Mudança em sistema atrasa marcação de exames

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 25/01/2019 às 06:38:00

 

Milton Alves Jùnior
Uma mudança no sistema de marcação de exames nas Unidades de Pronto Atendimento coordenadas pela Prefeitura de Aracaju tem gerado transtornos aos usuários do Sistema Único de Saúde (sus). Conforme críticas apresentadas pelos pacientes e acompanhantes ao JORNAL DO DIA, a plataforma administrativa que antes já não costumava funcionar integralmente como desejado pela população, desde a semana passada, com a implantação desse novo sistema, tem agravado as complicações na hora de iniciar e finalizar o processo de marcação. A Secretaria Municipal da Saúde (SMS), diz compreender a situação, mas garante que em poucos dias o serviço estará qualificado.
Na concepção da pasta, toda e qualquer mudança operacional - em especial nos seguimentos que trabalham diariamente com o fornecimento de assistência médica aos milhões de dependentes do SUS -, tende a provocar contratempos no primeiro momento de atuação, e, por esse motivo, acredita que em curto prazo a sistema estará atendendo aos anseios dos usuários. As críticas não ficam restritas apenas aos usuários. Profissionais de áreas variadas também se queixam do contexto administrativo em que enfrentam as unidades. Na manhã de ontem o JD flagrou parte dessas reclamações na Unidade de Saúde Ávila Nabuco, conjunto Medici.
"Está muito na mídia os problemas enfrentadas no Nestor Paiva e no Fernando Franco, mas infelizmente a realidade é muito mais abrangente. Nesses dois locais os problemas que apresentaram formam apenas a ponta do 'iceberg'. O sistema de marcação está causando problemas assim como muitas outras situações do nosso sistema. Triste para nós trabalhadores e principalmente para a população que precisa muito de uma ação realmente humanista na saúde municipal para tentar sobreviver", declarou uma servidora que, dizendo ter receio de possíveis represálias, solicitou que a respectiva identidade não fosse revelada.
Já na Unidade Edézio Vieira de Melo, localizada no bairro Siqueira Campos, zona Oeste de Aracaju, as reclamações são semelhantes. Para a dona de casa Ivete Leopoldina, além da paciência é preciso multiplicar a fé ao se dirigir à unidade em busca de assistência. Preocupada com o próprio quadro clínico a usuária do sistema decidiu buscar o auxílio da imprensa sergipana como forma de tentar sensibilizar os gestores municipais. A contribuinte acredita que somente com o apoio dos veículos de comunicação será possível tornar públicas as dificuldades e, quem sabe assim, finalmente receber a consulta que tanto deseja.

Milton Alves Jùnior

Uma mudança no sistema de marcação de exames nas Unidades de Pronto Atendimento coordenadas pela Prefeitura de Aracaju tem gerado transtornos aos usuários do Sistema Único de Saúde (sus). Conforme críticas apresentadas pelos pacientes e acompanhantes ao JORNAL DO DIA, a plataforma administrativa que antes já não costumava funcionar integralmente como desejado pela população, desde a semana passada, com a implantação desse novo sistema, tem agravado as complicações na hora de iniciar e finalizar o processo de marcação. A Secretaria Municipal da Saúde (SMS), diz compreender a situação, mas garante que em poucos dias o serviço estará qualificado.
Na concepção da pasta, toda e qualquer mudança operacional - em especial nos seguimentos que trabalham diariamente com o fornecimento de assistência médica aos milhões de dependentes do SUS -, tende a provocar contratempos no primeiro momento de atuação, e, por esse motivo, acredita que em curto prazo a sistema estará atendendo aos anseios dos usuários. As críticas não ficam restritas apenas aos usuários. Profissionais de áreas variadas também se queixam do contexto administrativo em que enfrentam as unidades. Na manhã de ontem o JD flagrou parte dessas reclamações na Unidade de Saúde Ávila Nabuco, conjunto Medici.
"Está muito na mídia os problemas enfrentadas no Nestor Paiva e no Fernando Franco, mas infelizmente a realidade é muito mais abrangente. Nesses dois locais os problemas que apresentaram formam apenas a ponta do 'iceberg'. O sistema de marcação está causando problemas assim como muitas outras situações do nosso sistema. Triste para nós trabalhadores e principalmente para a população que precisa muito de uma ação realmente humanista na saúde municipal para tentar sobreviver", declarou uma servidora que, dizendo ter receio de possíveis represálias, solicitou que a respectiva identidade não fosse revelada.
Já na Unidade Edézio Vieira de Melo, localizada no bairro Siqueira Campos, zona Oeste de Aracaju, as reclamações são semelhantes. Para a dona de casa Ivete Leopoldina, além da paciência é preciso multiplicar a fé ao se dirigir à unidade em busca de assistência. Preocupada com o próprio quadro clínico a usuária do sistema decidiu buscar o auxílio da imprensa sergipana como forma de tentar sensibilizar os gestores municipais. A contribuinte acredita que somente com o apoio dos veículos de comunicação será possível tornar públicas as dificuldades e, quem sabe assim, finalmente receber a consulta que tanto deseja.