Para pavor dos Bolsonaro, imprensa sabe o que eles ''fizeram no verão passado''

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 23/01/2019 às 06:43:00

 

* Jeferson Miola 
A estratégia do clã Bolsonaro no es-
cândalo Queiroz é de um primitivis-
mo rudimentar e até pueril. Eles se iludem que, fugindo e se escondendo da justiça, o escândalo pode desaparecer, cair no esquecimento ou deixar de existir. Pensamento mágico.
Considerando os detalhes escabrosos descobertos até aqui, é compreensível a dificuldade da família conseguir apresentar uma versão coerente e consistente, que consiga ficar em pé. Por isso eles precisam fugir.
O caso Queiroz é como a metáfora citada pelo falecido juiz do STF Teori Zavascki: "a gente puxa uma pena e vem uma galinha". Ou seja, o "rolo" do Queiroz é apenas uma pequena ponta de um iceberg muito mais profundo, abrangente e antigo.
O R$ 1,2 milhão movimentado atipicamente por Queiroz mediante o desvio do salário de funcionários laranjas e fantasmas [inclusive filhas e esposa] é, presumivelmente, a falcatrua mais branda a que os Bolsonaro estão chamados a esclarecer.
As ilicitudes praticadas nos gabinetes parlamentares dos Bolsonaro não são "apenas" as conhecidas e condenáveis práticas de "caixinhas" que financiam atividades dos mandatos.
Existem fortes indícios de movimentação milionária de dinheiro. Em 3 anos, só pelas contas do Queiroz passaram R$ 7 milhões. Suspeita-se de associação criminosa e negócios imobiliários que encobrem ilícitos de lavagem de dinheiro e enriquecimento ilícito.
E, mais grave que tudo isso, é a revelação de laços que supostamente vinculam o clã dos Bolsonaro ao submundo das milícias e da criminalidade do Rio de Janeiro.
No GGN, Luis Nassif mencionou a Operação Quarto Elemento, que investiga a participação de agentes da PM e paramilitares no assassinato da Marielle e do Anderson e cujos integrantes da organização criminosa atuaram como segurança de Flávio Bolsonaro e de atos de campanha do governador eleito, o bolsonarista Willson Witzel.
O jornalista Lauro Jardim, no O Globo, divulgou que Queiroz se escondeu na favela de Rio das Pedras, que "É a segunda maior favela da cidade e dominada da primeira à última rua pela milícia mais antiga do Rio de Janeiro". Como fugiu de depoimentos e se refugiou no aparelho das milícias, o gesto do Queiroz caracteriza clara afronta ao Estado de Direito.
Em resposta à nota que a defesa de Queiroz lhe enviou mentindo que o ex-motorista ficara na casa da filha no Itanhangá, Lauro Jardim fulminou: "Queiroz passou alguns dias, sim, na favela de Rio das Pedras (entre os dias 17 e 20 de dezembro)".
A situação dos Bolsonaro se agravou sobremaneira. Eles estão vivendo, na vida real, a agonia representada no filme "Eu sei o que vocês fizeram no verão passado".
No filme, adolescentes retornam à cidade onde no verão anterior haviam cometido e ocultado um assassinato, e são recepcionados com um bilhete dizendo "Eu sei o que vocês fizeram no verão passado". A partir daí o enredo se estabelece, o inferno se instala e um a um dos jovens implicados no assassinato é justiçado.
A sobrevivência do Bolsonaro é incerta. A imprensa sabe muito aquilo que a família esconde. A imprensa sabe o que os Bolsonaro "fizeram no verão passado". Os Bolsonaro pensam que estão driblando todo mundo, mas na realidade estão tropeçando nas próprias pernas.
* Jeferson Miola, Integrante do Instituto de Debates, Estudos e Alternativas de Porto Alegre (Idea), foi coordenador-executivo do 5º Fórum Social Mundial (Publicado originalmente no blog do autor)

* Jeferson Miola 

A estratégia do clã Bolsonaro no es- cândalo Queiroz é de um primitivis- mo rudimentar e até pueril. Eles se iludem que, fugindo e se escondendo da justiça, o escândalo pode desaparecer, cair no esquecimento ou deixar de existir. Pensamento mágico.
Considerando os detalhes escabrosos descobertos até aqui, é compreensível a dificuldade da família conseguir apresentar uma versão coerente e consistente, que consiga ficar em pé. Por isso eles precisam fugir.
O caso Queiroz é como a metáfora citada pelo falecido juiz do STF Teori Zavascki: "a gente puxa uma pena e vem uma galinha". Ou seja, o "rolo" do Queiroz é apenas uma pequena ponta de um iceberg muito mais profundo, abrangente e antigo.
O R$ 1,2 milhão movimentado atipicamente por Queiroz mediante o desvio do salário de funcionários laranjas e fantasmas [inclusive filhas e esposa] é, presumivelmente, a falcatrua mais branda a que os Bolsonaro estão chamados a esclarecer.
As ilicitudes praticadas nos gabinetes parlamentares dos Bolsonaro não são "apenas" as conhecidas e condenáveis práticas de "caixinhas" que financiam atividades dos mandatos.
Existem fortes indícios de movimentação milionária de dinheiro. Em 3 anos, só pelas contas do Queiroz passaram R$ 7 milhões. Suspeita-se de associação criminosa e negócios imobiliários que encobrem ilícitos de lavagem de dinheiro e enriquecimento ilícito.
E, mais grave que tudo isso, é a revelação de laços que supostamente vinculam o clã dos Bolsonaro ao submundo das milícias e da criminalidade do Rio de Janeiro.
No GGN, Luis Nassif mencionou a Operação Quarto Elemento, que investiga a participação de agentes da PM e paramilitares no assassinato da Marielle e do Anderson e cujos integrantes da organização criminosa atuaram como segurança de Flávio Bolsonaro e de atos de campanha do governador eleito, o bolsonarista Willson Witzel.
O jornalista Lauro Jardim, no O Globo, divulgou que Queiroz se escondeu na favela de Rio das Pedras, que "É a segunda maior favela da cidade e dominada da primeira à última rua pela milícia mais antiga do Rio de Janeiro". Como fugiu de depoimentos e se refugiou no aparelho das milícias, o gesto do Queiroz caracteriza clara afronta ao Estado de Direito.
Em resposta à nota que a defesa de Queiroz lhe enviou mentindo que o ex-motorista ficara na casa da filha no Itanhangá, Lauro Jardim fulminou: "Queiroz passou alguns dias, sim, na favela de Rio das Pedras (entre os dias 17 e 20 de dezembro)".
A situação dos Bolsonaro se agravou sobremaneira. Eles estão vivendo, na vida real, a agonia representada no filme "Eu sei o que vocês fizeram no verão passado".
No filme, adolescentes retornam à cidade onde no verão anterior haviam cometido e ocultado um assassinato, e são recepcionados com um bilhete dizendo "Eu sei o que vocês fizeram no verão passado". A partir daí o enredo se estabelece, o inferno se instala e um a um dos jovens implicados no assassinato é justiçado.
A sobrevivência do Bolsonaro é incerta. A imprensa sabe muito aquilo que a família esconde. A imprensa sabe o que os Bolsonaro "fizeram no verão passado". Os Bolsonaro pensam que estão driblando todo mundo, mas na realidade estão tropeçando nas próprias pernas.

* Jeferson Miola, Integrante do Instituto de Debates, Estudos e Alternativas de Porto Alegre (Idea), foi coordenador-executivo do 5º Fórum Social Mundial (Publicado originalmente no blog do autor)