CPI conclui que houve desvio de recursos no Cirurgia

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Os vereadores durante a reunião final da CPI da Saúde
Os vereadores durante a reunião final da CPI da Saúde

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 30/01/2019 às 06:55:00

 

Milton Alves Júnior
Depois de nove me-
ses de investigação 
minuciosa, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Saúde concluiu o inquérito administrativo que tinha como objetivo estudar possíveis irregularidades nos contratos de três hospitais filantrópicos (São José, Santa Isabel e Hospital de Cirurgia) com a Prefeitura Municipal de Aracaju nos anos de 2012 a 2017. Na manhã de ontem, os vereadores Seu Marcos (PHS), Isac Silveira (PCdoB), Anderson de Tuca (PRTB), Cabo Amintas (PTB) e Jason Neto (PDT), se reuniram na sede da Câmara Municipal de Aracaju para concluir a ação a qual confirmou que os recursos oriundos do governo Federal estavam sendo encaminhados para outro setor do Hospital de Cirurgia. Para a comissão essas atitudes configuram-se em crime de desvio de finalidade.
Diante dos fatos apurados, a comissão informou ao JORNAL DO DIA que todo o conteúdo adquirido e utilizado na apreciação dos dados será compartilhado com exclusividade para profissionais do Tribunal de Contas do Estado de Sergipe (TCE/SE), do Ministério Público Federal (MPF), e com a Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP/SE), através, diretamente, à peritos da Polícia Civil. Em explicações rápidas, os membros da CPI informaram que não restam dúvidas sobre a participação direta do ex-presidente do Hospital de Cirurgia, Gilberto Santos. Ele foi o principal gestor responsabilizado por desvio de recursos destinados ao setor de oncologia.
Ao todo foram mais de duas horas de reunião as portas fechadas antes da entrega do relatório. A meta central do inquérito foi investigar denúncias de desvio de finalidade, uso indevido de verbas, leitos vazios, meses de filas de espera para atendimento e contradições sobre os pagamentos de receitas entre gestores. Conforme oficializado no portal de notícias do poder legislativo municipal, para o vereador Seu Marcos (PHS), embora a Câmara de Aracaju não tenha disponibilizado as equipes técnicas necessárias, tanto jurídica , quanto contábil, o relatório foi fiel aos depoimentos das testemunhas e os documentos apresentado pelas instituições. Ele defende que a atuação da CPI resultará em benefícios diretos para a população usuária do Sistema Único de Saúde.
 "Não tenho dúvida que o relatório da CPI vai contribuir para explicar algumas dúvidas sobre a saúde pública nas capital. Encaminharemos agora para os órgãos de fiscalização. Vamos apresentar denúncia e esperar a justiça fazer o seu papel. Fizemos o nosso", explicou o presidente. Sem poupar críticas, o vereador Cabo Amintas informou que havia uma espécie de monarquia instalada nas dependências da Fundação de Beneficência Hospital de Cirurgia. "Ficou claro e evidente que existia muito nepotismo na unidade hospitalar. A diretoria era formada por uma família. Além disso, havia mau uso de verba pública. Quero aqui destacar que feito um trabalho brilhante pelos vereadores", relatou.
Até o início da noite de ontem o ex-presidente do Hospital de Cirurgia, Gilberto Santos, não havia se manifestado oficialmente sobre o resultado da CPI. Os documentos devem ser oficialmente protocolados na Polícia Civil, MPF e TCE até a próxima sexta-feira, 01 de fevereiro.

Milton Alves Júnior

Depois de nove me- ses de investigação  minuciosa, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Saúde concluiu o inquérito administrativo que tinha como objetivo estudar possíveis irregularidades nos contratos de três hospitais filantrópicos (São José, Santa Isabel e Hospital de Cirurgia) com a Prefeitura Municipal de Aracaju nos anos de 2012 a 2017. Na manhã de ontem, os vereadores Seu Marcos (PHS), Isac Silveira (PCdoB), Anderson de Tuca (PRTB), Cabo Amintas (PTB) e Jason Neto (PDT), se reuniram na sede da Câmara Municipal de Aracaju para concluir a ação a qual confirmou que os recursos oriundos do governo Federal estavam sendo encaminhados para outro setor do Hospital de Cirurgia. Para a comissão essas atitudes configuram-se em crime de desvio de finalidade.
Diante dos fatos apurados, a comissão informou ao JORNAL DO DIA que todo o conteúdo adquirido e utilizado na apreciação dos dados será compartilhado com exclusividade para profissionais do Tribunal de Contas do Estado de Sergipe (TCE/SE), do Ministério Público Federal (MPF), e com a Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP/SE), através, diretamente, à peritos da Polícia Civil. Em explicações rápidas, os membros da CPI informaram que não restam dúvidas sobre a participação direta do ex-presidente do Hospital de Cirurgia, Gilberto Santos. Ele foi o principal gestor responsabilizado por desvio de recursos destinados ao setor de oncologia.
Ao todo foram mais de duas horas de reunião as portas fechadas antes da entrega do relatório. A meta central do inquérito foi investigar denúncias de desvio de finalidade, uso indevido de verbas, leitos vazios, meses de filas de espera para atendimento e contradições sobre os pagamentos de receitas entre gestores. Conforme oficializado no portal de notícias do poder legislativo municipal, para o vereador Seu Marcos (PHS), embora a Câmara de Aracaju não tenha disponibilizado as equipes técnicas necessárias, tanto jurídica , quanto contábil, o relatório foi fiel aos depoimentos das testemunhas e os documentos apresentado pelas instituições. Ele defende que a atuação da CPI resultará em benefícios diretos para a população usuária do Sistema Único de Saúde.
 "Não tenho dúvida que o relatório da CPI vai contribuir para explicar algumas dúvidas sobre a saúde pública nas capital. Encaminharemos agora para os órgãos de fiscalização. Vamos apresentar denúncia e esperar a justiça fazer o seu papel. Fizemos o nosso", explicou o presidente. Sem poupar críticas, o vereador Cabo Amintas informou que havia uma espécie de monarquia instalada nas dependências da Fundação de Beneficência Hospital de Cirurgia. "Ficou claro e evidente que existia muito nepotismo na unidade hospitalar. A diretoria era formada por uma família. Além disso, havia mau uso de verba pública. Quero aqui destacar que feito um trabalho brilhante pelos vereadores", relatou.
Até o início da noite de ontem o ex-presidente do Hospital de Cirurgia, Gilberto Santos, não havia se manifestado oficialmente sobre o resultado da CPI. Os documentos devem ser oficialmente protocolados na Polícia Civil, MPF e TCE até a próxima sexta-feira, 01 de fevereiro.