A Importância da UPOV na Propriedade Intelectual

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 14/01/2019 às 13:41:00

 

O Programa Ibero-americano de Propriedade Industrial (IBEPI) é um projeto regional lançado pelos Escritórios Nacionais de Propriedade Industrial com base nas necessidades identificadas na Região com relação à promoção do uso estratégico da Propriedade Industrial como ferramenta de competitividade e desenvolvimento. a nível industrial, comercial e de pesquisa na Ibero-América. O IBEPI surge do trabalho realizado pela Secretaria Geral Ibero-Americana (SEGIB) com o apoio da Organização Mundial da Propriedade Intelectual (WIPO). 
Atualmente, 14 países da região fazem parte do programa, representados pelos Escritórios Nacionais de Propriedade Industrial da Argentina, Brasil, Colômbia, Costa Rica, Equador, El Salvador, Espanha, Guatemala, México, Paraguai, Peru, Portugal, República Dominicana e Uruguai. O IBEPI constitui um marco de cooperação regional em nível ibero-americano para o uso da Propriedade Industrial no desenvolvimento econômico.
O objetivo geral do IBEPI é promover o desenvolvimento das sociedades latino-americanas através do uso estratégico da propriedade industrial em apoio à política pública e usá-lo como instrumento de competitividade dos industriais, setores comerciais e de pesquisa na região.
O IBEPI nasceu da decisão política de incluir a Propriedade Industrial na agenda pública da região e cooperar em torno dela para promover o crescimento, a inovação e o bem-estar dos povos da América Latina. Os Escritórios Nacionais de Propriedade Industrial têm sido os arquitetos e principais promotores deste projeto, convencidos da transcendência e implicações do mesmo. As primeiras tentativas de cooperação em propriedade industrial na esfera ibero-americana remontam à iniciativa CIBIT-Ibero-americana de Capacitação em Pesquisa e Informação Tecnológica - aprovada na IX Cúpula Ibero-americana de Havana (1999). Seu objetivo era fornecer treinamento sobre o assunto aos funcionários dos Escritórios Nacionais de Propriedade Industrial.
No XX Cúpula Ibero-Americana, em Mar del Plata em 2010, os líderes latino-americanos reiteraram SEGIB a necessidade de desenvolver um Programa Ibero-Americano de Propriedade Industrial e Promoção do Desenvolvimento baseado em um estudo acordado pelos chefes de escritórios latino-americanos Propriedade Industrial Para isso, a colaboração da Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI) seria solicitada. Na Reunião de Alto Nível sobre Propriedade Industrial e Promoção do Desenvolvimento, convocada pela SEGIB e realizada em Madri, em 31 de março de 2011, com a participação de representantes dos dez países ibero-americanos que haviam manifestado interesse na implementação do Recomenda-se que o estudo seja preparado pela OMPI e supervisionado por um Comitê Consultivo criado para esse fim. Nos meses de junho e julho de 2011, a WIPO realizou o estudo solicitado pela SEGIB em consulta com todos os escritórios de propriedade industrial ibero-americanos. Uma versão preliminar do estudo foi apresentado à Comissão Programa Advisory Preparatória na sessão realizada em Buenos Aires em 3 de Agosto de 2011.

Saumíneo Nascimento

A União Internacional para a Proteção de Novas Variedades de Plantas (UPOV) é uma organização intergovernamental com sede em Genebra (Suíça). A UPOV foi estabelecida pela Convenção Internacional para a Proteção de Novas Variedades de Plantas. A Convenção foi adotada em Paris em 1961 e foi revisada em 1972, 1978 e 1991.

A missão da UPOV é fornecer e promover um sistema eficaz de proteção de variedades vegetais, com o objetivo de incentivar o desenvolvimento de novas variedades de plantas, em benefício da sociedade.

A Convenção da UPOV fornece a base para os membros incentivarem o melhoramento de plantas, concedendo aos criadores de novas variedades de plantas um direito de propriedade intelectual: o direito do criador.

O termo "espécie" é uma unidade familiar de classificação botânica dentro do reino vegetal. No entanto, é claro que dentro de uma espécie pode haver uma ampla gama de diferentes tipos de plantas. Agricultores e produtores precisam de plantas com características particulares e que sejam adaptadas ao ambiente e às práticas de cultivo.

Uma variedade vegetal representa um grupo de plantas definido com maior precisão, selecionado dentro de uma espécie, com um conjunto comum de características.

Novas variedades de plantas com características como rendimento melhorado, alta qualidade e resistência a pragas e doenças de plantas são um elemento-chave no aumento da produtividade e qualidade do produto na agricultura, horticultura e silvicultura, enquanto minimizam a pressão sobre o ambiente natural. Muitos insumos precisam ser combinados com essas variedades para implantar todo o seu potencial. O progresso na produtividade agrícola em várias partes do mundo é amplamente baseado em variedades melhoradas.

A introdução do sistema UPOV de proteção a variedades vegetais propiciou o seguinte na ciência da propriedade intelectual: aumento das atividades de reprodução, maior disponibilidade de variedades melhoradas, aumento do número de novas variedades, diversificação de tipos de criadores, aumento do número de novas variedades estrangeiras, incentivo ao desenvolvimento de uma nova competitividade das indústrias no comércio exterior, melhor acesso a variedades de plantas estrangeiras e aumento do número de programas de melhoramento doméstico das plantas.

Somente o criador de uma nova variedade de plantas pode proteger essa nova variedade de plantas.  Não é permitido para alguém além do criador obter proteção de uma variedade.  Não há restrições sobre quem pode ser considerado um criador sob o sistema UPOV: um criador pode ser um indivíduo, um agricultor, um pesquisador, um instituto público, uma empresa privada, etc.

Crescimento da Propriedade Intelectual na América Latina

O Programa Ibero-americano de Propriedade Industrial (IBEPI) é um projeto regional lançado pelos Escritórios Nacionais de Propriedade Industrial com base nas necessidades identificadas na Região com relação à promoção do uso estratégico da Propriedade Industrial como ferramenta de competitividade e desenvolvimento. a nível industrial, comercial e de pesquisa na Ibero-América. O IBEPI surge do trabalho realizado pela Secretaria Geral Ibero-Americana (SEGIB) com o apoio da Organização Mundial da Propriedade Intelectual (WIPO). 
Atualmente, 14 países da região fazem parte do programa, representados pelos Escritórios Nacionais de Propriedade Industrial da Argentina, Brasil, Colômbia, Costa Rica, Equador, El Salvador, Espanha, Guatemala, México, Paraguai, Peru, Portugal, República Dominicana e Uruguai. O IBEPI constitui um marco de cooperação regional em nível ibero-americano para o uso da Propriedade Industrial no desenvolvimento econômico.
O objetivo geral do IBEPI é promover o desenvolvimento das sociedades latino-americanas através do uso estratégico da propriedade industrial em apoio à política pública e usá-lo como instrumento de competitividade dos industriais, setores comerciais e de pesquisa na região.
O IBEPI nasceu da decisão política de incluir a Propriedade Industrial na agenda pública da região e cooperar em torno dela para promover o crescimento, a inovação e o bem-estar dos povos da América Latina. Os Escritórios Nacionais de Propriedade Industrial têm sido os arquitetos e principais promotores deste projeto, convencidos da transcendência e implicações do mesmo. As primeiras tentativas de cooperação em propriedade industrial na esfera ibero-americana remontam à iniciativa CIBIT-Ibero-americana de Capacitação em Pesquisa e Informação Tecnológica - aprovada na IX Cúpula Ibero-americana de Havana (1999). Seu objetivo era fornecer treinamento sobre o assunto aos funcionários dos Escritórios Nacionais de Propriedade Industrial.
No XX Cúpula Ibero-Americana, em Mar del Plata em 2010, os líderes latino-americanos reiteraram SEGIB a necessidade de desenvolver um Programa Ibero-Americano de Propriedade Industrial e Promoção do Desenvolvimento baseado em um estudo acordado pelos chefes de escritórios latino-americanos Propriedade Industrial Para isso, a colaboração da Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI) seria solicitada. Na Reunião de Alto Nível sobre Propriedade Industrial e Promoção do Desenvolvimento, convocada pela SEGIB e realizada em Madri, em 31 de março de 2011, com a participação de representantes dos dez países ibero-americanos que haviam manifestado interesse na implementação do Recomenda-se que o estudo seja preparado pela OMPI e supervisionado por um Comitê Consultivo criado para esse fim. Nos meses de junho e julho de 2011, a WIPO realizou o estudo solicitado pela SEGIB em consulta com todos os escritórios de propriedade industrial ibero-americanos. Uma versão preliminar do estudo foi apresentado à Comissão Programa Advisory Preparatória na sessão realizada em Buenos Aires em 3 de Agosto de 2011.