Novo presidente da Caixa anuncia venda de participações

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 08/01/2019 às 06:39:00

 

Felipe Pontes 
Agência Brasil  
 
O novo presidente 
da Caixa Econômi-
ca Federal, Pedro Guimarães, anunciou ontem (7) que a instituição deverá vender participações em áreas como seguros e loterias, reforçar o financiamento imobiliário via mercado de capitais e investir em microcrédito a juros mais baixos. Guimarães tomou posse nesta manhã no Palácio do Planalto, em cerimônia da qual participaram o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes.
Ele disse que seguirá a determinação do governo de "não errar" e que buscará reduzir um passivo de R$ 40 bilhões da Caixa registrado sob a rubrica de "instrumentos híbridos de capital e dívida". Segundo Guimarães, isso se dará com a "venda de participações em empresas controladas, seguros, cartões, asset (gestão de ativos) e loterias, que já começam agora, pelo menos duas neste ano".
Guimarães destacou que o banco público buscará reforçar sua atuação no mercado de crédito imobiliário por meio de operações de securitização - venda de títulos no mercado financeiro - da ordem de R$ 50 bilhões a R$ 100 bilhões.
"É fundamental discutir a parte imobiliária. Hoje temos problemas de funding. Via mercado de capitais, vamos vender de R$ 50 bilhões a R$ 100 bilhões para exatamente poder a Caixa continuar ofertando esse crédito", disse.
O novo presidente da Caixa acrescentou que pretende expandir a oferta de microcrédito a taxas mais baixas do que as hoje praticadas pelo mercado. "Não me conformo em ver pessoas tomando dinheiro a 15%, 20% ao mês", afirmou.  "O Brasil pode ser uma referência em microcrédito."
Guimarães disse que deverá fazer uma revisão nas políticas de patrocínio e comunicação da Caixa, conforme orientação do governo, e que viajará pessoalmente aos estados para ouvir clientes e visitar comunidades carentes onde o banco atua.
Ele informou que um dos primeiros estados a ser visitado será o Amazonas, onde estuda ampliar o acesso à Caixa ampliando o número de barcos do banco que atuam em comunidades isoladas.

O novo presidente  da Caixa Econômi- ca Federal, Pedro Guimarães, anunciou ontem (7) que a instituição deverá vender participações em áreas como seguros e loterias, reforçar o financiamento imobiliário via mercado de capitais e investir em microcrédito a juros mais baixos. Guimarães tomou posse nesta manhã no Palácio do Planalto, em cerimônia da qual participaram o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes.
Ele disse que seguirá a determinação do governo de "não errar" e que buscará reduzir um passivo de R$ 40 bilhões da Caixa registrado sob a rubrica de "instrumentos híbridos de capital e dívida". Segundo Guimarães, isso se dará com a "venda de participações em empresas controladas, seguros, cartões, asset (gestão de ativos) e loterias, que já começam agora, pelo menos duas neste ano".
Guimarães destacou que o banco público buscará reforçar sua atuação no mercado de crédito imobiliário por meio de operações de securitização - venda de títulos no mercado financeiro - da ordem de R$ 50 bilhões a R$ 100 bilhões.
"É fundamental discutir a parte imobiliária. Hoje temos problemas de funding. Via mercado de capitais, vamos vender de R$ 50 bilhões a R$ 100 bilhões para exatamente poder a Caixa continuar ofertando esse crédito", disse.
O novo presidente da Caixa acrescentou que pretende expandir a oferta de microcrédito a taxas mais baixas do que as hoje praticadas pelo mercado. "Não me conformo em ver pessoas tomando dinheiro a 15%, 20% ao mês", afirmou.  "O Brasil pode ser uma referência em microcrédito."
Guimarães disse que deverá fazer uma revisão nas políticas de patrocínio e comunicação da Caixa, conforme orientação do governo, e que viajará pessoalmente aos estados para ouvir clientes e visitar comunidades carentes onde o banco atua.Ele informou que um dos primeiros estados a ser visitado será o Amazonas, onde estuda ampliar o acesso à Caixa ampliando o número de barcos do banco que atuam em comunidades isoladas.