Setor cultural elogia fusão de áreas no Ministério da Cidadania

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 04/01/2019 às 06:16:00

 

Representantes do setor cultural se mostraram animados com a nova estrutura do Ministério da Cidadania, que vai integrar Cultura, Esporte e Desenvolvimento Social, e a indicação de Henrique Medeiros Pires para a Secretaria Especial de Cultura. A classe artística e gestores culturais falaram das expectativas e desafios do setor nesta nova gestão.
A presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Kátia Bogéa, presente na cerimônia de transmissão de cargo ao ministro da Cidadania, Osmar Terra, destacou o ineditismo da oportunidade de fazer políticas transversais. "Esta é a grande novidade. É o ganho da fusão dos ministérios. A cultura agregada ao esporte, ao desenvolvimento social, vai poder fazer muito por áreas sobre as quais já tínhamos projetos relacionados", disse. 
Ela citou como exemplo uma obra de reurbanização de uma área que estava completamente dominada pelo tráfico de drogas, em Florianópolis. "É uma área central da cidade, patrimônio brasileiro. Uma obra dessas conjugada com outras políticas pode ressoar muito mais. Acho que a gente está num momento de dar um salto, de fato, ter efetividade,  foco e resultados muito expressivos nas políticas públicas brasileiras."
A presidente substituta do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Eneida Braga Rocha de Lemos, também presente no evento, mostrou otimismo com a integração da Cultura a outras áreas. "A cultura como parte integrante do Ministério da Cidadania reforça a afirmativa de que todo cidadão tem direito às suas memórias, tem direito a museus", afirmou, complementando que o Brasil tem mais de 3.700 museus.
As expectativas do presidente da Fundação Palmares, Erivaldo Oliveira da Silva, também são as melhores possíveis. "Tenho certeza que será uma gestão inovadora no que tange a relação com a sociedade e na busca da plena produção cultural, social e econômica para geração de emprego e renda. O grande da atual gestão em relação à Fundação Palmares será a manutenção e disseminação da cultural afro-brasileira. A Palmares é um patrimônio do povo brasileiro e tenho certeza que será dada atenção que o povo merece", afirmou. 
A superintendente da Cinemateca Brasileira, Cristina Ikonomidis, afirmou que sua expectativa é a melhor possível. "Temos certeza de que o trabalho que a Cinemateca Brasileira vem realizando não só terá continuidade como terá cada vez mais suporte para ser ampliado."
O secretário de Cultura do Distrito Federal e ex-secretário de Articulação e Desenvolvimento Institucional do Ministério da Cultura, Adão Cândido, afirmou: "a nossa visão é de colaboração. É de trabalho integrado. Secretários estaduais, no caso, eu, pelo Distrito Federal, e os outros se reúnem no Fórum dos Secretários, nós estamos apoiando este momento de transformação da gestão em nível federal".

Representantes do setor cultural se mostraram animados com a nova estrutura do Ministério da Cidadania, que vai integrar Cultura, Esporte e Desenvolvimento Social, e a indicação de Henrique Medeiros Pires para a Secretaria Especial de Cultura. A classe artística e gestores culturais falaram das expectativas e desafios do setor nesta nova gestão.
A presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Kátia Bogéa, presente na cerimônia de transmissão de cargo ao ministro da Cidadania, Osmar Terra, destacou o ineditismo da oportunidade de fazer políticas transversais. "Esta é a grande novidade. É o ganho da fusão dos ministérios. A cultura agregada ao esporte, ao desenvolvimento social, vai poder fazer muito por áreas sobre as quais já tínhamos projetos relacionados", disse. 
Ela citou como exemplo uma obra de reurbanização de uma área que estava completamente dominada pelo tráfico de drogas, em Florianópolis. "É uma área central da cidade, patrimônio brasileiro. Uma obra dessas conjugada com outras políticas pode ressoar muito mais. Acho que a gente está num momento de dar um salto, de fato, ter efetividade,  foco e resultados muito expressivos nas políticas públicas brasileiras."
A presidente substituta do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Eneida Braga Rocha de Lemos, também presente no evento, mostrou otimismo com a integração da Cultura a outras áreas. "A cultura como parte integrante do Ministério da Cidadania reforça a afirmativa de que todo cidadão tem direito às suas memórias, tem direito a museus", afirmou, complementando que o Brasil tem mais de 3.700 museus.
As expectativas do presidente da Fundação Palmares, Erivaldo Oliveira da Silva, também são as melhores possíveis. "Tenho certeza que será uma gestão inovadora no que tange a relação com a sociedade e na busca da plena produção cultural, social e econômica para geração de emprego e renda. O grande da atual gestão em relação à Fundação Palmares será a manutenção e disseminação da cultural afro-brasileira. A Palmares é um patrimônio do povo brasileiro e tenho certeza que será dada atenção que o povo merece", afirmou. 
A superintendente da Cinemateca Brasileira, Cristina Ikonomidis, afirmou que sua expectativa é a melhor possível. "Temos certeza de que o trabalho que a Cinemateca Brasileira vem realizando não só terá continuidade como terá cada vez mais suporte para ser ampliado."
O secretário de Cultura do Distrito Federal e ex-secretário de Articulação e Desenvolvimento Institucional do Ministério da Cultura, Adão Cândido, afirmou: "a nossa visão é de colaboração. É de trabalho integrado. Secretários estaduais, no caso, eu, pelo Distrito Federal, e os outros se reúnem no Fórum dos Secretários, nós estamos apoiando este momento de transformação da gestão em nível federal".