Taxista morre e vizinho acusado pelo crime foi solto

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 09/01/2019 às 07:27:00

 

Gabriel Damásio
A Polícia Civil poderá pe-
dir a prisão preventiva 
de Antônio Bispo Guimarães, acusado de esfaquear o taxista Natan Ramos da Silva, 37 anos, durante uma discussão ocorrida entre eles na tarde do último domingo, em frente à casa da vítima, no conjunto Albano Franco, em Nossa Senhora do Socorro (Grande Aracaju). Natan foi ferido com duas facadas na altura da barriga e ficou internado no Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), mas não resistiu aos ferimentos e morreu na tarde desta segunda-feira. 
Segundo testemunhas, a briga teria acontecido porque o taxista voltava do supermercado e teria estacionado seu veículo na porta da garagem do vizinho e encostado o para-choque do veículo no do carro de Antônio, que foi tirar satisfações, exigindo que Natan retirasse o carro do local. A vítima não gostou da abordagem e a discussão começou, mas foi logo interrompida pelo ataque do vizinho, que se armou com uma faca e feriu Natan. Alguns moradores da vizinhança viram o crime e socorreram a vítima, enquanto outros conseguiram agarrar o agressor até a chegada da Polícia Militar. 
"Ele foi levado para delegacia, foi feito o auto de prisão em flagrante, mas ocorre que no dia seguinte, na audiência de custodia o mesmo foi liberado. A parte inicial que a polícia poderia fazer foi feita, ele foi preso e depois foi liberado", disse o delegado Luiz Carlos Xavier, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), referindo-se ao resultado da audiência realizada na manhã de segunda-feira, antes da confirmação da morte do taxista. Na ocasião, o juiz Guilherme Diamantino de Oliveira Weber alegou que o representante do Ministério Público "entendeu não estarem presentes os requisitos da manutenção da custódia cautelar". Por isso, ele concedeu liberdade a Bispo e impôs o cumprimento de medidas cautelares, como o afastamento preventivo de parentes da vítima. 
Agora, o processo judicial deverá ser alterado, mas provavelmente isso se dará após a entrega do inquérito policial que foi aberto no DHPP, que passa a apurar a partir de agora o crime de homicídio doloso qualificado. "Com a morte da vítima, o crime veio para delegacia de homicídios, já foi instaurado o inquérito e testemunhas serão ouvidas. Vamos avaliar a situação para ver se será pedida uma nova prisão para o autor", explicou Xavier.
O crime causou uma grande revolta entre os moradores do Albano Franco. Ainda na noite de segunda-feira, um grupo de moradores invadiu a casa do acusado, quebrando objetos e colocando fogo em móveis, numa tentativa de incendiar a casa. Ele não foi mais visto no bairro. O tumulto foi logo controlado após a chegada da PM, mas o clima de indignação se manteve ontem, durante o velório do corpo de Natan, em uma igreja evangélica do conjunto. Durante o funeral, familiares e amigos descreveram o taxista como uma pessoa pacata, que se dava bem com todos os vizinhos e nunca teve qualquer problema com eles, nem mesmo com Antônio Bispo. O corpo foi enterrado à tarde no Cemitério São João Batista (zona oeste de Aracaju). 

A Polícia Civil poderá pe- dir a prisão preventiva  de Antônio Bispo Guimarães, acusado de esfaquear o taxista Natan Ramos da Silva, 37 anos, durante uma discussão ocorrida entre eles na tarde do último domingo, em frente à casa da vítima, no conjunto Albano Franco, em Nossa Senhora do Socorro (Grande Aracaju). Natan foi ferido com duas facadas na altura da barriga e ficou internado no Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), mas não resistiu aos ferimentos e morreu na tarde desta segunda-feira. 
Segundo testemunhas, a briga teria acontecido porque o taxista voltava do supermercado e teria estacionado seu veículo na porta da garagem do vizinho e encostado o para-choque do veículo no do carro de Antônio, que foi tirar satisfações, exigindo que Natan retirasse o carro do local. A vítima não gostou da abordagem e a discussão começou, mas foi logo interrompida pelo ataque do vizinho, que se armou com uma faca e feriu Natan. Alguns moradores da vizinhança viram o crime e socorreram a vítima, enquanto outros conseguiram agarrar o agressor até a chegada da Polícia Militar. 
"Ele foi levado para delegacia, foi feito o auto de prisão em flagrante, mas ocorre que no dia seguinte, na audiência de custodia o mesmo foi liberado. A parte inicial que a polícia poderia fazer foi feita, ele foi preso e depois foi liberado", disse o delegado Luiz Carlos Xavier, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), referindo-se ao resultado da audiência realizada na manhã de segunda-feira, antes da confirmação da morte do taxista. Na ocasião, o juiz Guilherme Diamantino de Oliveira Weber alegou que o representante do Ministério Público "entendeu não estarem presentes os requisitos da manutenção da custódia cautelar". Por isso, ele concedeu liberdade a Bispo e impôs o cumprimento de medidas cautelares, como o afastamento preventivo de parentes da vítima. 
Agora, o processo judicial deverá ser alterado, mas provavelmente isso se dará após a entrega do inquérito policial que foi aberto no DHPP, que passa a apurar a partir de agora o crime de homicídio doloso qualificado. "Com a morte da vítima, o crime veio para delegacia de homicídios, já foi instaurado o inquérito e testemunhas serão ouvidas. Vamos avaliar a situação para ver se será pedida uma nova prisão para o autor", explicou Xavier.
O crime causou uma grande revolta entre os moradores do Albano Franco. Ainda na noite de segunda-feira, um grupo de moradores invadiu a casa do acusado, quebrando objetos e colocando fogo em móveis, numa tentativa de incendiar a casa. Ele não foi mais visto no bairro. O tumulto foi logo controlado após a chegada da PM, mas o clima de indignação se manteve ontem, durante o velório do corpo de Natan, em uma igreja evangélica do conjunto. Durante o funeral, familiares e amigos descreveram o taxista como uma pessoa pacata, que se dava bem com todos os vizinhos e nunca teve qualquer problema com eles, nem mesmo com Antônio Bispo. O corpo foi enterrado à tarde no Cemitério São João Batista (zona oeste de Aracaju).