Saulo Ferreira anuncia bons ventos

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Saulo Ferreira e uma guitarra se merecem e se bastam
Saulo Ferreira e uma guitarra se merecem e se bastam

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 11/01/2019 às 06:31:00

 

Rian Santos
riansantos@jornaldodiase.com.br
O guitarrista Saulo 
Ferreira está capi-
tando recursos para a gravação de seu segundo disco solo. Batizado 'Yam', uma palavra de origem hebraica que evoca o sopro do mar, sugestão de bonança e calmaria, o projeto deu origem a uma campanha de financiamento coletivo ancorada na plataforma Kickante. 
Para a empreitada vingar, de uma vez por todas, os admiradores declarados de Saulinho, seguidores fiéis do trabalho desenvolvido há quase duas décadas, vão ter de coçar os bolsos. Entre as recompensas oferecidas em troca do apoio, cópias físicas do CD, ingressos para o show de lançamento do petardo, até a cereja do bolo, um pocket show privado, com o repertório da apresentação 'Ela e eu'.
'Ela e eu' - Onde Saulo Ferreira coloca o dedo, as guitarras pronunciam o seu nome. Sozinho, em colaboração com os maiores da aldeia, na Maria Scombona, no Ferraro Trio, no Quarteto Clube do Jazz, no Jaz III, o timbre cristalino e o acento jazzy transbordando das cordas sublinham a sua presença no palco. Mas tal identificação, entre um músico e a voz revelada de seu instrumento, não se dá sem razão. No passo a passo de uma relação a mais íntima, repleta de descobertas e acidentes, altos e baixos, o tema e o tom da apresentação aqui em questão.
"Ela", no caso, é uma Gibson Les Paul, objeto de culto de grande parte dos guitarristas espalhados pelos quatro cantos do mundo. Segundo o próprio Saulo Ferreira, no entanto, o acordo mencionado antes não se deu sem os conflitos naturais. "Levei bastante tempo para compreendê-la, na verdade, ainda tenho muito a aprender com ela".
Isso, quem diz é o próprio. Quem o escuta debulhando acordes e notas, o sabe doutor no assunto, e se impressiona sempre com a elegância e clareza das modulações escandindo temas autorais e leituras inspiradas. Em um caso como em outro, sobressai a faceta singular de Saulo Ferreira. Compositor e instrumentista se igualam em termos de cultura musical, maestria, segurança e personalidade.
A parceira eleita para estrelar esse show foi escalada por razões muito particulares - aparentemente, a Les Paul foi o seu maior alento quando "os céus se abriram para receber o gracioso Sr. Ferreira", inspirando o impulso de contar essa história. O arsenal do guitarrista inclui, naturalmente, marcas e modelos diversos, como é de praxe. De todo modo, Saulo Ferreira e uma guitarra, qualquer uma, se merecem e se bastam.

O guitarrista Saulo  Ferreira está capi- tando recursos para a gravação de seu segundo disco solo. Batizado 'Yam', uma palavra de origem hebraica que evoca o sopro do mar, sugestão de bonança e calmaria, o projeto deu origem a uma campanha de financiamento coletivo ancorada na plataforma Kickante. 
Para a empreitada vingar, de uma vez por todas, os admiradores declarados de Saulinho, seguidores fiéis do trabalho desenvolvido há quase duas décadas, vão ter de coçar os bolsos. Entre as recompensas oferecidas em troca do apoio, cópias físicas do CD, ingressos para o show de lançamento do petardo, até a cereja do bolo, um pocket show privado, com o repertório da apresentação 'Ela e eu'.

'Ela e eu' - Onde Saulo Ferreira coloca o dedo, as guitarras pronunciam o seu nome. Sozinho, em colaboração com os maiores da aldeia, na Maria Scombona, no Ferraro Trio, no Quarteto Clube do Jazz, no Jaz III, o timbre cristalino e o acento jazzy transbordando das cordas sublinham a sua presença no palco. Mas tal identificação, entre um músico e a voz revelada de seu instrumento, não se dá sem razão. No passo a passo de uma relação a mais íntima, repleta de descobertas e acidentes, altos e baixos, o tema e o tom da apresentação aqui em questão.
"Ela", no caso, é uma Gibson Les Paul, objeto de culto de grande parte dos guitarristas espalhados pelos quatro cantos do mundo. Segundo o próprio Saulo Ferreira, no entanto, o acordo mencionado antes não se deu sem os conflitos naturais. "Levei bastante tempo para compreendê-la, na verdade, ainda tenho muito a aprender com ela".
Isso, quem diz é o próprio. Quem o escuta debulhando acordes e notas, o sabe doutor no assunto, e se impressiona sempre com a elegância e clareza das modulações escandindo temas autorais e leituras inspiradas. Em um caso como em outro, sobressai a faceta singular de Saulo Ferreira. Compositor e instrumentista se igualam em termos de cultura musical, maestria, segurança e personalidade.
A parceira eleita para estrelar esse show foi escalada por razões muito particulares - aparentemente, a Les Paul foi o seu maior alento quando "os céus se abriram para receber o gracioso Sr. Ferreira", inspirando o impulso de contar essa história. O arsenal do guitarrista inclui, naturalmente, marcas e modelos diversos, como é de praxe. De todo modo, Saulo Ferreira e uma guitarra, qualquer uma, se merecem e se bastam.