Conselho da Saúde rebate declarações de conselheira contra PMA

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 17/01/2019 às 07:53:00

 

O Conselho Municipal de Saúde (CMS) divulgou ontem, através da Secretaria Municipal de Saúde, desautorizando as declarações dadas pela conselheira Shirley Morales, do Sindicato do Enfermeiros de Sergipe (Seese), que apontou possíveis irregularidades no contrato firmado entre a Prefeitura de Aracaju e a empresa Centro Médico do Trabalhador Ltda, contratada na semana passada para assumir a gestão e a operação dos serviços do Hospital Nestor Piva. Ela deu as declarações durante a reunião extraordinária ocorrida anteontem, na qual o documento com o contrato foi entregue pessoalmente pela Secretária Municipal da Saúde (SMS). 
A nota do Conselho, divulgada em resposta à notícia publicada pelo JORNAL DO DIA em sua edição de ontem, esclarece que as alegações feitas pela conselheira não devem ser atribuídas ao órgão. Segundo o presidente do CMS, José Augusto Couto, as colocações feitas por Morales à imprensa foram arbitrárias. "Nem a mesa diretora do CMS, tão pouco a Comissão de Fundo Municipal [CFM], chegou a analisar o contrato da Prefeitura com a empresa terceirizada responsável pela gestão do Hospital Nestor Piva. Durante a reunião ocorrida na última terça [15], distribuímos uma cópia do contrato para cada integrante da CFM. Sendo assim, é impossível que irregularidades tivessem sido encontradas, uma vez que o documento ainda nem tinha a sido analisado", contesta o presidente.

O Conselho Municipal de Saúde (CMS) divulgou ontem, através da Secretaria Municipal de Saúde, desautorizando as declarações dadas pela conselheira Shirley Morales, do Sindicato do Enfermeiros de Sergipe (Seese), que apontou possíveis irregularidades no contrato firmado entre a Prefeitura de Aracaju e a empresa Centro Médico do Trabalhador Ltda, contratada na semana passada para assumir a gestão e a operação dos serviços do Hospital Nestor Piva. Ela deu as declarações durante a reunião extraordinária ocorrida anteontem, na qual o documento com o contrato foi entregue pessoalmente pela Secretária Municipal da Saúde (SMS). 
A nota do Conselho, divulgada em resposta à notícia publicada pelo JORNAL DO DIA em sua edição de ontem, esclarece que as alegações feitas pela conselheira não devem ser atribuídas ao órgão. Segundo o presidente do CMS, José Augusto Couto, as colocações feitas por Morales à imprensa foram arbitrárias. "Nem a mesa diretora do CMS, tão pouco a Comissão de Fundo Municipal [CFM], chegou a analisar o contrato da Prefeitura com a empresa terceirizada responsável pela gestão do Hospital Nestor Piva. Durante a reunião ocorrida na última terça [15], distribuímos uma cópia do contrato para cada integrante da CFM. Sendo assim, é impossível que irregularidades tivessem sido encontradas, uma vez que o documento ainda nem tinha a sido analisado", contesta o presidente.