Já são 26 municípios em emergência em função da seca

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
DOS 26 MUNICÍPIOS EM EMERGÊNCIA, TRÊS AGUARDAM HOMOLOGAÇÃO DO GOVERNO ESTADUAL E CINCO A PORTARIA DE RECONHECIMENTO FEDERAL
DOS 26 MUNICÍPIOS EM EMERGÊNCIA, TRÊS AGUARDAM HOMOLOGAÇÃO DO GOVERNO ESTADUAL E CINCO A PORTARIA DE RECONHECIMENTO FEDERAL

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 15/01/2019 às 06:36:00

 

Subiu para 26 o número de municípios sergipanos que, diante da vasta estiagem, necessitou decretar estado de emergência e reivindicar apoio assistencial por parte dos governos Federal e Estadual. O novo boletim indicando a situação de risco abrangente à vida de 260 mil sergipanos foi apresentado no início da tarde de ontem através do Departamento Estadual de Proteção e Defesa Civil da Secretaria de Estado da Inclusão, da Assistência Social e do Trabalho (Depec/Seit). Das 26 cidades incluídas no boletim, três aguardam homologação estadual e cinco aguardam portaria de reconhecimento federal.
Conforme destacado pela direção da Seit, o reconhecimento desta periculosidade gera a possibilidade de envio de recursos da Secretaria Nacional de Defesa Civil como forma paliativa de tentar minimizar os aspectos negativos impostos pela seca. O que gera preocupação generalizada é que, conforme análise realizada pelo Centro de Estudo Meteorológico de Sergipe, a longa estiagem deve permanecer presente nos 75 municípios do estado pelo menos até o final do primeiro trimestre do próximo ano. Nessa fase apenas chuvas rápidas - e/ou as tradicionais chuvas de verão, intensas porém rápidas -, serão registradas.
O centro entende que a conjuntura climática trata-se da característica principal do verão e reafirma que o desconforto provocado pela estação mais quente do ano só deve mesmo aliviar a população com o início do outono. Contabilizando os 26 municípios sergipanos, na região Nordeste esse número acumula mais de 300 cidades vítimas das altas temperaturas. Entre os municípios em situação de emergência estão: Carira, Tobias Barreto, Poço Redondo, Gararu, Monte Alegre de Sergipe, Canindé de São Francisco, Frei Paulo, Ribeirópolis, Nossa Senhora de Lourdes, Itabi, Simão Dias, Poço Verde, Pinhão, Nossa Senhora da Glória, Graccho Cardoso, São Miguel do Aleixo, Feira Nova, Porto da Folha, Moita Bonita, Nossa Senhora Aparecida, Canhoba, Tomar do Geru, Poço Redondo, Salgado, Aquidabã, Malhada dos Bois e Capela.
O Centro de Meteorologia avalia ainda que algumas regiões devem continuar registrando normalidade no índice de chuvas, assim como ocorre na Grande Aracaju. Já na área mais afastada do litoral, a estiagem pode permanecer por longos meses e continuar provocando danos aos sertanejos. Por meio de nota oficial apresentada junto ao boletim, o Governo do Estado de Sergipe informou que: "somadas, a Operação Pipa Estadual e a realizada pelo Exército Brasileiro atendem os municípios de Monte Alegre de Sergipe, Frei Paulo, Porto da Folha, Poço Verde, Pinhão, Nossa Senhora da Glória, Nossa Senhora da Aparecida, Poço Redondo, Tobias Barreto, Carira e Gararu. 
Ao todo, cerca de 60 mil pessoas são assistidas, através da água distribuída por 79 caminhões pipa, num cálculo médio de 20 litros por pessoa ao dia. Os demais municípios não solicitaram reforço na distribuição de água para consumo humano, por vezes contando com operações pipa municipais para irrigação, dessedentação animal e abastecimento de cisternas. Os esforços do Governo do Estado são intensos. As equipes da Defesa Civil estão em campo para acompanhar a situação dos sergipanos atingidos pelos efeitos da estiagem prolongada, fazendo a ponte entre os municípios e o Ministério da Integração Nacional, e acompanhando todo o fluxo da Operação Pipa". (Milton Alves Júnior)

Subiu para 26 o número de municípios sergipanos que, diante da vasta estiagem, necessitou decretar estado de emergência e reivindicar apoio assistencial por parte dos governos Federal e Estadual. O novo boletim indicando a situação de risco abrangente à vida de 260 mil sergipanos foi apresentado no início da tarde de ontem através do Departamento Estadual de Proteção e Defesa Civil da Secretaria de Estado da Inclusão, da Assistência Social e do Trabalho (Depec/Seit). Das 26 cidades incluídas no boletim, três aguardam homologação estadual e cinco aguardam portaria de reconhecimento federal.
Conforme destacado pela direção da Seit, o reconhecimento desta periculosidade gera a possibilidade de envio de recursos da Secretaria Nacional de Defesa Civil como forma paliativa de tentar minimizar os aspectos negativos impostos pela seca. O que gera preocupação generalizada é que, conforme análise realizada pelo Centro de Estudo Meteorológico de Sergipe, a longa estiagem deve permanecer presente nos 75 municípios do estado pelo menos até o final do primeiro trimestre do próximo ano. Nessa fase apenas chuvas rápidas - e/ou as tradicionais chuvas de verão, intensas porém rápidas -, serão registradas.
O centro entende que a conjuntura climática trata-se da característica principal do verão e reafirma que o desconforto provocado pela estação mais quente do ano só deve mesmo aliviar a população com o início do outono. Contabilizando os 26 municípios sergipanos, na região Nordeste esse número acumula mais de 300 cidades vítimas das altas temperaturas. Entre os municípios em situação de emergência estão: Carira, Tobias Barreto, Poço Redondo, Gararu, Monte Alegre de Sergipe, Canindé de São Francisco, Frei Paulo, Ribeirópolis, Nossa Senhora de Lourdes, Itabi, Simão Dias, Poço Verde, Pinhão, Nossa Senhora da Glória, Graccho Cardoso, São Miguel do Aleixo, Feira Nova, Porto da Folha, Moita Bonita, Nossa Senhora Aparecida, Canhoba, Tomar do Geru, Poço Redondo, Salgado, Aquidabã, Malhada dos Bois e Capela.
O Centro de Meteorologia avalia ainda que algumas regiões devem continuar registrando normalidade no índice de chuvas, assim como ocorre na Grande Aracaju. Já na área mais afastada do litoral, a estiagem pode permanecer por longos meses e continuar provocando danos aos sertanejos. Por meio de nota oficial apresentada junto ao boletim, o Governo do Estado de Sergipe informou que: "somadas, a Operação Pipa Estadual e a realizada pelo Exército Brasileiro atendem os municípios de Monte Alegre de Sergipe, Frei Paulo, Porto da Folha, Poço Verde, Pinhão, Nossa Senhora da Glória, Nossa Senhora da Aparecida, Poço Redondo, Tobias Barreto, Carira e Gararu. 
Ao todo, cerca de 60 mil pessoas são assistidas, através da água distribuída por 79 caminhões pipa, num cálculo médio de 20 litros por pessoa ao dia. Os demais municípios não solicitaram reforço na distribuição de água para consumo humano, por vezes contando com operações pipa municipais para irrigação, dessedentação animal e abastecimento de cisternas. Os esforços do Governo do Estado são intensos. As equipes da Defesa Civil estão em campo para acompanhar a situação dos sergipanos atingidos pelos efeitos da estiagem prolongada, fazendo a ponte entre os municípios e o Ministério da Integração Nacional, e acompanhando todo o fluxo da Operação Pipa". (Milton Alves Júnior)