenciável.
Repleto de falas que perturbam a inteligência, seu discurso de posse, traz mais uma vez a tona o desconhecimento que tem sobre o país que vai governar pelos próximos quatro anos.
Já não bastasse o desconhecimento sobre o processo de dessalinização da água, já feito no Brasil, o novo Presidente da República, afirma sem nenhum constrangimento de cometer tamanha gafe que o Brasil não mais será socialista!
Como assim? Éramos socialistas?
Afirmou, também, que vai acabar com o politicamente correto e combater o marxismo nas escolas, que segundo ele, hoje, forma militantes.
Para esclarecimento, como dito antes, nunca fomos socialistas. Sobre a questão de acabar com o politicamente correto, não é uma posição somente do Brasil, mas um comportamento de respeito e principalmente de evolução que por sinal está numa escala que ultrapassa os limites territoriais do Brasil.
Acredito, que sem necessidades de maior aprofundamento nas explicações, se as escolas formassem militantes, com certeza, ele, hoje não estaria fazendo esse discurso e recebendo a faixa de Presidente do Brasil.
O fato é que o discurso foi dirigido aos seus seguidores Falas, palavras, que estes, que se dirigiram até Brasília para acompanhar a cerimônia de posse esperavam ouvir.
Em uma análise rápida não fica difícil de interpretar a possível marginalização de idéias, ideal, e da liberdade de se expressar. Querer formatar pessoas, é impor sua vontade! O que fica distante do que se entende como democracia.
Para terminar e fazendo uso da disciplina História, que por sua vez é tão importante no currículo escolar. Não estamos no pós-guerra, na chamada guerra fria, onde falar em varrer, extinguir, ou não permitir o socialismo, podia ser tão comum na fala do Tio San.
*Cristiano Lima, Educador, graduando em Geografia pela UERJ - CEDERJ e escritor

*Cristiano Lima

O discurso de posse do Presidente eleito Jair Bolsonaro se confunde com seu discurso da época em que ainda era presidenciável.
Repleto de falas que perturbam a inteligência, seu discurso de posse, traz mais uma vez a tona o desconhecimento que tem sobre o país que vai governar pelos próximos quatro anos.
Já não bastasse o desconhecimento sobre o processo de dessalinização da água, já feito no Brasil, o novo Presidente da República, afirma sem nenhum constrangimento de cometer tamanha gafe que o Brasil não mais será socialista!
Como assim? Éramos socialistas?
Afirmou, também, que vai acabar com o politicamente correto e combater o marxismo nas escolas, que segundo ele, hoje, forma militantes.
Para esclarecimento, como dito antes, nunca fomos socialistas. Sobre a questão de acabar com o politicamente correto, não é uma posição somente do Brasil, mas um comportamento de respeito e principalmente de evolução que por sinal está numa escala que ultrapassa os limites territoriais do Brasil.
Acredito, que sem necessidades de maior aprofundamento nas explicações, se as escolas formassem militantes, com certeza, ele, hoje não estaria fazendo esse discurso e recebendo a faixa de Presidente do Brasil.
O fato é que o discurso foi dirigido aos seus seguidores Falas, palavras, que estes, que se dirigiram até Brasília para acompanhar a cerimônia de posse esperavam ouvir.
Em uma análise rápida não fica difícil de interpretar a possível marginalização de idéias, ideal, e da liberdade de se expressar. Querer formatar pessoas, é impor sua vontade! O que fica distante do que se entende como democracia.
Para terminar e fazendo uso da disciplina História, que por sua vez é tão importante no currículo escolar. Não estamos no pós-guerra, na chamada guerra fria, onde falar em varrer, extinguir, ou não permitir o socialismo, podia ser tão comum na fala do Tio San.

*Cristiano Lima, Educador, graduando em Geografia pela UERJ - CEDERJ e escritor