Fato raro

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 17/01/2019 às 07:19:00

 

A ocorrência registrada por agen-
tes da Secretaria Municipal de 
Transporte e Trânsito (SMTT) mais a Guarda Municipal de Aracaju faz pensar em um ambiente apocalíptico. Na última terça-feira, um homem foi preso enquanto furtava os fios de cobre de um semáforo em uma das avenidas mais movimentadas da cidade, em plena Avenida Beira Mar.
O episódio não tem nada de engraçado, não é inédito e declara em alto e bom som o descaso generalizado com o bem público. Ano passado, segundo as fontes oficiais, foram roubados mais de mil e trezentos metros de cobre dos postes instalados nas ruas e avenidas da capital sergipana.
Surpreendido em delito flagrante, o marginal recebeu voz de prisão tão logo foi abordado e conduzido a uma delegacia. Nada sugere, contudo, que o patrimônio público municipal está agora a salvo de perigo. Bandidos não se dispõem a depredar sem mais nem menos, por mero impulso, gosto pelo vandalismo, ao acaso. Para chegar a tal extremo, escandaloso, precisam contar com o sucesso da empreitada criminosa, uma aposta na impunidade.
Dessa vez "deu ruim", como se diz na gíria da malandragem. A verdade, no entanto, é que o meliante pego com a boca na botija foi traído pela sorte. As rondas realizadas pela Polícia Militar e a Guarda Municipal de Aracaju são sabidamente insuficientes, muito irregulares. Falta efetivo, viaturas, disposição para o combate. O gatuno dos fios de cobre deu azar, simplesmente, estava no lugar e na hora errada, um fato raro, contra qualquer expectativa razoável.

A ocorrência registrada por agen- tes da Secretaria Municipal de  Transporte e Trânsito (SMTT) mais a Guarda Municipal de Aracaju faz pensar em um ambiente apocalíptico. Na última terça-feira, um homem foi preso enquanto furtava os fios de cobre de um semáforo em uma das avenidas mais movimentadas da cidade, em plena Avenida Beira Mar.
O episódio não tem nada de engraçado, não é inédito e declara em alto e bom som o descaso generalizado com o bem público. Ano passado, segundo as fontes oficiais, foram roubados mais de mil e trezentos metros de cobre dos postes instalados nas ruas e avenidas da capital sergipana.
Surpreendido em delito flagrante, o marginal recebeu voz de prisão tão logo foi abordado e conduzido a uma delegacia. Nada sugere, contudo, que o patrimônio público municipal está agora a salvo de perigo. Bandidos não se dispõem a depredar sem mais nem menos, por mero impulso, gosto pelo vandalismo, ao acaso. Para chegar a tal extremo, escandaloso, precisam contar com o sucesso da empreitada criminosa, uma aposta na impunidade.
Dessa vez "deu ruim", como se diz na gíria da malandragem. A verdade, no entanto, é que o meliante pego com a boca na botija foi traído pela sorte. As rondas realizadas pela Polícia Militar e a Guarda Municipal de Aracaju são sabidamente insuficientes, muito irregulares. Falta efetivo, viaturas, disposição para o combate. O gatuno dos fios de cobre deu azar, simplesmente, estava no lugar e na hora errada, um fato raro, contra qualquer expectativa razoável.