Aumento da produção e do emprego revelam uma indústria mais confiante para 2019

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 24/01/2019 às 06:52:00

 

De acordo com a pesquisa Indicadores Industriais, divulgada na última terça, 15, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), o mês de novembro apresentou uma reação promissora para o setor fabril. Nesse período, elementos importantes para a produção, como faturamento real, número de funcionários e horas trabalhadas, cresceram e melhoraram o cenário de perdas.
Em termos comparativos, os resultados do mês analisado no ano passado mostraram uma evolução de 2,1 % no faturamento da indústria de transformação, assim como ocorreu com as horas trabalhadas e com o número de empregados, que aumentaram 0,7% e 0,3% respectivamente, isso em relação a outubro de 2018. 
No mesmo período em 2017 a indústria teve um faturamento de 1,8% acima e as horas trabalhadas cresceram 0,2%, se comparadas ao mês de setembro desse mesmo ano. Tais resultados positivos revelam um setor preocupado com a recuperação das suas atividades e os percentuais no ano seguinte evidenciam os esforços da indústria na manutenção deste desempenho que influencia diretamente na economia.
Para a economista da Federação das Indústrias do Estado de Sergipe (FIES), Barbara Santos, essa retomada do crescimento industrial é decorrente, sobretudo, da melhoria dos indicadores de confiança e expectativas. "O nível de otimismo dos empresários e da população como um todo apresentou resultados positivos que apontaram tendências de consumo e de investimentos, que impulsionaram as atividades econômicas e estimularam um modesto movimento de criação de novas vagas de emprego, explica.
A economista ainda acrescenta que apesar do desempenho satisfatório, o setor industrial ainda está retomando lentamente o "terreno perdido" e aponta as medidas governamentais, a exemplo da desburocratização, como fatores importantes para melhorar o ambiente de negócios das empresas. "A retirada de entraves burocráticos e a busca pela aprovação da reforma previdenciária, sem falar na reforma tributária, terão o condão de gerar efeitos positivos para que os investimentos voltem a fluir com mais força", afirma Barbara.
Em Sergipe - Para comprovar os dados apresentados no estudo da CNI, a indústria sergipana também sinalizou otimismo na mais recente edição da sondagem industrial do último mês de novembro, que apontou uma evolução positiva no Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI), registrando 60,9 pontos, o maior valor apresentado desde 2013.

De acordo com a pesquisa Indicadores Industriais, divulgada na última terça, 15, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), o mês de novembro apresentou uma reação promissora para o setor fabril. Nesse período, elementos importantes para a produção, como faturamento real, número de funcionários e horas trabalhadas, cresceram e melhoraram o cenário de perdas.
Em termos comparativos, os resultados do mês analisado no ano passado mostraram uma evolução de 2,1 % no faturamento da indústria de transformação, assim como ocorreu com as horas trabalhadas e com o número de empregados, que aumentaram 0,7% e 0,3% respectivamente, isso em relação a outubro de 2018. 
No mesmo período em 2017 a indústria teve um faturamento de 1,8% acima e as horas trabalhadas cresceram 0,2%, se comparadas ao mês de setembro desse mesmo ano. Tais resultados positivos revelam um setor preocupado com a recuperação das suas atividades e os percentuais no ano seguinte evidenciam os esforços da indústria na manutenção deste desempenho que influencia diretamente na economia.
Para a economista da Federação das Indústrias do Estado de Sergipe (FIES), Barbara Santos, essa retomada do crescimento industrial é decorrente, sobretudo, da melhoria dos indicadores de confiança e expectativas. "O nível de otimismo dos empresários e da população como um todo apresentou resultados positivos que apontaram tendências de consumo e de investimentos, que impulsionaram as atividades econômicas e estimularam um modesto movimento de criação de novas vagas de emprego, explica.
A economista ainda acrescenta que apesar do desempenho satisfatório, o setor industrial ainda está retomando lentamente o "terreno perdido" e aponta as medidas governamentais, a exemplo da desburocratização, como fatores importantes para melhorar o ambiente de negócios das empresas. "A retirada de entraves burocráticos e a busca pela aprovação da reforma previdenciária, sem falar na reforma tributária, terão o condão de gerar efeitos positivos para que os investimentos voltem a fluir com mais força", afirma Barbara.

Em Sergipe - Para comprovar os dados apresentados no estudo da CNI, a indústria sergipana também sinalizou otimismo na mais recente edição da sondagem industrial do último mês de novembro, que apontou uma evolução positiva no Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI), registrando 60,9 pontos, o maior valor apresentado desde 2013.