Banco do Nordeste fecha 2018 com recorde de aplicações em Sergipe

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Antônio César de Santana, superintendente do Banco do Nordeste em Sergipe
Antônio César de Santana, superintendente do Banco do Nordeste em Sergipe

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 09/01/2019 às 07:42:00

 

O Banco do Nordeste 
fechou 2018 com re
corde de contratações em Sergipe. No Estado, foram feitas mais de 163 mil operações de crédito, o que totaliza o montante de aplicações da ordem de R$ 1,3 bilhão. Desse valor, R$ 822,6 milhões são de recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE). E a soma de R$ 277 milhões foi direcionada a projetos de infraestrutura.
As empresas de grande porte fizeram jus a R$ 266,2 milhões do total aplicado com o funding. A segunda maior parcela foi concedida às micro e pequenas empresas, que contrataram o equivalente a R$ 134,9 milhões, com destaque para os setores de comércio e serviços, que correspondem a 82,04% do total investido no segmento.
Os agricultores familiares totalizam valor semelhante: R$ 131,6 milhões aplicados, sendo R$ 94,2 milhões por meio do programa de microcrédito rural (Agroamigo). E os financiamentos destinados a pequenos e médios produtores rurais chegaram a R$ 110,1 milhões. No setor rural, o ponto forte é o custeio agrícola, que representa 76% do valor destinado.
Os recursos aplicados em projetos de exportação atingiram a ordem de R$ 15 milhões, com destaque para o setor de produção de suco de laranja congelado - principal pauta da balança comercial de Sergipe e de investimentos de exportação do BNB local.
O superintendente estadual do BNB em Sergipe, Antônio César de Santana, atribui os bons resultados ao trabalho conjunto das equipes. "Tivemos um resultado fantástico, o maior da história da Superintendência de Sergipe, fruto de um trabalho intenso dos times das agências, realizando as contratações de acordo com os critérios de Governança do Banco. Fizemos bem feito e com qualidade".
Ainda de acordo com o superintendente, o resultado da Superintendência de Sergipe obteve a melhor performance, dentre todas as Superintendências de atuação do Banco do Nordeste, em termos relativos no quesito aplicação do FNE no setor produtivo.
Recordes - Além da marca histórica de R$ 1,1 bilhão em aplicações globais com o funding FNE, o BNB em Sergipe contratou em 2018 a maior operação de crédito já registrada pelo Banco no Estado: o financiamento de R$ 211 milhões para projeto de implantação de 200 km de rede de transmissão de energia elétrica. E outro recorde histórico se destaca: o maior contrato para custeio de milho, da ordem de R$ 10,2 milhões. De modo geral, 29,3% dos recursos do FNE foram aplicados na região do Semiárido Sergipano.
O Banco do Nordeste fechou 2018 com R$ 43,3 bilhões aplicados em sua área de atuação (regiões Nordeste e norte dos estados de Minas Gerais e do Espírito Santo). Em todo o ano, foram investidos R$ 32,6 bilhões com recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE), principal fonte de recursos da instituição. Também foram contratados R$ 10,7 bilhões com crédito de curto prazo, das quais R$ 8,9 bilhões por meio do programa de microcrédito urbano orientado do BNB, o Crediamigo.
Em comparação com 2017, o Banco do Nordeste aplicou mais que o dobro com recursos do FNE, ou seja, um crescimento de 104%. Do total, R$ 16,4 bilhões foram destinados a projetos do setor de infraestrutura, com foco em iniciativas em áreas estruturantes para o desenvolvimento regional, a exemplo de geração de energia, principalmente eólica e fotovoltaica, distribuição e transmissão de energia, saneamento básico e infraestrutura aeroportuária.
Ao todo, foram 4,9 milhões de operações de crédito realizadas no período, grande parte com o segmento de microcrédito urbano -  4,2 milhões de contratações pelo Crediamigo -, o que beneficiou mais de 2,1 milhões de microempreendedores em toda a área de atuação do Banco. Por sua vez, o programa de microcrédito rural orientado, o Agroamigo, que utiliza recursos do FNE, investiu R$ 2,5 bilhões, perfazendo 506,7 mil contratações.
"Superamos todas as metas de contratações de operações de crédito estabelecidas no início do ano, com distribuição proporcional de recursos por estado de atuação, o que confere ainda mais importância para a ação de estímulo ao desenvolvimento empreendida pelo Banco do Nordeste ao longo de todo o ano de 2018", ressaltou o presidente do BNB, Romildo Rolim. Ele enfatizou ainda o elevado nível de conformidade das contratações, índice que avalia a qualidade técnica das operações de crédito realizadas pela instituição.
Perspectivas para 2019 - O Banco do Nordeste já conta com aproximadamente R$ 8 bilhões em tramitação com recursos do FNE, dos quais R$ 1,4 bilhão deferido para contratação. Afora isso, propostas no valor de R$ 4,8 bilhões estão dentro do Banco como cartas-consulta acolhidas, ou seja, com perspectiva de contratação já para o início deste ano.

O Banco do Nordeste  fechou 2018 com re corde de contratações em Sergipe. No Estado, foram feitas mais de 163 mil operações de crédito, o que totaliza o montante de aplicações da ordem de R$ 1,3 bilhão. Desse valor, R$ 822,6 milhões são de recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE). E a soma de R$ 277 milhões foi direcionada a projetos de infraestrutura.
As empresas de grande porte fizeram jus a R$ 266,2 milhões do total aplicado com o funding. A segunda maior parcela foi concedida às micro e pequenas empresas, que contrataram o equivalente a R$ 134,9 milhões, com destaque para os setores de comércio e serviços, que correspondem a 82,04% do total investido no segmento.
Os agricultores familiares totalizam valor semelhante: R$ 131,6 milhões aplicados, sendo R$ 94,2 milhões por meio do programa de microcrédito rural (Agroamigo). E os financiamentos destinados a pequenos e médios produtores rurais chegaram a R$ 110,1 milhões. No setor rural, o ponto forte é o custeio agrícola, que representa 76% do valor destinado.
Os recursos aplicados em projetos de exportação atingiram a ordem de R$ 15 milhões, com destaque para o setor de produção de suco de laranja congelado - principal pauta da balança comercial de Sergipe e de investimentos de exportação do BNB local.
O superintendente estadual do BNB em Sergipe, Antônio César de Santana, atribui os bons resultados ao trabalho conjunto das equipes. "Tivemos um resultado fantástico, o maior da história da Superintendência de Sergipe, fruto de um trabalho intenso dos times das agências, realizando as contratações de acordo com os critérios de Governança do Banco. Fizemos bem feito e com qualidade".
Ainda de acordo com o superintendente, o resultado da Superintendência de Sergipe obteve a melhor performance, dentre todas as Superintendências de atuação do Banco do Nordeste, em termos relativos no quesito aplicação do FNE no setor produtivo.

Recordes - Além da marca histórica de R$ 1,1 bilhão em aplicações globais com o funding FNE, o BNB em Sergipe contratou em 2018 a maior operação de crédito já registrada pelo Banco no Estado: o financiamento de R$ 211 milhões para projeto de implantação de 200 km de rede de transmissão de energia elétrica. E outro recorde histórico se destaca: o maior contrato para custeio de milho, da ordem de R$ 10,2 milhões. De modo geral, 29,3% dos recursos do FNE foram aplicados na região do Semiárido Sergipano.
O Banco do Nordeste fechou 2018 com R$ 43,3 bilhões aplicados em sua área de atuação (regiões Nordeste e norte dos estados de Minas Gerais e do Espírito Santo). Em todo o ano, foram investidos R$ 32,6 bilhões com recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE), principal fonte de recursos da instituição. Também foram contratados R$ 10,7 bilhões com crédito de curto prazo, das quais R$ 8,9 bilhões por meio do programa de microcrédito urbano orientado do BNB, o Crediamigo.
Em comparação com 2017, o Banco do Nordeste aplicou mais que o dobro com recursos do FNE, ou seja, um crescimento de 104%. Do total, R$ 16,4 bilhões foram destinados a projetos do setor de infraestrutura, com foco em iniciativas em áreas estruturantes para o desenvolvimento regional, a exemplo de geração de energia, principalmente eólica e fotovoltaica, distribuição e transmissão de energia, saneamento básico e infraestrutura aeroportuária.
Ao todo, foram 4,9 milhões de operações de crédito realizadas no período, grande parte com o segmento de microcrédito urbano -  4,2 milhões de contratações pelo Crediamigo -, o que beneficiou mais de 2,1 milhões de microempreendedores em toda a área de atuação do Banco. Por sua vez, o programa de microcrédito rural orientado, o Agroamigo, que utiliza recursos do FNE, investiu R$ 2,5 bilhões, perfazendo 506,7 mil contratações.
"Superamos todas as metas de contratações de operações de crédito estabelecidas no início do ano, com distribuição proporcional de recursos por estado de atuação, o que confere ainda mais importância para a ação de estímulo ao desenvolvimento empreendida pelo Banco do Nordeste ao longo de todo o ano de 2018", ressaltou o presidente do BNB, Romildo Rolim. Ele enfatizou ainda o elevado nível de conformidade das contratações, índice que avalia a qualidade técnica das operações de crédito realizadas pela instituição.

Perspectivas para 2019 - O Banco do Nordeste já conta com aproximadamente R$ 8 bilhões em tramitação com recursos do FNE, dos quais R$ 1,4 bilhão deferido para contratação. Afora isso, propostas no valor de R$ 4,8 bilhões estão dentro do Banco como cartas-consulta acolhidas, ou seja, com perspectiva de contratação já para o início deste ano.