As veias abertas da América do Sul

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Em busca de raiz
Em busca de raiz

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 16/01/2019 às 06:18:00

 

Rian Santos
riansantos@jornaldodiase.com.br
Carol Mendonça, que o lei
tor deste Jornal do Dia 
conhece como a diretora do curta-metragem 'A mão que borda' (2013), está contando os dias para realizar a sua própria versão do filme 'Diários de motocicleta'. Ao invés de La Poderosa, como o personagem do jovem Guevara apelidou a Norton 500 na qual percorreu as veias abertas da América Latina, no longa de Walter Salles, a sergipana viaja a bordo de Lindomar, um Fusca 1977 velho de guerra, com quase 50 anos de sonho e de sangue na lata. A intenção, no entanto, é mais ou menos a mesma: Conhecer os caminhos e as pessoas do sul.
O roteiro traçado por Carol e Cláudio, companheiro de vida e de aventura, passa por nove países, num período de seis meses. Mas, eles avisam, o esforço não deve resultar em um programa de aventuras típico dos canais de TV por assinatura. Além dos destinos convencionais, o documentário por trás do projeto pretende capturar a verdade de cada cidade visitada. O casal viaja em busca de raiz.
"O plano é partir de Aracaju e descer gradativamente passando pela Bahia, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul até chegar no Uruguai! A partir de lá, seguiremos pela Argentina, cruzaremos a cordilheira dos andes até o Chile, passaremos pelo deserto do Atacama, seguiremos até a Bolivia e Peru onde conheceremos a cultura dos povos andinos. De lá seguiremos pelo Equador com destino a Colômbia, depois passaremos pela Venezuela e adentraremos na selva amazônica com destino a Manaus. Passaremos cinco dias em um barco pelo rio amazonas, quando chegaremos a Belém e seguiremos pelas praias do Nordeste até retornarmos para Aracaju em agosto de 2019".
O projeto do documentário ganhou uma campanha de financiamento coletivo ancorada no Catarse. Por meio da plataforma, os Fusconautas pretendem captar os recursos necessários para documentar o olhar derramado para um pedaço do mundo tão diverso em sua unidade. A partida já tem data: 16 de fevereiro. Serão 25 mil quilômetros de sorrisos e buzinadas a bordo de Lindomar.
"Queremos ajudar a despertar o interesse pela cultura Sul-americana para que possamos cada vez mais nos reconhecer nela e assim lutar para preservá-la e fortalecê-la. Essa é uma proposta audiovisual inédita. Nenhum outro filme documentou a América do sul de maneira tão abrangente em uma única expedição como estamos propondo. Muito menos de fusca! Queremos lançar nosso olhar artístico sobre seu povo, suas culturas, paisagens, sons e sabores. Vamos trazer para vocês um filme, que além de lindo, será muito relevante para a preservação da nossa memória cultural".
Para apoiar o projeto, basta acessar o site www.catarse.me/fusconautas. 

Carol Mendonça, que o lei tor deste Jornal do Dia  conhece como a diretora do curta-metragem 'A mão que borda' (2013), está contando os dias para realizar a sua própria versão do filme 'Diários de motocicleta'. Ao invés de La Poderosa, como o personagem do jovem Guevara apelidou a Norton 500 na qual percorreu as veias abertas da América Latina, no longa de Walter Salles, a sergipana viaja a bordo de Lindomar, um Fusca 1977 velho de guerra, com quase 50 anos de sonho e de sangue na lata. A intenção, no entanto, é mais ou menos a mesma: Conhecer os caminhos e as pessoas do sul.
O roteiro traçado por Carol e Cláudio, companheiro de vida e de aventura, passa por nove países, num período de seis meses. Mas, eles avisam, o esforço não deve resultar em um programa de aventuras típico dos canais de TV por assinatura. Além dos destinos convencionais, o documentário por trás do projeto pretende capturar a verdade de cada cidade visitada. O casal viaja em busca de raiz.
"O plano é partir de Aracaju e descer gradativamente passando pela Bahia, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul até chegar no Uruguai! A partir de lá, seguiremos pela Argentina, cruzaremos a cordilheira dos andes até o Chile, passaremos pelo deserto do Atacama, seguiremos até a Bolivia e Peru onde conheceremos a cultura dos povos andinos. De lá seguiremos pelo Equador com destino a Colômbia, depois passaremos pela Venezuela e adentraremos na selva amazônica com destino a Manaus. Passaremos cinco dias em um barco pelo rio amazonas, quando chegaremos a Belém e seguiremos pelas praias do Nordeste até retornarmos para Aracaju em agosto de 2019".
O projeto do documentário ganhou uma campanha de financiamento coletivo ancorada no Catarse. Por meio da plataforma, os Fusconautas pretendem captar os recursos necessários para documentar o olhar derramado para um pedaço do mundo tão diverso em sua unidade. A partida já tem data: 16 de fevereiro. Serão 25 mil quilômetros de sorrisos e buzinadas a bordo de Lindomar.
"Queremos ajudar a despertar o interesse pela cultura Sul-americana para que possamos cada vez mais nos reconhecer nela e assim lutar para preservá-la e fortalecê-la. Essa é uma proposta audiovisual inédita. Nenhum outro filme documentou a América do sul de maneira tão abrangente em uma única expedição como estamos propondo. Muito menos de fusca! Queremos lançar nosso olhar artístico sobre seu povo, suas culturas, paisagens, sons e sabores. Vamos trazer para vocês um filme, que além de lindo, será muito relevante para a preservação da nossa memória cultural".
Para apoiar o projeto, basta acessar o site www.catarse.me/fusconautas.